Uma Tragédia Ambiental

Li há poucos dias, nem lembro onde, uma observação preciosa a respeito da consciência ambiental: ela só nos desperta quando o problema já existe e é muito grave. A observação é rigorosamente verdadeira quando atentamos para os números que as organizações comprometidas com a defesa do meio ambiente nos apresentam na expectativa de que sejamos mais atentos ao crescimento do tumor enquistado na superfície do planeta. Eles vão se amontoando em recortes de jornais e revistas mal distribuídos sobre a mesa de trabalho numa cobrança permanente ao meu olhar aterrorizado.
Ontem mesmo, após a hora da Ave Maria, quando faço o rescaldo da leitura dos jornais, os números da destruição da Mata Atlântica me levaram à lona. Foi como se desferissem um soco no estômago em luta na qual o adversário é muito superior a minha capacidade de reação. Relaxe, tome um tranqüilizante e divida comigo o espanto e a indignação diante de tamanha violência cometida contra a natureza em nosso país, ano após ano de indiferença e incompetência de sucessivos governos.
Entre os anos de 2.005 e 2.007, somente três municípios do estado de Santa Catarina já destruíram 3.843 hectares do que resta da Mata Atlântica, o equivalente a mais de cinco mil campos de futebol. Os números só não excedem todos os limites da razoabilidade se comparados a outra constatação mais terrível: a Mata Atlântica tem apenas sete por cento da sua extensão original.E a maior causa da destruição, segundo estudos confiáveis, é a substituição da floresta diversidade na sua flora e fauna por sucessivas semeaduras de pínus , vendidos para a industria do papel.O mesmo filme abominável de outras regiões do Brasil, onde árvores e animais de todas as espécies desaparecem para que a cana de açúcar forneça combustível aos milhares de automóveis amontoados nas ruas e avenidas das grandes cidades brasileiras, levando à loucura os engenheiros de trânsito e os administradores.
Mas se os números citados são alarmantes as informações complementares a respeito da destruição criminosa da Mata Atlântica nos enchem de vergonha e indignação. A Lei da Mata Atlântica, aprovada em 2.006, visando proteger a vegetação primária e secundária do bioma, não é cumprida por falta de fiscalização. A floresta original da Mata Atlântica capitula frente a majestática presença do pínus e da absoluta falta de vontade política dos governos para que a lei aprovada tardiamente seja cumprida. Somos desmatadores ,destruidores e nos lixamos para as leis que poderiam minimizar e retardar os efeitos de uma prática deliberadamente atentatória à diversidade do que sobrou da imensidão da Mata Atlântica.Mas não somos totalmente indiferentes ao futuro dos nossos filhos e netos.Sempre há tempo para se fazer fotos das árvores remanescentes com o propósito de guarda-las num álbum capaz de dar aos nossos pósteros uma noção do que foi o mundo destruído criminosamente nossas mãos infames e mercenárias.
Os números que me provocam pesado acabrunhamento se referem a Mata Atlântica, mas não diferem,na essência, de outros números descritivos do desmatamento da Amazônia. São números que se tornam mais preocupantes na passagem de um governo para outro, sem nenhuma consideração por uma verdadeira consciência preservacionista.E que aguçam o olhar dos abutres imperialistas que desejam misturar seus cacarejos ao canto mavioso dos nossos pássaros.Ainda bem que nossa consciência ambiental já está enraizada em segmentos importantes e representativos da sociedade brasileira.Mas não sei se ainda é possível evitar a derrubada da última árvore nativa e ao apodrecimento do último curso d´água pura disponível para matar a nossa sede. As portas já estão arrombadas e os cadeados de ferro com que tentamos fecha-las zombam do comando das nossas mãos.

2 comentários em “Uma Tragédia Ambiental”

  1. Muito importante este tipo de artigo, indignado e bem fundamentado. Infelizmente a imprensa catarinense não tem demonstrado a mesma preocupação em fazer matérias verdadeiramente esclarecedoras sobre o que está acontecendo no Estado.
    Parabéns.

  2. muito boa esta matéria, a gente lendo e se esclarecendo, e tentando fazer nossa parte tomara que os orgãos e governo estejam olhando com mais resposabilidade

Deixe uma resposta para sandra s. soares Cancelar resposta