Com bate boca e tumulto, Câmara rejeita projeto que alterava nome do Memorial Prestes

Foi tumultuada e acalorada a sessão da Câmara da Vereadores de Porto Alegre desta quarta-feira, 25/10, que rejeitou por 19 votos a 13 o projeto do vereador Wamber Di Lorenzo (PROS), que trocava o nome do Memorial Luis Carlos Prestes.
O projeto revogava a Lei Complementar nº 229, de 1990, de autoria do então vereador Vieira da Cunha, e substituía Memorial a Prestes por Museu do Povo Negro. Em suas justificativa, Wambert alega, entre outra coisas, que Prestes “foi um traidor da pátria, que se aliou às forças da União Soviética, vindo a ser treinado pelo exército vermelho e pela KGB”.
Nas galerias, as duas opiniões dividiam espaço. De um lado cidadãos favoráveis ao projeto do vereador, do outro, municipários em greve e integrantes do Simpa se mostravam contra o projeto.
Bate boca e expulsão
A cada manifestação parlamentar, contra ou a favor do projeto, se ouvia vaias de um lado e aplausos do outro.
Foi quando o vereador Roberto Robaina (PSOL) criticou duramente o projeto de Wambert, que não gostou e foi ao microfone retrucar.
Os dois, já frente a frente no plenário, se atacaram pessoalmente com o dedo em riste, sendo separados por assessores, que acalmaram os ânimos .
O vereador Cassio Trogildo (PTB) suspendeu a sessão por alguns minutos. Ele chamou os líderes de bancada e os vereadores envolvidos no embate e pediu ordem para prosseguir a votação.
O respeito, pedido pelo presidente, não foi seguido por manifestantes nas galerias.
A cada manifestação contra o projeto, o cidadão Felipe Diehl se manifestava e ofendia qual fosse o parlamentar que estivesse na tribuna. Após dois pedidos de ordem do presidente, o mesmo foi avisado que seria retirado do plenário se repetisse o comportamento. Diehl ignorou o pedido e foi retirado pela Guarda Municipal.
Logo em seguida, outro manifestante presente na votação e a favor do projeto se dirigiu diretamente a Trogildo, xingando-o. O vereador pediu para que o cidadão, conhecido como Rafinha BK, também fosse retirado. Após alguma resistência, BK deixou a Câmara de Vereadores.

Rafinha BK foi resistente ao sair da Câmara, após perturbar a votação / Já

Emenda alternativa também foi rejeitada
A proposta do vereador Wambert pretendia ainda homenagear o povo negro por sua grande contribuição para a história e cultura de Porto Alegre, RS e Brasil. O autor citou o colega Tarcisio Flecha Negra, que tem de sua autoria a Lei nº10.986/2010 que visa a criação do museu da História e da Cultura do Povo Negro.
Apesar disso, Tarcisio foi contra o projeto. “Não queremos migalhas”, argumentou o parlamentar, que citou outros lugares e terrenos que poderiam servir de sede para o Memorial do Negro.
Contrários ao projeto sugerido por Wambert, mas a favor da substituição do Memorial para Prestes, a bancada do PP apresentou uma emenda que criava no local o Memorial da História e da Cultura Gaúcha. Mas a emenda também foi rejeitada por 18 votos a 15.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.