Putin amplia o front no Cazaquistão

A recente revolta popular no Cazaquistão confirma a consciência geopolítica do presidente russo, Vladimir Putin. Há meses fustigando as fronteiras da Europa com exercícios bélicos, ele agora teve que atender o pedido de socorro do presidente, Tokajew.  Milhares de soldados e equipamentos militares foram deslocados para o país sob a bandeira de “tropas de paz”. 

A chefe da União Européia, Ursula von der Leyen, foi a Paris tratar da transição do próprio cargo e abordou o conflito com o presidente Macron. “Devemos trabalhar para reduzir a violência e promover o diálogo não só com os Russos, mas com todos, em todas as esferas”, defendeu o líder francês, indicando a direção do futuro mandato na UE.

Revolta popular no Cazaquistão é reprimida com total violência pelas forcas militares. O presidente, Kassym-Jomart Tokayev deu ordem de “atirar para matar” em rede nacional. (dpa)

A Europa depende muito da Rússia e de todos os países da região. A crise do gás, razão para a revolta no Cazaquistão, é um fato em muitos outros países, confrontados com um aumento de 400% no preço da commodity. Na Alemanha, o gás é o principal substituto no curto prazo para as usinas nucleares e a carvão que o país pretende desligar. 

Com a vantagem de quem fornece a matéria-prima, e assim define a demanda, o Czar russo parece estar fazendo o seu Reset geopolítico.

Putin fez um duplo movimento antes da virada do ano. Falou com Biden por telefone sobre a Ucrânia, e seguiu viagem no mesmo dia para Minsk, na Bielorrússia, onde encontrou o ditador, Alexander Lukashenko. Juntos, anunciaram manobras militares conjuntas para Fevereiro e Março, num sinal de prolongar ainda mais a pressão na fronteira com a UE.

A Rússia realiza manobras militares nas bordas da Ucrânia desde marco do ano passado. As operações chegaram a concentrar mais de 200 mil soldados. Hoje o contingente baixou para 10 mil, segundo a própria Rússia, mas a Otan anda alertada.

“Diálogo sim, mas não a qualquer preço”, declarou o secretário geral da Otan, Jens Stoltenberg, por vídeo conferência dia 07.01.2022.

Os argumentos do presidente russo são claros: “não aceitaremos mais um sistema de mísseis da OTAN na nossa fronteira”. Em troca das facilidades da participação na União Européia (UE), o presidente Ucrâniano, Volodymyr Zelensky, aceitou a instalação de um sistema de mísseis dos ocidentais em seu território. Dos países do leste europeu, seria o terceiro, depois de Polônia e República Checa, fechando um cerco estratégico sobre os russos.

A crise militar na antiga república soviética revela agora não só a atual força dos laços históricos ao leste da Europa. Ela aponta para uma tomada de posição estratégica em um mundo cada vez mais polarizado.

Governo mantém cronograma e quer privatizar Eletrobras no primeiro semestre

A privatização da Eletrobras ainda está em análise pelo Tribunal de Contas da União (TCU), mas o governo confirmou a previsão de concluir o processo no primeiro semestre de 2022.

Segundo o Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (CPPI), a venda de ações da União para investidores privados deverá ocorrer até maio.

Segundo a secretária executiva do Ministério de Minas e Energia, Marisete Pereira, o que pode atrasar, em função da decisão do TCU, é a assinatura dos contratos de concessão de hidrelétricas, mas  “esta será uma etapa secundária, que ocorrerá após o leilão”.

O foco da análise do TCU são os valores definidos pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) para a outorga de novos contratos de concessão de 22 hidrelétricas.

Criada em 1962 para coordenar as empresas do setor elétrico, a Eletrobras é uma sociedade de economia mista e de capital aberto sob controle acionário da União.

Na década de 1990, uma reestruturação reduziu suas responsabilidades, porém a empresa ainda controla parte significativa dos sistemas de geração e transmissão de energia, estando presente em todas as regiões do país por meio de suas subsidiárias: Amazonas GT, Eletrosul, Chesf, Eletronorte, Eletronuclear, Furnas, Cepel e Eletrobras Participações. Além de principal acionista dessas empresas, a Eletrobras detém metade do capital de Itaipu Binacional. Em 2020, teve um lucro de R$ 6,4 bilhões. Em 2021, só nos dois últimos trimestres, o lucro foi de  R$ 3,5 bilhões.

Embora venha registrando lucros líquidos anuais desde 2018, o governo federal inclui a Eletrobras no Programa Nacional de Desestatização, alegando que a medida possibilitará à empresa melhorar sua capacidade de investimento. A expectativa é de arrecadar até R$ 100 bilhões com a privatização.

Desenhada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES)  a modelagem do processo de privatização prevê uma capitalização. Isso significa que o governo não venderia sua participação atual.

Serão emitidas ações para entrada de novos investidores, diluindo assim o capital da empresa até que a fatia da União seja de, no máximo, 45%. Apenas se essa oferta primária não der o resultado esperado é que haverá nova oferta incluindo a venda de ações da própria União.

A modelagem também prevê a segregação de Itaipu Binacional e da Eletronuclear. As ações que a Eletrobras possui nessas empresas serão repassadas à Empresa Brasileira de Participações em Energia Nuclear e Binacional (ENBpar), nova estatal criada em setembro. Dessa forma, a União manterá seu controle sobre elas.

Em 2022, os trabalhos do Tribunal devem ser retomados no dia 16 de janeiro.

No início do ano, o governo federal trabalhava com a meta de concluir a privatização até fevereiro de 2022.

 

 

 

 

 

Usina do Gasômetro terá a maior reforma em mais de 90 anos

A prefeitura lançou, nesta segunda-feira, 26, o edital de concorrência pública internacional para obras de requalificação da Usina do Gasômetro, fechada desde 2017. Os investimentos, estimados em R$ 12,5 milhões, são oriundos do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF) e de recursos próprios do Município. O projeto integra a remodelação da Orla do Guaíba e será a maior intervenção realizada nos mais de 90 anos do prédio.
A apresentação do edital ocorreu na Pinacoteca Aldo Locatelli do Paço Municipal, com a presença do prefeito Nelson Marchezan Júnior. Marchezan explicou que o projeto inicial previa a necessidade R$ 40 milhões, mas foi aperfeiçoado para garantir que terá os recursos para ser entregue.
A empresa ou consórcio de empresas que vai executar as obras será conhecida por meio de uma licitação na modalidade concorrência pública de âmbito internacional. Do total a ser investido, R$ 10 milhões virão de empréstimo junto à CAF e R$ 2,5 milhões, dos cofres da prefeitura. A compra de equipamentos para o Teatro Elis Regina e a sala de cinema PF Gastal precisarão ainda de mais R$ 2,5 milhões, também incluídos no orçamento municipal. A abertura dos envelopes deve ocorrer no dia 26 de setembro e o início das obras, ainda este ano. A previsão é de 14 meses de duração, a partir da ordem de início.
O diretor da Usina do Gasômetro, Luiz Armando Capra Filho, explica que o projeto é da 3C Arquitetura e Desing e tem aprovação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (Iphae), Conselho do Patrimônio Histórico Cultural da Secretaria Municipal da Cultura (Compahc) e Plano de Proteção Contra Incêndios (PPCI), liberado em julho pelo Corpo de Bombeiros. “A usina é tombada duas vezes: pelo município e pelo Estado. Esse projeto é seguro, funcional e respeita o patrimônio histórico”, afirma.
Modernização – Com a reforma, os espaços ganharão equipamentos modernos, mas manterão a essência de exibição de espetáculos experimentais. A ideia é que, com as operações comerciais, a Usina se torne financeiramente sustentável. Para maior segurança, está planejada a modernização da infraestrutura do prédio. O cinema, por exemplo, vai sair do terceiro andar para o térreo (embaixo do teatro). Duas novas escadas, uma voltada para os trilhos do aeromóvel e outra para acesso ao terraço, vão reforçar a independência dessa área.
Segundo o secretário municipal de Cultura, Luciano Alabarse, o lançamento do edital é um momento histórico para a vida da Usina do Gasômetro. “É uma obra que encontrará a alma de um povo”, diz ele. Presente no evento, a secretária estadual de Cultura, Beatriz Araújo, diz reconhecer a complexidade do projeto, do processo de contratação e as dificuldades em buscar entendimento entre todos os órgãos. “Será uma entrega relevante para todo o Estado, e torcemos para que tudo dê certo”, observa.
A secretária municipal de Planejamento e Gestão, Juliana Castro, ressalta a importância das obras do Gasômetro, que integram um projeto amplo de requalificação urbana da Orla do Guaíba e de parte da área central da cidade. “É um orgulho estar aqui. Este é um projeto que passou por diversas etapas e trará benefícios à população”, salienta. O vereador Reginaldo Pujol lembra a entrega do Largo dos Açorianos revitalizado, na última quinta-feira, 22, e que o local foi tomado por visitantes no final de semana. “Quando não se tem recursos na área cultural, temos que procurar. Vejo que várias das minhas expectativas estão se tornando realidade”, completa.
O QUE O PROJETO PREVÊ PARA A ESTRUTURA DO PRÉDIO
– Assentos e pergolados para apreciar a vista do Guaíba.
– Restaurante com vista panorâmica no quarto andar.
– A sala de cinema P.F. Gastal será requalificada e mudará do terceiro andar para o térreo.
– No segundo pavimento, ficará o Teatro Elis Regina, no formato de arena. Os assentos em volta do palco poderão abrigar até 300 pessoas.
Todos os espaços serão 100% acessíveis a pessoas com deficiências.

Cais Mauá: obras do "marco zero" andam em marcha lenta

As maquetes divulgadas e as manchetes na mídia nesta quarta feira sugeriam que as obras do Cais Embarcadero estavam já a pleno vapor para a inauguração, em setembro. Não é o que se viu.

As quatro da tarde havia dois operários no local. Um manobrava um carrinho de mão, levando areia de um lado para outro. Outro, sentado numa mureta conferia o celular.
No terreno já limpo o único sinal de uma obra eram dois montes de cascalho e alguns canos de instalação elétrica.
As cinco da tarde já não havia movimento algum. Apenas um guarda sentado tomando chimarrão na porta do contêiner verde instalado junto ao muro.
Vem aí a verdade sobre o Cais Mauá!
Dossiê Cais Mauá: edição especial impressa. 
Clique aqui e garanta a sua.