Prêmio de até 20 mil para pesquisa sobre patrimônio arqueológico

Estão abertas as inscrições para a 9ª edição do Prêmio Luiz de Castro Faria, que reconhece a pesquisa acadêmica cujo tema seja o Patrimônio Arqueológico Brasileiro.

O concurso vai premiar pesquisas que, devido a sua originalidade, vulto ou caráter exemplar, mereçam registro, divulgação e reconhecimento público.

Realizada desde 2013 pelo Centro Nacional de Arqueologia (CNA) do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a iniciativa distribuirá premiações que vão de R$ 7 mil a R$ 20 mil.

As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas, em formato online, até 27 de agosto de 2021.

De acordo com o diretor do CNA, Herbert Moura, “o prêmio surgiu a partir da iniciativa de ampliar a divulgação e o reconhecimento das produções científicas que abordam o patrimônio arqueológico brasileiro”.

Hoje, para o diretor “trata-se de uma realidade consolidada, sendo o maior prêmio de arqueologia do Brasil, que proporciona o reconhecimento da arqueologia, amplia a proteção aos bens arqueológicos e incentiva as pesquisas científicas”.

De acordo com edital publicado nesta terça-feira (13), pesquisadores e estudantes podem se inscrever em quatro categorias: monografia de graduação, dissertação de mestrado, tese de doutorado e artigo científico.

Categorias do Prêmio Luiz Castro Faria

Categoria I – Monografia de Graduação: visa a apresentação de monografia final desenvolvida no âmbito de cursos de graduação em Arqueologia (ou com habilitação em Arqueologia reconhecido pelo MEC) e que verse sobre o patrimônio arqueológico brasileiro. Premiação: R$ 10 mil.

Categoria II – Dissertação de Mestrado: visa a apresentação de dissertação de mestrado desenvolvida no âmbito de cursos de pós-graduação stricto sensu em Arqueologia, ou com área de concentração em Arqueologia reconhecida pela Coordenação de Pessoal de Ensino Superior (Capes), e que verse sobre o patrimônio arqueológico brasileiro. Premiação: R$ 15 mil.

Categoria III – Tese de Doutorado: visa a apresentação de tese de doutorado desenvolvida no âmbito de cursos de pós-graduação stricto sensu em Arqueologia, ou com área de concentração em Arqueologia reconhecida pela Coordenação de Pessoal de Ensino Superior (Capes), e que verse sobre o patrimônio arqueológico brasileiro. Premiação: R$ 20 mil.

Categoria IV – Artigo Científico: visa a apresentação de artigo científico inédito que verse sobre o patrimônio arqueológico brasileiro. Premiação: R$ 7 mil.

Serviço:

9ª Edição do Prêmio Luiz de Castro Faria
Inscrições: de 13 de julho a 27 de agosto de 2021
Edital e ficha de inscrição:
Edital n° 02/2021
Ficha de inscrição

Informações sobre a premiação:
Centro Nacional de Arqueologia (CNA/Iphan)
(61) 2024-6300 – [email protected]
Quadra SEPS, 713/913 Bloco D – 3º andar Asa Sul Brasília – DF

Fogo, Cerrado – o eterno redevir do Brasil

Ana Cristina Braga Martes

Fogo, Cerrado, de Marcos Wilson Spyer Rezende, ilustrado por Bruno Liberati e editado pela Geração Editorial, foi publicado silenciosamente no final do ano passado, 2020.

O livro marca a estreia do autor, mas começou a ser escrito em 1962.

O mais importante a ser dito sobre ele, é que Fogo, Cerrado inova sem a pretensão de inovar, e inova justamente naquilo que há de mais crucial na literatura: a linguagem.

Com o propósito de construir uma linguagem regionalmente enraizada, Rezende não segue os cânones da língua portuguesa e transgride com muita coragem. O autor deu a si mesmo a liberdade de inventar uma linguagem própria, do Cerrado, que mescla vários sotaques do Brasil.

A princípio, levando-se em conta o cenário rural e os personagens, é possível supor que o livro traz de volta um tom regionalista, ou uma temática regional. É certo que os personagens de Fogo, Cerrado são bem conhecidos na história do Brasil: o coronel e seus capangas, a curandeira que desafia a medicina e o doutor da cidade, o abusador de meninas que repete as tristes e revoltantes cenas com mulheres negras escravizadas.

Tudo isso é quase lá, já vi essa história, mas não é.

O contexto é dos anos sessenta, época da construção da estrada Rio-Brasília, que irá retalhar a geografia, a história do país e a vida dos moradores do Cerrado.

Mas, ainda predomina o coronelismo na região e o Cerrado começa a ser ocupado por militares obcecados pela infiltração comunista no país. Isso é importante porque, tanto o Cerrado quanto as transformações que ele começa a sofrer a partir dessa década, raramente aparecem na literatura brasileira, e nunca com uma linguagem regionalmente enraizada.

Tomando um dos livros clássicos de interpretação do Brasil, Coronelismo, enxada e voto, de Vitor Nunes Leal, “o coronelismo é, sobretudo um compromisso, uma troca de proveitos entre o poder público, progressivamente fortalecido, e a decadente influência social dos chefes locais, notadamente dos senhores de terra.

Desse fenômeno, enraizado no passado colonial, resultam: o mandonismo (perseguição aos adversários), a fraude eleitoral e a desorganização dos serviços públicos locais entre outros (pág. 20).

Contexto

A região do Cerrado se vê ameaçada com a construção da nova capital do país, o movimento da marcha para o oeste, e a construção da estrada Rio-Brasília, ligando o velho ao novo distrito federal, que desestabiliza o domínio já decadente do Coronel:  Coronel, João Candido, filhos dele, povo da roça, sertanejo e meeiro, posseiro, vaqueiro, e jagunço, tinham que morrer se preciso fosse para cortar o caminho dos povos que vinham do Norte, do Sul, e do Mar-Litoral que nem gafanhotos.

Comendo a comida deles. Ocupando suas terras. Fincar pé era ordem que corria de boca em boca. Opção de futuro seria a de comer lavagem. Comida de porco com resto de tudo pra ser jogado fora. Era o que ia sobrar para gentes do Cerrado. Se sobrasse. (pág. 41)

Apesar da instabilidade e da decadência serem decorrentes da estrutura de produção da latifundiária, o coronel e seu clã entendem que as ameaças são pessoais.

O lugar central ocupado pela pessoa –  enquanto uma categoria relacional –  contrasta com o indivíduo, e também com qualquer sentido de coletividade e associativismo.

Contra  as “pessoas de fora”, invasores acampados em terra que já tem dono, o coronel incitará seus empregados a matar.

A atmosfera do livro é marcada pela violência e pelo extermínio dos comunistas: “Coronel sabia por saber é que suas terras estavam ocupadas. Cada dia mais. Comunistas” num universo simbólico e politico imutável e autorreferente: O acampamento começava depois da cerca da rodovia, dentro mesmo da fazenda Santo Antônio. Dele!

Como é que pode? Sem Companhia para pagar certinho, todo final de mês, iam de querer ser coronéis. Têm de ser expulsos. E vão ser. Amanhã de manhã começa a guerra (pág. 51) é nesse contexto, onde o Coronel é quem manda, paga, sustenta, e tem poder de polícia, que os jagunços, tão ameaçados quanto o Coronel, vão à caça aos comunistas.

Inicialmente o coronel pede a Antônio Candido que mate Zeferino comunista, mas a execução anunciada desde o início, será realizada apenas no final do livro por um menino, adolescente, filho biológico do coronel, que nasceu para ser jagunço e para isso treinou desde criança com os bichos.

O enredo segue a trilha da caça aos comunistas do início ao fim. É isso que justifica a não linearidade temporal da narrativa, assim como a submissão da cronologia dos acontecimentos ao tempo da guerra, da guerrilha.

Por isso os fatos vão e voltam, por meio de personagens que antecipam o futuro obcessivamente, pois o tempo tem a urgência de quem vai matar ou morrer. O tempo que conta não é cronológico mas sim o tempo subjetivo dos personagens, em permanente estado de urgência, de guerra.

Inovação na linguagem

Cerrado não é sertão, e a dicção do narrador remete diretamente à linguagem do Cerrado.

Chama atenção as frases muito curtas, às vezes de uma só palavra, ou duas, como se as frases fossem pronunciadas em soquinhos, um modo de falar típico de quem mora nas roças da região. Rezende faz emergir os roceiros com sua voz própria, suas expressões e lógica semântica.

Mas, se por um lado, a pontuação e as frases curtas reproduzem uma melodia em soquinhos, por outro lado, as elipses e os saltos da narrativa parecem seguir o fluxo de um rio, certamente o São Francisco.

Se o leitor embarcar, é levado pela correnteza: “Fechou porteira. Fechou colchete. Tirou leite. Vacinou boi no tronco. Marcou garrote bravo. Tingiu berne de azul. Apartou vaca parida (…) tudo no muque. Muque de carregar sete baldes de sal grosso para encher os cochos. Eram três. Dos grandes (…) Cheiro bom de bosta seca de vaca. Cama verde. Macia. Convidadeira. Sábado nos Gerais. Véspera de morte (pág. 25)

O texto é polifônico, não há um protagonista único, mas vários personagens centrais e traz uma escrita evocativa que embaralha propositalmente o enredo e que no final chega muito próxima do delírio, deixando clara a preponderância da linguagem sobre a trama.

A voz do narrador é a mesma dos personagens: uma pessoa da região, bem enraizada, com uma dicção que remete ao nordeste e ao estado de Minas Gerais, e que tem ecos da fala de Brasília, cidade de gente vinda de todos cantos do Brasil.

E o autor, muito à vontade com o discurso indireto livre, faz com que o fluxo narrativo suba em labaredas, como o fogo no Cerrado. Digno de nota são os diálogos, imbricados na voz do narrador.

A história corre e os personagens centrais vão se alternando. É com o foco em João Cândido que o livro se inicia.

Vaqueiro, 47 anos, casado para procriar, mas não para amar com o corpo a mulher com quem se casou. Ele (assim como outros personagens no decorrer do livro) filosofa a partir da natureza e da vida dura no Cerrado, a luta diária pelo domínio da natureza, dos animais e dos homens.

A linguagem abarca reflexões partindo de um território bem demarcado para então avançar e adquirir uma abrangência universal, um discurso sobre a natureza humana, com os animais e a terra servindo de justificativa e reflexão: “Bicho homem, vez que outra sempre, treta. Finge não saber. Bicho é fabricado de pura esperteza.

Na hora de ataque de gavião, bando maior de passarinhos deixava um de guarda. Para dar aviso. E ser comido. Cantava, levantava voo, meio metro se tanto, e gavião dava bote certeiro. Já saia despenando. Problema era quando ninguém mais queria dar aviso. E um qualquer podia ser o prato de gavião. Bando decidia então escolher um outro.

Como ensinam no catecismo. Cristo morreu para salvar todos nós. Igual pássaro-preto. Bichos, homem e animal, perdem tempo não… Conhece seu lugar, na certeza. Obedece quando é para obedecer. E parte para a luta sem fim”(pág. 19)

A violência introjetada

O livro mostra a violência brutal que marca o país de cima a baixo. Tema mais do que relevante, atual e urgente. O pertencimento primordial à família, nas modalidades do compadrio e dos clãs, típica do Brasil colonial, não elimina a violência nem nas relações familiares. A violência fria, que exige o extermínio do inimigo, é também a violência sexual contra mulheres, empregados e filhos: “castigo de pai era por coisa nenhuma. Chicote. Bainha de facão. Colher de madeira… Filho que nasceu no Cerrado, onde deve de ficar para morrer-viver com o Coronel. Pelo Coronel, apanhando para aprender. Melhor forma de (pág. 117)

Tonho e Zinho, filhos de jagunço, seguindo a tradição, aprenderam cedo a matar e chegaram à adolescência bem treinados: “estavam acostumados com as mortes à morte mandada. Filhos de jagunço já nasciam jagunços. Os dois mais do que nasceram. Aprenderam com muito treinar. Ordem maior e certeira é servir e matar. Oito ou oitenta”(pág. 87). Os dois, Tonho e Zinho, aprenderam tudo o que sabem com os animais, seja lutando com um lagarto para aprender como se deve matar ou para encontrar uma cabrita para ter iniciação da sexual.

Relações entre homes e mulheres, e especialmente o sexo, estão alicerçadas na interpretação que fazem da natureza com suas leis imutáveis. Sexo é domínio, força, o gozo na vitória de um corpo sobre o outro. A virilidade do homem, do macho, a masculinidade, a valentia são contrabalanceados por códigos de honra estritos e lealdade que não admitem ,por exemplo, que adultos molestem crianças: “Mariinha, moça, 13 anos. Com 11, padrasto que não era padrasto, fez dela mulher. Fié-das-unhas!”(pág. 137)

Eterno redevir

“Mãe tirava filosofia de natureza: veja a mata, parece sempre a mesma; é não; todo dia morre  e nasce planta nova. Eterno redevir. Sabia que Coronel estava com a cabeça quente com a história do povo do acampamento (…) variava antes de ir para a fogueira, dar ordem final: matem Severino!” (pág. 143)

No final do livro, as mortes que acontecem sucessivas e repetidas vezes, ou seja, nos momentos em que são antecipadas por quem mata e por quem morre, dão a sensação de que o narrador foi tomado pelos personagens, pela lógica brutal do extermínio ao antagonista e por uma paranoia enlouquecedora.

O “redevir” de Fogo, Cerrado não está apenas nos temas, mas também, de novo, na linguagem. Pode ser encontrado, por exemplo, nas referências obras literárias, e aparecem de modo menos sutil nos nomes dos personagens: Madalena (prostituta), Nagib (restaurante do turco), Severino (comunista retirante) que “nem ia ter sete palmos de terra por cima de seu cadáver defunto” (referência direta a João Cabral de Melo Neto).

Vários temas abordados e que marcaram a década de 1960 estão hoje na ordem do dia no Brasil. Além da violência, a velha obsessão pela ameaça comunista, que começou na década de 1920, se intensificou nos anos sessenta e que agora retorna, não mais pelas mão do coronel, mas do capitão, mostrando a complexidade do país e da intolerância ao oponente.

Em 1975, Victor Nunes Leal dizia não ser possível compreender o fenômeno do coronelismo no Brasil sem referência à estrutura agrária, que dá sustentação  à interferência do poder privado na esfera pública, poder este ainda visível no interior do Brasil à época. Quase cinquenta anos se passaram e a mesma frase pode ser repetida: ainda hoje tão visível no Brasil. Mas, tal como sublinha Barbosa Lima Sobrinho, no prefácio deste mesmo livro clássico de Nunes Leal o coronelismo, como fenômeno social, se transforma constantemente, e cita os meios de comunicação e a urbanização como fatores que impactaram o na década de setenta.

Atualmente, pode-se acrescentar a tecnologia e os meios de comunicação. Mas o fato é que, segundo Lima Sobrinho, o coronelismo persiste, amparado na desigualdade da distribuição de renda e na ausência de garantias legais que mantém o coronel como intermediador de “diretos”. Isso também não mudou e parece que não apenas os personagens de Fogo, Cerrado, mas o país inteiro continua girando em círculos, num  constante redevir.

Ana Cristina Braga Martes, mineira de Varginha,  é socióloga, foi professor da Fundação Getúlio Vargas, graduada em Ciência Sociais pela UNESP, mestrado e doutorado pela Universidade de São Carlos (SP), pós-graduação no Massachusetts Institute of Technology (MIT), pesquisado da Universidade de Boston (EEUU) e pós-doutorado no King’s College, Londres.

Loma, Nei Lisboa e Ospa nas lives musicais do Sesc deste fim de semana

Um final de semana de muita música e cultura em lives que irão marcar a celebração dos 74 anos do Sesc no Rio Grande do Sul.

Até domingo, 13 de setembro, um concerto da Camerata de Cordas da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Ospa) e apresentações ao vivo de Loma Pereira e Nei Lisboa poderão ser acompanhados gratuitamente no canal do Sesc/RS no Youtube (www.youtube.com/sescrs) e na página do Facebook (www.facebook.com/sescrs). Os espetáculos fazem parte da programação especial do Arte Sesc – Em Casa com Você, que contempla artistas que estiveram presentes na trajetória da instituição.

Nesta sexta-feira (11), às 20h, Loma Pereira se apresenta com a participação do pianista Nilton Junior da Silveira, no Facebook e Youtube Sesc/RS. O show contempla os principais sucessos da artista, que iniciou sua carreira na década de 70 com o Grupo Pentagrama e alicerçou sua trajetória artística nos festivais nativistas gaúchos a partir da 5º Califórnia de Uruguaiana. No sábado (12), às 17h, a Camerata de Cordas da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Ospa) ofertará o Concerto em Tempo de Tango. A apresentação terá obras de compositores de tango consagrados como Piazolla. O regente será o maestro Evandro Matté, diretor artístico e maestro da Ospa, da Orquestra de Câmara Theatro São Pedro e diretor artístico do Festival Internacional Sesc de Música. O concerto será transmitido no YouTube Sesc/RS, Facebook Sesc/RS e no canal da Ospa no Youtube.

A agenda musical encerra com Nei Lisboa, com o espetáculo Em Casa, no domingo (13), às 18h, no Facebook e YouTube. O cantor e compositor apresenta uma edição extra da sua live semanal, quando interpretará músicas de seus álbuns gravados ao longo da carreira, e também um repertório inédito. Além do canto e o violão, Nei  discorre sobre temas atuais e conversa com o público online através do chat do programa.

Além das lives, outras atividades como oficinas, bate-papos, exposição virtual estão presentes da programação, que pode ser conferida na íntegra site https://www.sesc-rs.com.br/cultura/artesescemcasa/.

PROGRAMAÇÃO 10 a 13 de setembro

Exposição Fragmentos: Xadalu yvy Opata e Fauna Guarani

Em www.sesc-rs.com.br/exposicaoxadalu – com conteúdo exclusivo para inscritos no mesmo site

A exposição reúne fragmentos de diversas imersões do artista Xadalu em aldeias Guarani. Registra o estado atual em que as aldeias se encontram, os conflitos originados pelas retomadas de suas terras, e as constantes ameaças de grupos armados que intimidam as comunidades tradicionais. Estão incluídas também, imagens da série Fauna Guarani.

Contos para Crianças – Guarani Mbya e obras de Xadalu Tupã Jekupé e Ara Poty Maria Ortega

Dia 10 de setembro (quinta-feira), 11h, em www.youtube.com/sescrs)

Oficina contos dos animais da floresta “Os contos da  Fauna Guarani” é um relato que Xadalu Tupã Jekupé e Ara Poty Maria Ortega ouviram de velhos sábios em volta da fogueira em meio a mata, ouviram  sobre histórias de uma época muito distante onde os animais e os homens conseguiam falar a mesma língua, e por isso conversavam até o mesmo com o sol e a lua os contos da Fauna guarani vão contar as diversas aventuras desses animais e sua relação com a natureza. E logo após os contos, será feita uma oficina experimental de gravura com as crianças, que farão seu próprio animal, e terão um material de apoio também para ajudar se precisar.

Bate-papo literário com Natália Polesso 

A autora lerá um texto inédito para quem assistir à transmissão dia 10 de setembro (quinta-feira), às 20h, em www.youtube.com/sescrs

Natalia Borges Polesso é doutora em Teoria da Literatura, escritora e tradutora. Publicou Recortes para álbum de fotografia sem gente (2013), Amora (2015), Controle (2019) e Corpos Secos (2020), entre outros. Em 2017, foi selecionada para a lista Bogotá39, que reúne 39 escritores abaixo de 40 anos destacados da América Latina. Atualmente, é pesquisadora do Programa Nacional Pós-Doutorado, na Universidade de Caxias do Sul, onde conduz a pesquisa Geografias lésbicas. A escritora tem seu trabalho traduzido em diversos países, como Argentina, Espanha, Estados Unidos e Reino Unido.

Iluminação cênica – para crianças (Fernando Ochoa) 

Dia 11 de setembro, 11h, em www.youtube.com/sescrs

Tutorial de 30 minutos trabalha conceitos e investiga as possibilidades mágicas da luz, introduzindo o público infanto-juvenil nos meandros da iluminação cênica.  Serão explorados aspectos da direção de fotografia como características das fontes de luz, os ângulos de incidência, o comportamento das sombras, cores, materiais de reflexão, entre outros. Serão utilizados elementos simples encontrados em casa e através destes experimentar os conceitos da arte de iluminar. Materiais sugeridos: lanternas, abajur, folha de papel branco, caixa de sapato, camiseta preta, camiseta branca, boneca, objetos pequenos.

Show Live Loma Pereira – Participação pianista Nilton Junior da Silveira

Dia: 11 de setembro,  20h

Show com os principais sucessos de Loma, que iniciou sua carreira na década de 70 com o Grupo Pentagrama e alicerçou sua trajetória artística nos festivais nativistas gaúchos a partir da 5º Califórnia de Uruguaiana. Participou de festivais e recebeu várias premiações também como intérprete. Conquistou dois Troféus Açorianos de Música pelo melhor álbum do ano e em 2019 foi a artista homenageada da edição pelo conjunto de sua obra. Sua obra se caracteriza por influências africanas e lusitanas. Na live, estará acompanhada do amigo pianista Nilton Junior da Silveira.

Oficina com o cartunista Santiago

Dia 12 de setembro (sábado), 11h em www.youtube.com/sescrs

O cartunista Santiago falará sobre a arte e a técnica do desenho, além do planejamento e a elaboração de um desenho de humor. Não há necessidade de conhecimento prévio de cartum/desenho para assistir a oficina. Neltair Rebés Abreu (Santiago) começou a desenhar antes mesmo de começar a estudar. Iniciou-se na arte da caricatura retratando humoristicamente os professores dos tempos de escola. Ainda em sua cidade, Santiago do Boqueirão, caricaturou prefeitos, vereadores e figuras locais. Em 1975, profissionalizou-se como ilustrador e chargista no jornal Folha da Tarde e como colaborador do Correio do Povo.  A partir de então, seus trabalhos também passaram a ilustrar jornais da imprensa alternativa, como Coojornal e Pasquim.  Atualmente, integra o grupo de cartunistas distribuído no mundo inteiro pela agência CWS/NYT ligada ao  New York Times.

Ospa Live: Concerto em Tempo de Tango

Dia 12 de setembro (sábado), 17h, em www.facebook.com/sescrs, www.youtube.com/SescRS/ e www.youtube.com/ospaRS

A Camerata de Cordas da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre apresentará o Concerto em Tempo de Tango, alusivo aos 74 anos do Sesc/Senac. No repertório, compositores de tango consagrados como Piazolla. O regente será o maestro Evandro Matté, diretor artístico e maestro da Ospa, da Orquestra de Câmara Theatro São Pedro e diretor artístico do Festival Internacional Sesc de Música.

A Porto Alegre da Era do Rádio – Arthur de Faria

Dia 13 de setembro (domingo), 11h, em www.youtube.com/sescrs

O músico e jornalista Arthur de Faria abordará o período de ouro do rádio gaúcho, até a década de 50, contextualizando historicamente os ícones e músicos importantes que construíram e fizeram parte desse movimento. O material é baseado em 30 anos de pesquisas que embasarão o livro Porto Alegre – Uma Biografia Musical. Será disponibilizada uma playlist com os artistas que serão mencionados para que o público possa relembrar ou conhecer os nomes que marcaram a história do rádio na Capital.

Nei Lisboa traz sucessos, inéditas e bate-papo pelo chat / André Feltes / Divulgação

Nei Lisboa – Live em Casa

Dia 13 de setembro (domingo),  18h, em  www.youtube.com/sescrs

O músico Nei Lisboa apresenta uma edição extra de sua live semanal. O cantor e compositor interpretará músicas de seus álbuns gravados ao longo da carreira, além de repertório inédito. Além do canto e o violão, Nei também discorre sobre temas atuais e conversa com o público online através do chat do programa.

 

Arte, história e gastronomia em experiências virtuais no Farol Santander

O Farol Santander Porto Alegre oferece uma experiência virtual por alguns de seus ambientes.

O público poderá visitar online o Espaço Memória (Galeria e Subsolo), além de conferir vídeos sobre exposição de arte imersiva GIGANTAS – uma experiência por Nonotak Studio, que tem curadoria de Antonio Curti.

Lives sobre gastronomia em parceria com o Destemperados, também farão parte da programação virtual, dando continuidade ao projeto Food Talks Santander.

A experiência virtual pelo Farol Santander Porto Alegre, desenvolvida em parceria com a VR360, oferece uma opção cultural para toda a família enquanto o edifício se mantiver fechado às visitas presenciais, de acordo com as recomendações das autoridades.

Já os materiais de Nonotak foram desenvolvidos pelo curador e os artistas. Para realizar a visita online, basta acessar o site: http://www.farolsantander.com.br/#/poa

Roteiro – Experiências virtuais Farol Santander Porto Alegre

Espaço Memória (Galeria)

O percurso conta sobre a fundação da cidade, a Praça da Alfândega, as pessoas e a história do banco. Usando a água como ponto de partida e origem histórica, a linha do tempo parte do fundo do Rio Guaíba para a Terra, no processo de aterramento da região.

O espaço aborda a natureza diversa conhecida em Porto Alegre por seus túneis verdes e as miscigenações dos povos, com a chegada de imigrantes de diversos locais do Brasil e do Mundo.

Espaço Memória (Subsolo)

O Espaço Memória, no Subsolo do histórico edifício, conta com um importante acervo de numismática do Rio Grande do Sul, onde o público encontra uma analogia entre as moedas “oficiais” e “não oficiais” que circulavam na região, assim como os dois lados da moeda, o famoso “cara ou coroa” conhecido no mundo todo.

Nas laterais da sala, o ambiente apresenta a evolução da moeda oficial do Estado Brasileiro, junto à difícil tarefa de equilibrar inflação e emissão sobre a técnica de impressão em cédulas da época.

Outros espaços do Farol Santander Porto Alegre que podem ser visitados virtualmente são o Grande Hall, o Cine Farol Santander, o Valkiria Café no Cofre e o Restaurante Moeda.

GIGANTAS – uma experiência por Nonotak Studio

Na experiência virtual relacionada à última exposição que esteve no Farol Santander Porto Alegre, o público poderá conferir vídeos que contemplam a criação da obra-performance Gigantas V.1, desenvolvida pelo duo franco-japonês Nonotak Studio, com curadoria de Antonio Curti. Os vídeos contam com entrevistas dos artistas e making of da instalação.

Destemperados

A busca por inspiração, a troca de ideias e o entendimento sobre quais serão os próximos passos da gastronomia são importantes iniciativas para superar o difícil cenário que estamos vivendo.

Por isso, Santander e Destemperados continuam juntos e apresentam o Food Talks Santander: O futuro da comida.

Por meio de lives gravadas também do Farol Santander, a série de conteúdos especiais tem como objetivo fomentar o empreendedorismo e discutir quais serão os novos caminhos a serem seguidos por chefs, donos de restaurantes e apaixonados por comer e beber bem.

O conteúdo estará disponível no IGTV do Destemperados, no Instagram, @destemperados. A primeira programação acontece no dia 03 de junho (quarta-feira), com participação da nutricionista Priscila Sabará.

Farol Santander Porto Alegre

O Farol Santander, centro de empreendedorismo, cultura e lazer em Porto Alegre completou, em março de 2020, um ano de atividades.

No período, recebeu quatro exposições de artes visuais:

Roda Gigante – artista Carmela Gross”

Saramago – os pontos e a vista”

Estratégias do Feminino

GIGANTAS – uma experiência por Nonotak Studio”; exibiu 15 programas especiais no Cine Farol Santander, com destaque para a mostra “Cinema Atual Espanhol”; realizou encontros relevantes, como com o filósofo francês Luc Ferry e debates sobre moda e gastronomia.

O Farol Santander Porto Alegre também possui um Espaço Memória que traz a história da cidade, do prédio e da política monetária brasileira, além do Valkiria Café no Cofre e o Restaurante Moeda; todos concentrados no subsolo da instituição .

Vale destacar a dinâmica de eventos, que disponibiliza todos os espaços do Farol Santander para locação.

Arquitetura do prédio

Após um minucioso processo de restauração e adaptação, o prédio do antigo Banco Nacional do Comércio foi fruto do desenvolvimento industrial e comercial da cidade e acompanhou a efervescência da época situado em uma das zonas mais importantes da Porto Alegre de então: a Praça da Alfândega.

O primeiro projeto para a construção da sede bancária foi apresentado em 1919.

A concorrência pública realizada então foi vencida pelo arquiteto Theo Wiedersphan, responsável por outras grandes obras arquitetônicas na capital, como o Hotel Majestic, a Delegacia Fiscal e os Correios e telégrafos — que, curiosamente, também virariam instituições culturais no futuro.

O projeto vencedor previa uma edificação de grandes proporções que, além da sede do banco, contaria com um restaurante, um clube e um hotel.

A obra iniciou e teve como fiscal o agrimensor francês Hyppolite Fabre, que também havia acompanhado a construção do Palácio Piratini.

Mas, por questões técnicas, econômicas e políticas, a construção foi interrompida ainda nas fundações. Ao ser retomada, ficou definido que o prédio abrigaria apenas o banco.

Em 1926, Fabre, como responsável pela obra, encomendou a adaptação do projeto ao escultor espanhol Fernando Corona.

O trabalho foi desenvolvido em conjunto com o construtor-escultor polonês Stefan Sobczac, colega de Corona, e as obras reiniciaram em 1927, sendo concluídas em 1931.

Em uma época em que, desconfiados, muitos ainda guardavam dinheiro debaixo de colchões, a edificação imponente correspondeu às exigências de solidez e segurança esperadas de uma instituição bancária.

Os materiais davam o toque de elegância buscado pelos idealizadores do prédio: pisos, pedras ornamentais, esquadrias, metais, vidros e vitrais vieram da Europa para fazer parte daquela construção, concebida como obra de arte.

A arquitetura do prédio contempla diferentes estilos e, por isso, a linguagem utilizada é denominada eclética. As fachadas seguem a estrutura e as formas da arquitetura neoclássica.

 

Série em 14 capítulos aborda o processo de criação de pintores brasileiros

“Matizes do Brasil” é a nova série do Canal Curta dirigida por Bianca Lenti, sobre o processo de criação de algumas das mais importantes pinturas e instalações feitas por grandes artistas brasileiros do modernismo e do período contemporâneo.

Dividida em 14 episódios, a série inédita e exclusiva do Canal Curta! vai mostrar trabalhos emblemáticos de nomes como Anna Maria Maiolino, Ernesto Neto, Cildo Meireles, Djanira, Helio Oiticica, Lygia Pape e Tunga. Especialistas, como curadores e críticos de arte, fazem comentários sobre as obras.

A primeira homenageada é Tarsila do Amaral, pintora, desenhista, tradutora e uma das figuras centrais da primeira fase do modernismo brasileiro.

Entre suas obras, que bebem na fonte dos artistas plásticos europeus e da arte popular do Brasil, estão “Abaporu” (1928), “A Negra” (1923), “Autorretrato” (1923) e “Antropofagia” (1929). A partir delas, a série discute os traços marcantes e temas como a originalidade nas criações de Tarsila.

“Matizes do Brasil” é uma série da Giros Produções, viabilizada pelo Curta! através do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA).  

A série estreiou nesta terça-feira, 31 de março, às 23h30.

Tarsila do Amaral, uma das figuras centrais da primeira fase do movimento modernista brasileiro, é o tema do primeiro episódio de “Matizes do Brasil”., que aborda traços marcantes, originalidade e exotização na obra da artista.

Horários alternativos: 1 de abril, quarta-feira, às 03h30 e às 17h30; 2 de abril, quinta-feira, às 11h30; 4 de abril, sábado, às 19h10; 5 de abril, domingo, 09h30.

Quarta de Cinema – 01/04

20h – “Cineastas” (Série) – Episódio: “Fernando Meirelles”

A brilhante carreira do cineasta Fernando Meirelles é revista por seus companheiros da produtora O2 Filmes: Nando Olival, Paulo Morelli e Andrea Barata Ribeiro, pelo roteirista Bráulio Mantovani, pelos atores Matheus Nachtergaele e Alice Braga e por sua biógrafa, Maria do Rosário Caetano. Do início, na publicidade, às produções internacionais e à sua participação no Oscar.

Diretor: Hermes Leal. Duração: 45min. Classificação: Livre. Horários alternativos: 2 de abril, quinta-feira, às 0h e 14h; 3 de abril, sexta-feira, às 08h; 05 de abril, sábado, às 16h50.

Quinta do Pensamento – 02/04

21h30 – “A Influência da Geração Beat” (Documentário)
Saiba como a amizade de Jack Kerouac, Allen Ginsberg e William Burroughs originou o movimento literário da Geração Beat. Do início em Nova York, no final da Segunda Guerra Mundial, até o fim, 15 anos depois, com a publicação de “Howl” (Ginsberg), “On the Road” (Kerouac) e “Naked Lunch” (Burroughs). O trio criticou a literatura, lançou as sementes da contracultura e influenciou o estilo de vida das gerações que viriam depois.

Direção: Xavier Villetard. Duração: 52 min. Classificação: Livre. Horários alternativos: 03 de abril, sexta-feira, às 01h30 e às 15h30; 04 de abril, sábado, às 23h; 05 de abril, domingo, às 14h10; 06 de abril, segunda-feira, às 9h30.

Sexta da Sociedade – 03/04

20h – “Fronteiras Fluidas” (Série) – Episódio “O Sol Brilha Fraco”
Os Guarani-Kaiowá lutam pela demarcação de suas terras em meio à expansão do agronegócio no Estado do Mato Grosso do Sul. À frente das negociações está Otoniel, liderança indígena que circula no chamado “mundo dos brancos”. Após o assassinato de um indígena na região de Caarapó, surgem novos conflitos com os fazendeiros, e Otoniel faz a ponte de diálogo entre os representantes do agronegócio e os indígenas.

Diretor: Mariana Fagundes. Duração: 26 min. Classificação: 14 anos. Horários alternativos: 4 de abril, sexta-feira, às 0h e às 17h30; 5 de abril, segunda-feira, às 7h50; 6 de abril, terça-feira, às 14h; 7 de abril, terça-feira, às 8h.

 

Barulhaço desta noite é para lembrar que a ditadura ainda vive

Nota do Comitê Carlos de Ré pela Verdade e a Justiça:

Em pleno ano de 2020, nosso pais segue padecendo a herança brutal dos crimes de lesa-humanidade e destruição da Democracia.

A impunidade dessas décadas germina nos autoritários e seviciadores de hoje, agora enquistados no Estado Brasileiro.

Há um ano, em 31 de março de 2019, ocorreu a 1ª Caminhada do Silêncio em São Paulo (SP) em homenagem às vítimas do Terrorismo de Estado perpetrado pela ditadura militar no Brasil: militantes políticos, indígenas e camponeses, e também em homenagem à memória de vítimas de chacinas e de desaparecimentos forçados do momento presente.

O silêncio vira grito democrático: é preciso cumprir as recomendações da Comissão Nacional da Verdade e da Corte Inter-americana de Direitos Humanos, punir os criminosos de lesa-humanidade que cometeram ou cometem graves violações de direitos humanos no Brasil, e resgatar e honrar a Memória das vítimas.

 Neste ano, em razão da pandemia da COVID-19, o luto e luta serão nas janelas de casa.

Às 20:30h deste 31/03, iremos às janelas reafirmar nossa luta DITADURA NUNCA MAIS, contra os autoritarismo do passado e do presente, por democracia e direitos humanos.

 O Comitê Carlos de Ré da Verdade e da Justiça do Rio Grande do Sul, conclama a todos a estarem nas janelas de casa às 20:30, por Memória, Verdade e Justiça. Desde nossos bairros e nossas casas faremos nosso barulho pela Democracia.

Edital destina R$ 3 milhões para projetos culturais

 
Já pode ser acessado o edital da Secretaria da Cultura (Sedac), que destina R$ 3 milhões para o financiamento de projetos.
A secretária Beatriz Araujo assinou, na sexta-feira (13/9), o edital FAC Movimento, publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) desta segunda-feira (16/9).
Uma das diretrizes para garantir que os recursos disponibilizados pelo Fundo de Apoio à Cultura (FAC) cheguem às mãos de proponentes é disponibilizar 50% das vagas para o interior do Estado.
O edital atende a todas as áreas e segmentos culturais, contemplando audiovisual, artes visuais, artesanato, circo, dança, teatro, culturas populares, tradição e folclore, literatura, música e patrimônio cultural.
Há vagas tanto para pessoas físicas como jurídicas. Qualquer cidadão gaúcho pode se registrar e apresentar projeto, que pode ser de um grupo. Empresas e entidades da área cultural da mesma forma. Quem ainda não tem o registro pode fazê-lo junto ao Cadastro Estadual de Produtor Cultural. O registro é a credencial para ser um proponente de projeto. O envio eletrônico pode ser feito no site do Pró-Cultura.
A finalidade é realizar projetos relacionados a uma ou mais áreas e segmentos que movimentem a produção cultural do Estado. Este é o quarto edital lançado pelo FAC neste ano.
“O FAC Movimento não limita a concepção de projetos para apenas uma ou outra finalidade. Os projetos podem trabalhar a produção, a criação autoral de bens e serviços culturais e também a circulação de atividades, de festivais, enfim, uma infinidade de projetos pode ser apresentada nesse edital”, explica Rafael Balle, diretor de Fomento da Sedac.

Música popular brasileira perde Elton Medeiros, mestre do samba

O sambista, compositor e radialista Elton Medeiros morreu aos 89 anos na noite desta terça-feira (3) em Laranjeiras, na Zona Sul do Rio.
Elton Medeiros já havia sido internado por um mês em um hospital em Copacabana, mas recebeu alta para receber cuidados em casa. Ele teve uma pneumonia, que se complicou.
Na segunda-feira (2), o sambista passou mal e foi levado para a Casa de Saúde Pinheiro Machado, onde morreu por volta das 20h15 desta terça-feira (3).
Grande nome do samba carioca, Elton deixa obra extensa e de alta qualidade, com alguns classicos da MPB.
Elton Medeiros integrou o grupo Os Cinco Crioulos junto com Nelson Sargento.
O sambista compôs diversas músicas, tocando também com nomes como Paulinho da Viola, Cartola, Nelson Cavaquinho, entre outros grandes sambistas.
A última canção de autoria de Elton Medeiros foi “O Sol Nascerá”, em parceria com Cartola. A composição, que é de 1961, também havia sido gravada por Nara Leão e Elis Regina.
O enterro do artista será às 15h30 desta quarta-feira (4), no Cemitério do Catumbi, na Zona Norte do Rio. O velório vai ser realizado a partir das 14h.

Beatles voltam ao São Pedro com a orquestra da Ulbra

A Orquestra da Ulbra volta a apresentar o premiado espetáculo dedicado aos maiores sucessos dos Beatles: “Beatles Magical Classical Tour” – vencedor do Prêmio Açorianos de Melhor Espetáculo em 2008 e um grande sucesso de público e crítica.
É dia 20/06 no Theatro São Pedro.
A montagem reúne os cantores Adriana Deffenti, Cintia de los Santos, Paulo Mestre, Pedro Verissimo e Thedy Correa ao lado da Orquestra, que estará em formação ampliada.
Serão 28 músicos no palco, incluindo cordas, sopros e percussão, além das participações de Lucia Carpena na flauta doce; Fernando Cordella ao cravo; Veco Marques na guitarra; e João Vicenti no acordeon e teclado.
O concerto conta a participação do Vocal Takt. A regência é do maestro Tiago Flores. O espetáculo foi apresentado pela última vez em 2014 e agora retorna no mesmo formato, desta vez no Theatro São Pedro (Praça Marechal Deodoro, s/n).
O espetáculo apresentará composições dos Beatles em diferentes estilos, perpassando um pouco da história da música. Arranjos nos estilos Renascentista, Barroco, Clássico, Romântico, impressionista, século XX e XXI caracterizam cada uma das canções que serão executadas no concerto.
No repertório, músicas como I`ll Be Back, Because – I´ve Just Seen a Face, Girl, Something, Across The Universe, Come Together, Penny Lane, All You Need Is Love e Blackbird, entre outras. Todas elas ganham arranjos exclusivos, criados por Fernando Matos, Fernando Cordella, Rodrigo Bustamante, Daniel Wolff, Iuri Correa, Arthur Barbosa e Pedrinho Figueiredo.
 
Beatles Magical Classical Tour
Data:Quinta-feira (20/6)
Horário:21h
Duração:1h40
Local:Theatro São Pedro (Praça Marechal Deodoro, s/n)
Ingressos à venda na bilheteria do Theatro São Pedro(De segunda a sexta, das 13h às 18h30 ou até o horário de início do espetáculo. Sábados e domingos, das 15h até o horário de início do espetáculo)
 
Vendas online:
http://vendas.teatrosaopedro.com.br/beatles-magical-classical-tour-20
 
Plateia: R$ 90,00 – esgotado
Cadeira Extra: R$ 90,00 – esgotado
Camarote Central: R$ 80,00 – esgotado
Camarote Lateral: R$ 70,00 – esgotado
Galeria: R$ 30,00
 
Descontos:
50% para associados da AATSP (ingressos limitados)
50% para estudantes, jovens de baixa renda e pessoas com deficiência (40% da lotação)
50% para idosos
 
 
 

Raphaela Donaduce Flores
Jornalista
Dona Flor Comunicação
(51) 3208 1600| (51) 9 9975 7282
www.donaflorcomunicacao.com.br
facebook.com/donaflorcomunicacao
3 anexos
Vamos?
Repassando.
Não tenho interesse.
ResponderResponder a todosEncaminhar