Homem de 60 anos, que esteve em Milão, é primeira vítima do corona no RS

O governo do Estado confirmou, na manhã desta terça-feira (10/3), em coletiva de imprensa no Palácio Piratini, o primeiro caso de infecção pelo novo coronavírus no Rio Grande do Sul.

O homem, de 60 anos, morador de Campo Bom, esteve em Milão, na Itália, entre 16 e 23 de fevereiro.

Ele está em isolamento domiciliar e nenhum dos familiares apresentou sintomas. Todos serão acompanhados até a melhora do quadro de saúde.

Até esta terça-feira (10/3), 190 casos suspeitos haviam sido notificados no Estado. Além desse primeiro caso positivo, outros 103 casos já foram descartados e 86 estão sendo investigados.

A identificação do novo coronavírus (SARS-Cov-2), causador da doença que levou o nome de COVID-19, foi feita em exame no Laboratório Central do Rio Grande do Sul (Lacen/RS) que, desde a última sexta-feira (6/3), realiza esse diagnóstico específico.

De sexta-feira até terça, o Lacen recebeu 122 amostras e já analisou 107. “É uma resposta muito concreta de que o governo do Estado está fazendo a lição de casa”, avalia a secretária da Saúde, Arita Bergmann.

A Secretaria de Saúde (SES) instalou, no dia 28 de janeiro, o Centro de Operações de Emergência (COE) para monitorar a propagação e preparar a rede pública para uma possível chegada do vírus.

Por enquanto, há cinco hospitais de retaguarda preparados para receber pacientes – o Hospital de Clínicas de Porto Alegre, o Complexo Hospitalar Conceição, o Hospital Universitário de Canoas, o Hospital Municipal de Novo Hamburgo e o Hospital São Vicente de Paulo, de Passo Fundo.

A partir da confirmação de casos, o número de hospitais pode aumentar. A orientação da SES é de que, ao constatar sintomas, a pessoa se dirija à unidade de saúde mais próxima.

Para reforçar as medidas de prevenção, o Ministério da Saúde antecipou a vacina contra a gripe para 23 de março.

O público-alvo inicial é composto de idosos, faixa etária que está mais propensa a quadros graves da doença, e profissionais da saúde.

Sobre o primeiro caso de coronavírus no Estado

– Homem, 60 anos, residente em Campo Bom
– Histórico de viagem para Milão (Itália)* entre 16 e 23 de fevereiro
– Início de sintomas de febre e tosse em 29 de fevereiro
– Atendido em clínica privada de Novo Hamburgo em 1º de março
– Avaliação médica com o quadro de sintomas leves
– Orientado a ficar em isolamento domiciliar até a melhora dos sintomas, sendo monitorado pela vigilância epidemiológica do município
– Notificado ao Estado como suspeito em 2 de março
– Chegada das amostras de secreções das vias respiratórias ao Lacen/RS em 2 de março
– Realizados primeiros exames para painel de sete vírus respiratórios mais comuns no país (influenza A e B, parainfluenza, adenovírus e vírus sincicial respiratório) em 3 e 4 de março, todos com resultado negativo
– Análise específica para o novo coronavírus (SARS-Cov-2) em 9/3 com resultado positivo por meio de análise da carga genética do vírus
– Atual quadro de saúde do paciente é leve, persistindo a tosse
– Nenhum familiar residente no mesmo endereço apresenta sintomas, mas eles seguem sendo monitorados até completar 14 dias do início dos sintomas do caso positivo (até a próxima segunda-feira, 16 de março)
– Como já se passaram mais de 14 dias dos voos de regresso (período estimado de incubação da doença), não se preconiza a verificação da lista de passageiros para a busca ativa a outros suspeitos

* em 16/2, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a Itália tinha três casos confirmados. Passando a 76 em 23/2. Até 9 de março esse número já tinha ido a mais de 7,3 mil casos no país, com maior concentração na região da Lombardia, cuja capital é Milão.

Ações no RS

A preparação do Estado para o enfrentamento da doença começou no início de janeiro com acompanhamento das informações de casos por esse novo tipo de vírus na China.

Em 28 de fevereiro, a SES instituiu o Centro de Operações de Emergências (COE) para investigar, manejar e notificar casos potencialmente suspeitos da infecção.

Na página da SES estão disponíveis as informações para a população em geral e profissionais de saúde.

O que é a COVID-19?

É uma doença causada pelo novo tipo de coronavírus identificado neste ano, que leva o nome de SARS-CoV-2. Ele pertence à família de vírus de mesmo nome que causa infecções respiratórias.

O vírus tem esse nome porque seu formato, quando observado em microscópio, se assemelha a uma coroa.

Definição de suspeito de doença pelo coronavírus

Situação 1 – VIAJANTE:
Pessoa que apresente febre e pelo menos um dos sinais ou sintomas respiratórios (tosse, dificuldade para respirar, escarro, congestão nasal, entre outros) e histórico de viagem para país com transmissão sustentada ou área com transmissão local nos últimos 14 dias;

Situação 2 – CONTATO PRÓXIMO:
Pessoa que apresente febre ou pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, escarro, congestão nasal, entre outros) e histórico de contato com caso suspeito ou confirmado para COVID-19, nos últimos 14 dias;

Situação 3 – CONTATO DOMICILIAR:
Pessoa que manteve contato domiciliar com caso confirmado por COVID-19 nos últimos 14 dias e que apresente febre ou pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, escarro, congestão nasal, entre outros).

(Com informações e foto da Assessoria de Comunicação)

Primeiro caso de coronavirus confirmado no Rio Grande do Sul

O primeiro caso confirmado de contaminação pelo coronavirus no Rio Grande do Sul foi comunicado agora há pouco pelo governador Eduardo Leite.

O Laboratório Central do Estado já recebeu 102 amostras e já analisou 92, com uma confirmação.

O paciente contaminado é de Campo Bom e voltou recentemente da Italia. Apresentou sintomas leves (tosse e febre) e foi orientado a manter isolamento domiciliar. Nenhum familiar até agora apresentou qualquer sintoma.

O caso foi notificado no dia 2 de março e encaminhado para análise no Laboratório Central do Estado. Na tarde desta segunda-feira, 9, foi confirmado.

Na comparação com a o surto de H1NV, ocorrido em 2009,  a situação atual é bem diferente, conforme a secretaria. Naquela vez, o RS foi surpreendido pelo primeiro caso, o governo foi surpreendido e estava despreparado.

Agora, desde o surgimento do primeiro caso na China em dezembro do ano passado, vem sendo tomadas providências pela Secretaria de Saúde. Hoje segundo a secretária da Saúde há uma rede de suporte para atender os possíveis casos.

Há, em vários hospitais do Estado, leitos, inclusive de UTI reservados para eventuais pacientes contaminados.

O Estado tem 190 casos notificados, a maioria já descartados, mas 86 suspeitos continuam em averiguação.

Entre os cuidados recomendados foi recomendado pelo governador  o não compartilhamento do chimarrão.

 

 

 

Obra que se arrasta há 14 anos vai consumir metade dos investimentos em rodovias

O governador Eduardo Leite e dois secretários ergueram os cones de sinalização para celebrar com prefeitos e moradores da região a conclusão dos 9,5 quilômetros de asfalto que ligam à rede rodoviária os 7,3 mil habitantes de Caraá, no Litoral Norte.
A obra custou R$ 4,8 milhões.
Para este ano, o governo anuncia um total de R$ 200 milhões para investimento em rodovias estaduais este ano – serão dez trechos de acesso a pequenas comunidades e a conclusão da RS 118, que liga duas rodovias federais na altura de Sapucaia do Sul.
Com apenas 21,5 km de extensão, a RS 118  é uma das mais movimentadas e perigosas rodovias do Estado.
As obras de duplicação começaram em novembro de 2006 e o governo está prometendo concluí-la até o final de 2020. Orçada em R$ 220 milhões, a  obra já consumiu R$ 130 milhões, faltando portanto R$ 90 milhões, que correspondem a quase 50% do total dos investimentos anunciados para rodovias em 2020 no RS.
Faltam menos de dez quilômetros para duplicar, mas boa parte do que já foi feito apresenta problemas.  O repórter Leandro Domingos, do NH, percorreu a 118 e encontrou buracos e falta de sinalização em quase  toda a extensão da estrada.
No ato de liberação do trecho em Caraá, o governador repetiu que a conclusão de acessos asfálticos é uma das prioridades do governo do Estado.

acesso asfáltico caraá
Trecho de 9,5 km da RS-030 entre Caraá e Santo Antônio da Patrulha é o primeiro acesso asfáltico realizado pelo atual governo – Foto: Itamar Aguiar / Palácio Piratini*Jovir Costella, de Logística e Transporte, Artur Lemos, da Infraestrutura. O evento também contou com a presença do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ernani Polo, do prefeito de Caraá, ,Nei Pereira dos Santos, e do diretor-geral do Daer, Luciano Faustino.

Acessos asfálticos com obras em andamento no RS:

  • Santo Antônio do Palma (RS-458);
  • São José do Hortêncio (RS-874);
  • Muliterno (RS-462);
  • Guabiju – São Jorge (RS-126);
  • Carlos Gomes (RS-477);
  • Boqueirão do Leão – Sério (RS-421);
  • Cândido Godói (RS-165);
  • Sério (RS-421);
  • Sertão Santana (RS-713).

(Com informações da Assessoria)

Aumento recorde das vendas de Natal é candidato à fake news do ano

“Vendas de Natal aumentam 9,5% este ano, o maior crescimento desde 2014”.
A manchete parecia estar pronta, tal a rapidez com que foi parar na capa dos principais sites de noticias e informativos de rádio e tevê.
Na manhã do dia 26, já era a principal notícia de economia no país, ecoando as previsões de retomada do crescimento, depois de cinco anos de estagnação.
A fonte de todos era a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping, que divulgara “uma pesquisa com base em dados de 30.000 pontos de vendas distribuídos por todo o país, representando 400 empresas de varejo”.
“As vendas no período representaram R$ 37 bilhões em injeção de dinheiro na economia do país”, dizia a nota da Alshop,
E completava: “Ao longo do ano de 2019, as vendas cresceram 7,5% no varejo de Shopping, o que corresponde a um faturamento de R$ 168,2 bilhões”.
O presidente da entidade, Nabil Sahyoun, avançava uma explicação, devidamente reproduzida no noticiário:
“As vendas cresceram acima do esperado (…) por fatos importantes como a aprovação da reforma da previdência e uma gestão eficiente da política econômica que permitiu a redução dos juros, a liberação do FGTS e PIS/PASEP mas sobretudo por um ajuste das contas públicas, que mostra a determinação do governo de reduzir gastos permitindo que a economia e o comércio avancem e resultem em novos empregos e aumento nas vendas de forma sustentável”.
A nota da Alshop trazia até detalhes  da pesquisa:
“Os presentes mais procurados nos shoppings centers durante o período do Natal foram itens de moda masculina (58% dos consumidores), brinquedos (40%), perfumes e cosméticos (34%), calçados (32%), acessórios de moda (25%), celulares e smartphones (17%), livros (11%), vale presente (9%), joias e bijuterias (9%) e eletrônicos e eletrodomésticos (9%).

No dia seguinte, quando os “analistas de mercado” já extrapolavam suas previsões para a retomada econômica, veio a contestação.
Outra entidade, a Associação Brasileira dos Lojistas Satélites, declarou em nota à imprensa que a estatística publicada não teria validade científica. Seria “mera” estimativa”.

“Entendemos que tal informação não passa de mera estimativa, visto que não houve nenhuma pesquisa técnica como informam, não existindo assim uma fonte legal e de credibilidade que possa dar suporte a tais informações”, escreveu na nota.

“Gostaríamos de estar comemorado tal feito, mas infelizmente não aconteceu, trata-se de informações meramente especulativas sem nenhum critério técnico”, declarou o empresário Tito Bessa Jr.

Ele prometeu recorrer à Justiça para questionar os dados apresentados e a base técnica da pesquisa anunciada.

A Associação Brasileira dos Lojistas Satélites tem 100 marcas associadas que representam 5.000 pontos de vendas, sendo a grande maioria (95%) em shopping centers.

Foi criada em fevereiro deste ano para representar as lojas satélites, que tem mais de 180 metros quadrados. Segundo a associação, há mais de 100 mil lojas deste tipo que geram cerca de 1,2 milhão de empregos diretos e 3 milhões indiretos.

A Alshop até o início da manhã desta segunda-feira não se manifestou sobre a contestatção.

Nova lei da previdência estadual corta R$ 11 bilhões em aposentadorias e pensões

O governador Eduardo Leite deu o número, na entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira, quando avaliou a vitória do governo com a aprovação por 38 votos a 15 do primeiro dos oito projetos do pacote de reforma votado pela Assembleia.
Ele disse que as mudanças aprovadas nas regras da previdência dos servidores estaduais vão “contribuir com R$ 11 bilhões para os R$ 25 bilhões que o governo pretedente economizar nos próximos dez anos de gastos com pessoal”.
Aumento das contribuições, aumento da idade mínima, redução de benefícios – por vários mecanismos os aposentados e pensionista do Estado serão levados a contribuir com R$ 1,1 bilhões por ano para o equilíbrio das contas públicas do Rio Grande do Sul, nos próximos dez anos
Os sete projetos restantes, que completarão os R$ 25,4 bilhões de economia pretendida, ainda não tem data certa para a votação. Não está descartada a hipótese de uma convocação extraordinária no final de janeiro.

RS no ranking dos Estados: 11º em educação, 18º em infraestrutura

O governador Eduardo Leite pode ver nesta segunda feira (9/12) uma fotografia sem retoques da crise estrutural que atinge o Rio Grande do Sul, durante a apresentação do Ranking de Competitividade dos Estados 2019.
O levantamento é produzido há nove anos pelo Centro de Liderança Pública e faz um diagnóstico das 27 unidades federativas a partir da análise de 69 indicadores sociais e econômicos.
O gerente de Competitividade do CLP, José Henrique Nascimento, fez a exposição perante o governador Eduardo Leite, secretários e diretores de instituições estatais, no Salão Negrinho do Pastoreio, no Palácio Piratini.

O Rio Grande do Sul ficou em sétimo lugar na média geral – era quinto no ano passado, caiu duas posições em um ano.  Mas despencou em itens essenciais: 11º lugar em educação, 18º em infraestrutura e último em termos de equilíbrio fiscal.
Em “sustentabilidade ambiental” caiu dois pontos em relação ao ano passado  é o 12º.
Em “capital humano”  é o 15º, mesma posição que ocupa quanto ao “potencial” de mercado”.
O Estado  teve destaque em “inovação” (2ª colocação), eficiência da máquina pública (2º), sustentabilidade social (3º). Em Segurança Pública, subiu três posições, mas ainda está em quinto lugar.
Nascimento, explicou que o RS tem um PIB mais alto que a média nacional, mas a baixa capacidade de investimento (2,92% da RCL), o déficit primário e nominal, somado à baixa solvência fiscal, ao elevado gasto com pessoal (104% da RCL) e à baixa capacidade de poupança, fazem o Estado ocupar a última colocação no ranking no quesito da “solidez fiscal”.

Fotos: Itamar Aguiar/Palácio Piratini
O governador agradeceu ao CLP pelo trabalho e pela apresentação detalhada. “A apresentação reforça nossas convicções e mostra que estamos trabalhando na direção correta, principalmente com a reforma estrutural que está em discussão, porque estamos atacando aquilo em que estamos pior colocados em todo o país”, destacou Leite.
O Ranking avalia o desempenho dos governos estaduais buscando auxiliar dirigentes públicos a diagnosticar e elencar prioridades de gestão.
Desde seu início, em 2011, conta com o apoio técnico da Economist Intelligence Unit e, desde 2015, passou a ter a colaboração da Tendências Consultoria Integrada.
Novas reuniões estão agendadas da equipe do CLP com as secretarias de Governança e Gestão Estratégia e de Planejamento, Orçamento e Gestão.
“Essa ferramenta (o ranking) vai ajudar o governo nas diversas frentes da sua atuação na busca por melhorias e oferecer melhor qualidade de vida à população. Poderemos alinhar nossa estratégia e fazer as eventuais correções de rumos necessárias. Com esses dados em mãos, temos, agora, de fazer a lição de casa”, complementou o governador.
RANKING 2019
Assim como na edição anterior, São Paulo segue na primeira colocação no Ranking de Competitividade dos Estados. Da mesma forma, Santa Catarina permaneceu na segunda posição, Distrito Federal, na terceira e Paraná, na quarta.
As unidades federativas do Sudeste, Sul e Centro-Oeste concentram-se na metade superior do ranking, com os Estados do Norte e Nordeste ocupando as últimas posições. Se destacaram as seguintes UFs, por terem sido as que mais ganharam posições em relação à edição de 2018: Rio Grande do Norte, Pernambuco, Rio de Janeiro e Sergipe.
A lista completa:
1º São Paulo
2º Santa Catarina
3º Distrito Federal
4º Paraná
5º Mato Grosso do Sul +2
6º Espírito Santo +2
7º Rio Grande do Sul
8º Minas Gerais
9º Mato Grosso +2
10º Rio de Janeiro +3
11º Paraíba
12º Ceará
13º Goiás
14º Alagoas +2
15º Rio Grande do Norte +5
16º Amazonas +1
17º Pernambuco +4
18º Rondônia
19º Tocantins
20º Bahia +2
21º Roraima
22º Sergipe +3
23º Piauí
24º Amapá
25º Pará
26º Maranhão
27º Acre
José Henrique Nascimento, do CLP, detalhou os dados do ranking que coloca o RS na última posição em Solidez fiscal – Foto: Itamar Aguiar / Palácio Piratini
 
POSIÇÃO DO RS EM RELAÇÃO À EDIÇÃO 2018:
Ranking geral
▼ Caiu 2 posições (7ª colocação)
Em cada pilar:
▼ -4 em Infraestrutura (18ª colocação)
▼ -1 em Sustentabilidade Social (3ª colocação)
▲ +3 em Segurança Pública (5ª colocação)
▼ -3 em Educação (11ª colocação)
▼ -2 em Solidez Fiscal (27ª colocação)
▼ -1 em Eficiência da Máquina Pública (2ª colocação)
▼ -1 em Capital Humano (15ª colocação)
▼ -2 em Sustentabilidade Ambiental (12ª colocação)
▲ +10 em Potencial de Mercado (15ª colocação)
■ em Inovação (2ª colocação)
(Com informações da Assessoria de Imprensa)
 

Consórcio Aegea vence leilão do saneamento da Corsan, a maior PPP do país

O Consórcio Aegea foi o vencedor do leilão da parceria público-privada (PPP) da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan).
Com uma proposta de R$ 2,40 por metro cúbico de esgoto faturado, com deságio de 37,92%, o consórcio deverá ampliar a cobertura de esgoto de aproximadamente 14% para 87,3%, em até 11 anos, nos municípios de Alvorada, Cachoeirinha, Canoas, Eldorado do Sul, Esteio, Gravataí, Guaíba, Sapucaia do Sul e Viamão.
“É o início de uma nova etapa. Essa PPP, considerada a maior do país, reforça nossa absoluta convicção de que temos, na parceria com o setor privado, competição e concorrência saudável”, disse o governador Eduardo Leite. Os secretários de Meio Ambiente e Infraestrutura, Artur Lemos Júnior, e de Parcerias, Bruno Vanuzzi, acompanharam o leilão.
Além do Consórcio Aegea, o Consórcio Sul Ambiental e a BRK Ambiental Participações S.A. foram considerados aptos a participar do leilão. No momento de abertura dos envelopes, na manhã desta sexta-feira (29/11), na sede da B3, em São Paulo, o Consórcio Sul Ambiental despontou na frente, com a proposta de R$ 2,61 por metro cúbico de esgoto tratado (deságio de 26,82%).
Em segundo lugar, ficou a Aegea Saneamento, com R$ 2,64 por metro cúbico (deságio de R$ 25,38%) e, por último, a BRK Ambiental, com a proposta de R$ 2,89 por metro cúbico (deságio de 14,53%).
Uma vez que houve diferença inferior ou igual a 15% com relação a menor proposta, o leilão foi levado à proposição por viva voz, para oferta de novosdeságios. Depois de 11 rodadas, o Consórcio Aegea acabou vencendo.
A homologação da licitação deve ocorrer em 24 de janeiro, e a Corsan espera assinar o contrato da PPP até março. O processo licitatório contou com assessoria técnica e apoio operacional da B3, uma das principais empresas de infraestrutura de mercado financeiro do mundo.
O projeto é a maior PPP de saneamento do país. Engloba um investimento total de R$ 2,23 bilhões, divididos em obras em execução pela Corsan (R$ 370 milhões) e investimentos do parceiro privado (estimativa de R$ 1,86 bilhão, repartido em R$ 1,63 bilhão para expansão do sistema de esgoto e R$ 230 milhões para ações comerciais e operacionais).
A Corsan assegura que nada muda para a população: a Corsan continuará praticando as tarifas normais de acordo com a tabela tarifária vigente para os serviços de esgoto e de acordo com a homologação da agência regulatória.
A cobertura atual de esgoto da Corsan é de apenas 18,44%, e o Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab) estabelece a meta de 96% para a universalização do esgotamento sanitário até 2033. Para atingi-la, seria necessário um investimento total de aproximadamente R$ 12 bilhões.
Desde 2007, a Corsan investiu R$ 1,5 bilhão na expansão dos sistemas de esgoto, com investimento médio anual de R$ 127 milhões..
Modelagem
A contratação da PPP da Região Metropolitana tem como escopo a operação e a manutenção dos Sistemas de Esgotamento Sanitário (SES), com execução de obras de infraestrutura, ampliações e melhorias dos sistemas de esgoto. Como serviços acessórios, estão previstos o gerenciamento e acompanhamento dos projetos e obras dos SES a serem realizados pela Corsan, programas comerciais em hidrometração e identificação e retirada de fraudes em água e esgoto, e programa de ligações intradomiciliares para categorias sociais, este último com custo ressarcido pela Corsan.
A contratação se dará na modalidade concessão administrativa, em que os serviços são prestados à administração pública, que figura como “usuário direto” e remunera o parceiro privado na forma de contraprestação. O valor total da contratação é de R$ 9,6 bilhões, a serem pagos ao longo dos 35 anos de contrato. A PPP foi estruturada por uma equipe de técnicos da Corsan, com apoio da consultoria PwC.
(Com Secom Corsan)

Luiz Pinguelli Rosa: "A esquerda está embaixo da mesa"

O programa de privatizações no setor brasileiro de energia foi o tema que lotou o auditório da Faculdade de Economia da UFRGS, nesta quinta-feira, 28.
Na mesa, duas autoridades: Luiz Pinguelli Rosa, engenheiro nuclear, doutor em Física, ex-presidente da Eletrobras, e Ildo Luís Sauer, engenheiro civil, mestre em energia nuclear, ex-diretor da Petrobras, diretor do Instituto Energia e Ambiente da USP.
Na plateia, estudantes de economia, sindicalistas, o ex-deputado Raul Carrion e o ex-governador Olívio Dutra.
O jornalista Juremir Machado da Silva fez as apresentações e coordenou os trabalhos.
Sauer começou falando da “apropriação social do recurso energético”, que seria a exploração econômica dos recursos naturais condicionada a um investimento no desenvolvimento social –  educação, saúde.
Disse que a política neoliberal em andamento, vai no sentido oposto. Remete ao Estado Mínimo de que o Chile foi pioneiro, sob a ditadura de Augusto Pinochet. “O Chile foi o laboratório. Depois é que vieram Thatcher, Regan e outros. O Guedes se formou lá”.
Os protestos violentos que explodiram no Chile há um mês, segundo Sauer, são as consequências do modelo, que resulta num Estado esvaziado, problemas sociais agravados, o conflito nas ruas.
Segundo Sauer, o Brasil não sabe sequer as reservas de petróleo que tem, “talvez sejam as maiores do mundo”. Reservas medidas são 100 bilhões de barris, “mas podem ser 200 bilhões ou mais”.
A Eletrobras, que está no calendário das privatizações para 2020, já “está depenada”.  A redução das tarifas no governo Dilma Rousseff contribuiu para isso.
“O problema é político” disse Luiz Pinguelli Rosa. “Jornalistas justificam todos os dias a necessidade de privatizar a Eletrobras, mas a Eletrobras deu lucro de R$16 bilhões em 2018, e no primeiro semestre deste ano deu R$ 8 bilhões. Vão vender ações, para passar o controle da companhia por R$ 20 bilhões, pouco mais do que o lucro de um ano”. “Parece que o país foi tomado por marcianos”, brincou.
Criticou também a oposição que “não foca no Paulo Guedes”. “Enquanto Bolsonaro distrai com piruetas, Guedes vai fazendo o serviço.”
Comparou a situação brasileira com a invasão da França pelos nazistas na Segunda Guerra. “Estamos vivendo o vexame da França ocupada.”
O pior, disse, é que a resistência da esquerda é pífia. “Nas sessões do Congresso dá para dormir”, brincou. “A esquerda está embaixo da mesa.”
Citou como casos que não mereceram a devida reação: a venda da BR Distribuidora: “Era o caixa da Petrobras”, e a privatização da distribuição de gás. “A Petrobras construiu a rede de 9 mil quilômetros de gasoduto, vendeu, agora vai pagar para usar”.
O discurso de que a competição fará as tarifas caírem “é falácia”: “As tarifas vão aumentar”, sentenciou.
.

Por que a Brigada Militar montou esquema de guerra para o julgamento de Lula?

POR SOLDADO ADRIÉLY ESCOUTO/PM5 às 10h52
“A Brigada Militar informa: sobre o esquema especial de segurança para o julgamento do ex-presidente Lula nesta quarta-feira (27/11), no Tribunal Regional Federal da 4° Região, a situação em seu entorno está tranquila.
Na ausência de manifestações, foi possível liberar os bloqueios de trânsito, preventivos, para minimizar o impacto no fluxo de veículos na área central, em favor da população que circula nas vias de Porto Alegre. A situação atualizada do trânsito é a seguinte:
Vias liberadas:
– Trecho da Avenida Mauá com a Rua General Bento Martins no sentido centro/bairro.
– Avenida Edvaldo Pereira Paiva no viaduto Abdias do Nascimento.
Único bloqueio de trânsito que segue:
– Avenida Augusto de Carvalho entre Loureiro da Silva e Edvaldo Pereira Paiva”.
***
Pouco antes desse comunicado, em entrevista à rádio Gaúcha, o sub-comandante da Brigada explicava que o aparato repressivo, com bloqueios de avenidas, dezenas de veículos, pelotões do Choque, cavalarianos, e apoio de helicópteros, fora decidido a partir de informações do serviço de inteligência.
Segundo essas informações grupos organizados tentariam ações violentas. Com base nelas um aparato de guerra foi montado e, no final, os abnegados e pacíficos lulistas que se deslocaram até  o TRF4 não perfaziam três dezenas.
Terá sido a inteligência da Brigada Militar vítima de fake-news?

Cpers promete o "maior ato da história das greves" na terra do governador

A assembleia dos professores em greve aprovou a agenda de mobilizações para os próximos dias, incluindo um grande ato em Pelotas na semana que vem.
Para esta quinta-feira, 28, etão programadas “passeatas luminosas” em várias cidades do Estado, buscando envolver a comunidade nos objetivos da greve a partir das palavras de ordem “abrace a escola pública”.
Na sexta, 29, a Mostra Pedagógica vai ocupar a Praça da Matriz com exposição e apresentações das atividades das escolas públicas do Estado.
E para a semana que vem está sendo preparado o ato de repúdio ao pacote de reforma administrativa em Pelotas – terra do governador Eduardo Leite. “Estamos preparando o maior ato da história das greves do Cpers”, anunciou Helenir Aguiar Schürer.
Em seu oitavo dia, a greve dos professores mantém cerca de 85% das escolas total ou parcialmente paralisadas, segundo dados apresentados pelo Ceprs/Sindicato.
A assembleia geral dos professores, que reuniu mais de 15 mil pessoas na Praça da Matriz na tarde desta terça-feira, 26,  terminou em agressão a dirigentes sindicais por parte da Brigada Militar e com um saldo de nove pessoas feridas, entre elas a presidente do Ceprs/Sindicato, Helenir Schürer.
(Com informações do Extra Classe,  Sul 21 e Cpers)