Omicron é missão impossível para o novo chanceler alemão

Olaf Scholz faz seu juramento sobre a Constituição no parlamento (Bundestag), e assume como o nono chanceler da República Federal da Alemanha .

O novo Chanceler, Olaf Scholz, e seu gabinete “Semáforo” (Vermelho, Amarelo e Verde), assumiu o mandato na quarta-feira (08/12/21) com uma missão impossível nas mãos. Vacinar cerca de 25 milhões de alemães até o Natal e assim, teoricamente, evitar um Lockdown durante as festas de fim de ano. No caminho dessa meta estão, além dos obstáculos de logística, uma crescente desconfiança de quem ainda não está imunizado.

O jornalista, Markus Lanz, foi direto no nervo da questão. “Temos hoje 25% mais doentes do Covid-19 em UTIs, do que no ano passado”, ponderou ele em seu programa de entrevistas na televisão pública, ZDF. Em 01 de dezembro do ano passado, 3919 pessoas estavam internadas em UTIs na Alemanha. Na mesma data deste ano o número era de 4690 internados. Mais importante, 70% desses pacientes de hoje estão completamente vacinados. A mesma proporção do total da população que já se imunizou.

“A única explicação para isso é que este ano demoramos mais para reagir”, sugere Bernd Böttiger, médico internista, diretor da Associacao Alema Interdisciplinar para Medicina Intensiva  (Deutsche Interdisziplinäre Vereinigung für Intensiv und Notfall Medizin) e membro da Cruz Vermelha Alemã.

“Experts do mundo inteiro estão esfregando os olhos, não acreditando no que vêem. Simplesmente coisas que antes funcionavam, hoje não funcionam mais”, diz o político Omid Nouripour, do partido Verde (die Grünen).

Viabilidade vacinal

“Não temos mais como quebrar essa quarta onda com a obrigatoriedade da vacina”, acredita Hendrik Streeck, diretor do Instituto de Virologia da Universidade de Bonn. “É bom lembrar que a própria avaliação da eficácia dos imunizantes têm sido permanentemente recalculada pelos órgãos responsáveis, pois mudanças de efeito estão sendo verificadas em curto espaço de tempo”, explica ele.

Sobretudo, o virólogo alemão questiona a viabilidade de uma vacina que precisa ser reforçada a cada seis meses. “Israel já prepara sua quarta dose. É isso que queremos para toda a nossa populacao?”, pergunta Dr.Streeck, hoje um dos especialistas mais respeitados na Alemanha para o coronavírus. “Nao há um único serviço público para o esclarecimento da população sobre a vacina, a única mensagem da política é: vacine-se ou você será punido! No mínimo insensível e contra-producente”, opina.

O virólogo, Prof. Dr. Hendrik Streeck, ao centro, entre os entrevistados da noite do jornalista Markus Lanz (à esquerda).

Otimismo cauteloso

Na última sexta-feira (03/12/21), o fundador e CEO da Biontech, Ugur Sahin (56) admitiu em uma conferência da Reuters, que “a Omicron possivelmente têm condicoes de infectar pessoas vacinadas…em algum momento precisaremos de uma nova vacina contra essa nova variante”. O empresário se mostrou surpreso pela velocidade da mutação ocorrida. “Era esperado que uma variante assim aparecesse, mas eu achava que seria só em meados do próximo ano”, contou Sahin.

Na concorrente AstraZeneca, a perspectiva vai na mesma direção. “A verdade é que a próxima onda ou a próxima pandemia podem ser ainda mais contagiosa, ou com maior taxa de mortalidade, ou as duas coisas juntas”, declarou à BBC Sarah Gilbert, uma das cientistas que desenvolveram a vacina da empresa para a Covid-19. Para a professora da Universidade de Oxford, especializada no desenvolvimento de vacinas virais, as mudanças no genoma da nova variante “indicam que os anticorpos induzidos pela vacina possam ser menos efetivos em prevenir uma infeccao. 

Vigilância

Até o momento, análises mais minuciosas indicam que a Omicron, ainda que mais contagiosa, é menos perigosa. “Em um mês todo mundo terá sido infectado pela Omicron. Mas eu continuo otimista porque ainda que o número de infectados dobre a cada dia, o número de pacientes internados nao tem aumentado.”, diz Dr. John Campbell, em seu canal no Youtube. A Inglaterra registra até o momento quase 500 casos confirmados da Omicron, mas nenhuma hospitalização ainda com o novo vírus. “Esse número já é muito maior, pois nenhum sistema de vigilância consegue seguir um vírus com precisao”, avisa o professor. 

Nos últimos dois anos, mais de 5,2 milhões de pessoas morreram vítimas do Cov-SARS2, segundo a Organização Mundial da Saúde. Levantamento da Economist indica que na realidade esse número é quatro vezes maior. Além das vidas, o estrago se alastra pela vida social e econômica, com um rastro de inflação, desemprego e miséria.

Autor: Mariano Senna

Mariano Senna, nasceu em Porto Alegre. Formou-se em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (1995). Trabalhou em veículos impressos diários, semanários e mensários no Sul do Brasil. No JÁ, coordenou o projeto dos jornais de bairro (JÁ Bom Fim, JÁ Moinhos) e a criacao da Agência de Notícias Ambientais - Ambiente JÁ, no final dos anos 90. Em 2003 mudou-se para Berlim, na Alemanha, onde atua como correspondente, tradutor e consultor. Mariano têm mais de 20 anos de experiência no acompanhamento e reportagem de temas controversos, envolvendo interesses corporativos. É mestre (Master of Science) em mídia digital pela Universidade de Lübeck e tem doutorado (PhD) em ciência da informação no Instituto de Biblioteconomia e Ciência da Informação (IBI) da Universidade Humboldt de Berlim.

Um comentário em “Omicron é missão impossível para o novo chanceler alemão”

Deixe uma resposta