LUIZ-OLYNTHO TELLES DA SILVA / Meu encontro com Moisés

Li, dia desses, que o risco de extirpar a corcova de um camelo, era o de que deixasse de ser camelo. Um preceito importante o qual, mesmo sem o conhecer, tenho seguido por toda a vida.

Na minha mulher, sua corcova era o tempo que tomava para se arrumar. Passava horas e horas se pintando e, depois, não saía de casa sem dar mais um retoque na maquiagem. No início, não tenho por que não dizer, isso me irritava um pouco. Gosto de ser pontual e, quando tinha de ir acompanhado, acabava chegando sempre um pouco atrasado nesses compromissos. Até que um dia escutei um colega, que em tom de brincadeira justificava a inexistência da mulher exatamente com a corcova de minha esposa. Elas mesmas se consideravam transparentes, dizia ele, e, se não colocassem meias de seda, uma boa camada de base no rosto, seguida de ruge, rímel e uma pintura nos lábios, ficavam invisíveis! Então fui me acalmando, deixando de reclamar e, reconhecendo que aquele momento, de tanta concentração e seriedade, teria que ter mesmo um grande valor para ela, deixei de me irritar e comecei a tirar proveito da situação. Aproveitava para ler algum artigo no jornal, do qual só havia lido as manchetes e, quando a saída era para alguma festa, relaxava tomando um uísque. Mas naquele dia foi demais.

Era minha primeira vez na Europa e o primeiro dia em Roma, onde havíamos chegado na noite do dia anterior. O hotel da Rua Cavour era muito bom, com quatro estrelas luminosas, uma varanda voltada para os fundos, da qual se podia apreciar boa parte da cidade, e um toucador que a deixara encantada. Era uma peça antiga, colocada ali, supus, para quebrar um pouco o moderno da decoração pós-reforma e estava muito bem. Com três espelhos, um central e dois laterais, móveis, que lhes permitiam dar a angulação precisa para melhor ajeitar detalhes de seu penteado. E lá estava ela – parecia –, preparando-se para deslumbrar a Cidade Eterna. Pelo modo como se preparava, ajeitando por sobre o toucador sua coleção de pós, pinturas, pincéis, escovas, batons e perfumes, não se podia esperar que aquilo fosse terminar logo, não seria assim no mais que aquele rostinho ficaria do seu gosto, ainda mais em Roma. Dei uma olhada nos jornais, os que não estavam em italiano, estavam em inglês, a vista da varanda não me chamava muito a atenção, e para um uísque era muito cedo. Antes do café da manhã, nunca! Pois resolvi sair para uma pequena caminhada. Evitava assim a ansiedade que começava a se infiltrar por entre os nervos.

Em frente ao hotel havia um muro alto e comprido, e, meio sem pensar, atravessei a rua, com pouco movimento naquela hora da manhã, para melhor observar o belo edifício do hotel em que nos hospedáramos. Em estilo neoclássico, com as suntuosas colunas fronteiriças a uma port-cochère, as portas e janelas encimadas de ventarolas em arco, formavam um todo, ao mesmo tempo imponente e agradável. Caminhava, um pouco distraído, talvez pensando no apropriado desse estilo para o conforto dos hóspedes, pois os espaços tendiam a ser sempre amplos, por certo consultando o relógio, de tanto em tanto, quando – acredito que pelo contraste entre o amplo que vinha ocupando meus devaneios –, reparei numa estreita abertura que apareceu no muro, de repente, dando lugar a uma escada que logo se alargava. Para onde subiriam aqueles degraus? Olhei para o relógio, perguntando-me se hoje seria diferente, se ela terminaria mais cedo seu toucado, mas não, decidi que não e deixei-me vencer pela curiosidade. Pois ao fim do curto túnel encontrei-me em um largo, completamente silencioso, sem viva alma. Seria pela hora? O frio seco de fevereiro estava bem agradável. Avistei um corredor de casas em uma rua terminando em curva e, à minha esquerda, por sobre o muro, uma igreja. Uma fachada simples, simples até demais se comparada com a de nosso hotel, porém cercada por uma alta grade de ferro. Ao aproximar-me, vi um portão apenas encostado e fui entrando. Com poucos passos alcancei a alta porta da Igreja, também entreaberta. Que custava? A sedução do toucador, com aqueles espelhos ajeitados, haveria de segurá-la por mais algum tempo. E entrei, no primeiro passo já deslumbrado com sua abóbada. Estava sustentada por colunas dóricas e decorada com um afresco multicolorido, no qual preponderavam os azuis cobrindo quase toda sua longa nave central. Lembro que era uma dessas pinturas com duas cenas, comuns no medievo, uma terrena e outra celeste. Caminhava por sua nave, apreciando os detalhes dos altares laterais, quando, quase ao alcançar o altar central, no lado direito uma estátua magnífica chamou-me a atenção. Representava um homem sentado, mas com a perna esquerda mais baixa, o pé esquerdo posto um pouco para trás, como se estivesse preparando-se para levantar, e, quem sabe, até já um pouco levantado, ou levantando, com umas pranchas sob o braço direito, como que arriscando a cair devido a um movimento brusco; um rosto forte, coberto por espessa barba, e um olhar penetrante a completavam. Não podia ser! Não podia acreditar que estivesse diante do Moisés! Seria uma réplica da obra de Miguel Ângelo?! Uma réplica da qual eu nunca ouvira falar? E resolvi dirigir-me ao altar principal para fazer o teste do olhar. Se ele me seguisse com os olhos, seria ele mesmo. E me seguiu. Não era uma cópia. Era a própria, a verdadeira escultura de Buonarrotti!

Freud, quando se dedicou ao Moisés, em uma obra da sua maturidade, também enfrentou dúvidas, parecidas com as minhas, dúvidas que tinham como fundo comum a questão da autenticidade. As dele eram sobre a origem do grande líder. Judeu ou egípcio? Primeiro, por não acreditar que seu nome derivasse do hebraico Mosheh. Não que Moisés, conforme o significado etimológico de seu nome, não tivesse sido tirado das águas – pois, afinal, quem não foi? –, mas sim porque não via motivo para uma princesa egípcia batizar uma criança, adotada como filho, com um nome hebraico, de escravos. Para o mestre vienense, a origem do nome era egípcia, derivada de Mose. Com o significado simples de criança, costumava vir acompanhando o nome de algum deus, como Amom-mose, Ptah-mose, com o significado de Amon-enquanto-criança, Ptah-enquanto-criança. E o importante é que, para Freud, essas dúvidas o levaram muito adiante em sua pesquisa sobre o libertador que fundou a religião dos hebreus.

Para mim, a dúvida ajudou a situar-me. Sendo autêntica, como a estátua havia sido esculpida para encimar o túmulo do Papa Júlio II, isso queria dizer que esse papa estava enterrado ali, naquela que era a sua Igreja, a igreja de sua família, da família dos Della Rovere, construída, ainda no quatrocento, para abrigar as correntes com as quais São Pedro estivera preso, primeiro em Jerusalém, depois na própria Roma. Depois, na mesma época em que o Brasil estava sendo descoberto, e o Cardeal Della Rovere eleito Papa, a Igreja fora toda reformada e as cadeias de São Pedro colocadas em um relicário sob o altar-mor da Basílica. E lá estavam elas. Já não havia mais dúvidas! Estava na Igreja de São Pedro em Vincoli, aquela era a legítima estátua de Moisés, ladeado por Raquel e Lea, e voltei para ver a escultura de perto. O relógio, inexorável, avançava, mas tinha de olhar o joelho de Moisés. A marca do perché no parla, não estava mais, mas estavam as Tábuas da Lei recém recebidas no Monte Sinai, logo após seu encontro com a Sarça Ardente, e estavam os dois cornos, discretos em meio à volumosa cabeleira. Freud, ao que tudo indica, não reparara em sua presença; provavelmente, tomou-os, como faziam os antigos, como uma natural representação dos raios divinos, pois em hebraico há uma similaridade entre as palavras chifres (queren) e raios de luz (qâran).

Seus olhos ainda me seguiam quando deixei a Igreja, triste e quase culpado de deixá-lo só, estático naquele silêncio. Mas, com minha esposa, a função corcova teria já cumprido seu efeito e terminado seu make-up. Não podia retardar-me nem mais um minuto. E, de fato, quando cheguei ao hotel, estava linda e resplendia, mas eu, eu levei um xingão por tê-la feito esperar.

Luiz-Olyntho Telles da Silva (Marcelino Ramos, 1943) é psicanalista e escritor. Autor – na área da literatura – de Leituras, Incidentes em um ano bissexto, Iluminura turca e outras crônicas, Um elefante em Albany Street e Os Embaixadores. E-mail: [email protected]

Deixe uma resposta