SMC lança edital de 2,3 milhões para premiações do inciso III da Lei Aldir Blanc

A prefeitura de Porto Alegre publicou, através da  Secretaria Municipal da Cultura (SMC),  em edição extra do Diário Oficial (DOPA) na segunda-feira, 19, o edital do processo seletivo de premiação denominado LAB POA. O instrumento é destinado a aplicação dos recursos do inciso III da lei federal 14.017 (Lei Aldir Blanc). O processo tem objetivo premiar 655 propostas, totalizando o recurso de R$2.356.200,00. As inscrições podem ser feitas de 20 a 30 de outubro (até às 16h59) através de ficha de inscrição e formulário on-line  disponível no link http://bit.ly/PoaLAB2020.

Podem participar neste processo artistas, coletivos, grupos, entidades artístico-culturais, técnicos, agentes culturais, produtores, e trabalhadores da cadeia econômica da cultura, residentes em Porto Alegre e designados como pessoas físicas (PF) ou jurídicas (PJ).  São contemplados neste concurso propostas de teatro, circo, dança, artes visuais, audiovisual, livro e literatura, música, memória e patrimônio, carnaval, folclore e tradição, artesanato, museus e arquivos, pontos de cultura, hip-hop, capoeira e blocos de rua.

Live – A SMC irá realizar, nesta quinta-feira, 22, live para explicar o regulamento e responder dúvidas de interessados. A transmissão inicia às 14h, na conta do Atelier Livre do YouTube através do link http://bit.ly/AtelierLivreUtube.

 
Cronograma

A divulgação  será realizada no DOPA e no portal da Prefeitura no site https://prefeitura.poa.br.

– Inscrições: de 20 de outubro a 30 de outubro de 2020  às 16h59 (dezesseis horas e cinquenta e nove minutos), horário de Brasília do dia, através de ficha de inscrição e formulário on-line;

– Divulgação das inscrições habilitadas (análise apenas de documentação): 4 de novembro;

-Prazo para recursos administrativos: De 5 a 6 de novembro, através do e-mail [email protected]

– Divulgação do resultado dos recursos: 9 de novembro;

– Período de seleção de projetos: 10 a 12 de novembro;

– Divulgação dos projetos premiados e suplentes:13 de novembro.

 
O edital pode ser conferido na íntegra no link:
https://drive.google.com/drive/folders/1P00E4G6Lgqo63YUt45sDGrn-rWL1cLpr?usp=sharing

Prefeitura da capital regulamenta aplicação dos recursos da Lei Aldir Blanc

A Prefeitura regulamentou, nesta sexta-feira, 14, os procedimentos necessários à aplicação dos recursos recebidos através da Lei Federal 14.017 (Lei Aldir Blanc). O decreto foi publicado na edição da sexta-feira do Diário Oficial de Porto Alegre. A Secretaria Municipal da Cultura (SMC) executará diretamente os recursos recebidos. Também ficam criados o Grupo de Trabalho, denominado Força Tarefa Municipal, e o Comitê Gestor Artístico, que irão auxiliar no processo.

A Força Tarefa é composta por representantes da Prefeitura, Câmara Municipal e Secretaria da Cultura do Estado. Entre suas atribuições estão realizar as tratativas necessárias junto aos órgãos do governo federal responsáveis pela descentralização dos recursos, em alinhamento com o governo do Rio Grande do Sul e com o Legislativo Municipal. Também deverá acompanhar as etapas de transferência direta dos recursos do governo federal para o Município.

Já o Comitê Gestor Artístico é composto por representantes da SMC e da sociedade civil, contemplando diversos segmentos do setor cultural. O comitê, entre suas atribuições, deverá subsidiar o Executivo Municipal na elaboração de estratégias, diretrizes e princípios para a descentralização dos recursos da Lei Aldir Blanc, contribuir para implementação e execução no âmbito municipal e também acompanhar a aplicação dos recursos da Lei Aldir Blanc.

A Lei de Emergência Cultural 14.017, que ficou mais conhecida como Lei Aldir Blanc, vai destinar R$ 155 milhões ao Rio Grande do Sul para trabalhadores da cultura e espaços culturais fortemente afetados pela pandemia do novo coronavírus. Do valor, R$ 70 milhões irão para o Estado e R$ 85 milhões serão distribuídos aos municípios gaúchos, sendo aproximadamente R$ 9,2 milhões para ações que compreendam o auxílio emergencial a espaços culturais da Capital e lançamento de editais e outros mecanismos de apoio à cadeia econômica da cultura.

Porto Alegre em Cena, em formato inédito, já tem data

A prefeitura realizará a 27ª edição do Festival Internacional de Artes Cênicas de Porto Alegre em um formato inédito, em razão da pandemia de coronavírus.

Os primeiros eventos do Poa Em Cena, que serão exclusivamente on-line, terão início a partir do mês de setembro e avançarão até o começo efetivo do festival, de 21 a 30 de outubro.

As atividades antecipadas contemplam videoconferências virtuais de discussão sobre diversos assuntos como sustentabilidade no setor da cultura, as relações dos povos afrodescendentes e indígenas com as outras espécies da natureza e suas comunidades, além de temas como os desafios da criação e exibição artística em tempos de pandemia e pós-pandemia.

A 27ª edição do evento contará também com o Canal Em Cena, um canal de televisão que estará ativo durante os dias do festival com uma programação voltada à cultura.

Neste ano, a programação de espetáculos será basicamente com artistas de Porto Alegre, divulgando as apresentações em plataformas que todos poderão assistir. O Em Cena ganhará também as ruas da Capital, em atividades ao ar livre, respeitando todos os protocolos de segurança e saúde sugeridos pelos órgãos municipais e estaduais. “Ainda que tenhamos limitações, vamos fazer das possibilidades digitais uma forma de ampliar tanto o público quanto os debatedores, que por questões de tempo, logística e custos, talvez não conseguiríamos ter na programação”, destaca Fernando Zugno, diretor-geral do Em Cena. A programação será lançada em breve.

Entre os participantes desta largada digital estão a escritora Eliane Brum, o ator Gregório Duvivier, a artista portuguesa Grada Kilomba e o diretor e dramaturgo britânico Tim Etchells. O tema desta edição será o corpo do futuro: humanidade e natureza, em um cenário de pós-pandemia, pós-gêneros, de transhumanos (um conceito além dos cyborgs) e em um novo cenário climático. A visão indígena do mundo futuro, da humanidade e do clima, amplamente abordada na edição passada, também dará a tônica da realização nesse ano e será um dos destaques na programação.

“Uma das atividades confirmadas é de Altamira 2042, que mostra o testemunho de rios brasileiros e das pessoas que vivem em suas margens – e à margem de processos históricos, políticos e econômicos. Altamira 2042 é uma instalação sonora composta por caixas de som que amplificam testemunhos diversos sobre a catástrofe causada pela hidrelétrica de Belo Monte”, antecipa Zugno.

Push Festival – O Em Cena, que firmou uma parceria com o Push Festival, de Vancouver, no Canadá, contará com a presença virtual do organizador, Franco Boni, e da artista indígena canadense Cease Wyss unindo a visão dos povos originários do pacífico norte ao olhar dos trópicos para as relações humanas com a natureza e consequências como o aquecimento global. A ideia, explica Zugno, é um caminho natural no avanço de alguns temas que vêm sendo construídos ao longo das quatro últimas edições. “Em 2017 trabalhamos, por meio da mulher, a gestação, o nascimento e a geração. Em 2018, foram as questões diaspóricas africanas e europeias e a formação dessa Terra Brasilis junto com os povos originários deste território. Em 2019, foco no corpo e na humanidade. Em 2020, a ideia é abordarmos esses corpos no futuro e as muitas transformações que a humanidade vai vivenciar”, pontua o diretor do Em Cena.

Libras – Entre as propostas que também marcarão a 27ª edição do festival estará a inclusão de libras em quase todas as apresentações e debates. A ideia é interagir mais com o público que não ouve, mas que se comunica e tem sede de informação. “Estamos nos estruturando desde já para fazermos essa inclusão da forma mais abrangente possível, não apenas no festival, mas desde antes, na comunicação sobre o Em Cena também. Queremos que o público que tem deficiência auditiva faça parte desta edição desde as primeiras ações”, explica Zugno.

Projeto Em Quadros – Como aquecimento para a 27ª edição do Poa Em Cena, a Coordenação de Artes Cênicas  da Secretaria Municipal da Cultura (SMC) irá selecionar propostas de performances artísticas, que serão projetadas de janelas de residências, para participarem do projeto Em Quadros.

( TextoPaulo Beccon/ Assessoria)