MÁRCIA TURCATO/ Desmilitarização da Saúde

Márcia Turcato*

O general Eduardo Pazuello deixou de herança para seu sucessor no Ministério da Saúde, o cardiologista Marcelo Queiroga, mais de 301 mil covas e muitas outras que ainda serão abertas no vácuo de sua desqualificada atuação.

Queiroga assumiu afirmando que recebeu carta branca do chefe. E parece que recebeu mesmo. Em 24 horas ele retirou dos postos chaves da pasta os militares de alta patente e baixa competência que estavam lá e convocou o médico e professor da USP Carlos Carvalho para coordenar a Secretaria Extraordinária Covid-19. Carvalho é publicamente contra o tratamento precoce defendido por Bolsonaro.

Até meados de março de 2021, morreram mais de 301 mil brasileiros por covid-19. Em 23 anos, de 1996 até 2019, a aids vitimou 281.156 pessoas. E esse é um agravo para o qual praticamente não existiu tratamento durante uma década e que até hoje não há vacina para prevenir a doença. Tal como o covid-19, a aids também surgiu repentinamente, era uma doença desconhecida, se espalhou pelo mundo e o contágio é pessoa a pessoa.

A aids iniciou com uma taxa de mortalidade de 6,2 em cada grupo de 100 mil e caiu para 5/100 mil em 2019. A pandemia de covid-19 está com uma taxa de letalidade de 142,1 por 100 mil e um índice de transmissão de 1,23. Isso significa que um grupo de 100 pessoas contaminadas pode transmitir a doença para outras 123. Para a situação ser considerada razoável, no caso da pandemia, a taxa de transmissão deve ser inferior a 1,0. Só mais dois exemplos para contextualizar: de 1996 até 2020, a influenza (H1N1) matou 15.543 pessoas e a febre amarela vitimou cerca de 700.

Esses três agravos à saúde foram enfrentados e controlados por campanhas de esclarecimento à população, parceria com organismos internacionais, uma política nacional de saúde e vacinas, no caso da influenza e da febre amarela, que impediram os óbitos e o surgimento de casos graves. E, principalmente, em todos esses cenários, o país vivia sob um estado democrático de fato, sem burlas institucionais e sem a militarização de suas esferas civis.

Nesse largo período de 24 anos, o Ministério da Saúde teve gestores de muito sucesso em sua missão, como José Serra, cuja administração foi modelo internacional no enfrentamento da aids e também foi ele quem implementou a vacinação contra influenza; Alexandre Padilha, que criou o Programa Mais Médicos, que deu uma resposta rápida para a falta de serviços de saúde no interior do Brasil e em áreas de difícil acesso; Arthur Chioro e Marcelo Castro que criaram ações unificadas e uma ampla mobilização nacional para o enfrentamento do zika vírus, causador de microcefalia e outras sequelas graves em bebês, e também enfrentaram um grave surto de febre amarela com campanhas de esclarecimento e, no caso da febre amarela, vacinação massiva. Encerrando a lista, Luiz Henrique Mandetta, já sob a maquilagem democrática do governo Bolsonaro, que adotou medidas sanitárias não farmacológicas para enfrentar o covid-19 mas foi de encontro ao obscuro pensamento de seu chefe e abandonou a gestão.

Com a saída de Mandetta, assumiu o Ministério da Saúde por 29 dias o médico Nelson Teich. Depois dele, o general Eduardo Pazuello ficou no cargo por 11 meses. Não fez nada. Omisso, sem conhecer a área, foi negligente com a saúde da população. Sob sua gestão, não foi realizada nenhuma campanha de esclarecimento, liderou uma guerra fria com São Paulo porque o estado fez a defesa da vacina contra o covid-19, deixou os hospitais do Amazonas sem ar, não articulou uma ação nacional com os estados, tal como o chefe, defendeu o uso de uma medicação para vermes como tratamento precoce contra o covid-19, comprou a briga do chefe contra a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a imprensa. Saiu com 301 mil pessoas mortas, quase todas enquanto esteve à frente do Ministério da Saúde nesses 11 fatídicos meses. Pazuello, o coveiro da Nação.

Pode ser otimismo meu, ou desejo, mas parece que Bolsonaro dá sinais de que sentiu um golpe. Afrouxar as rédeas do Ministério da Saúde foi a primeira concessão, agora também é possível que ele demita o ministro das Relações Exteriores e também o seu assessor de assuntos internacionais, filmado fazendo o gesto da supremacia branca em audiência no Senado. Ou, no mínimo, fazendo um gesto obsceno. Ao mesmo tempo, o presidente da Câmara, forte aliado até ontem, mandou um recado ao Planalto ao dizer que o sinal amarelo foi ligado. O timer está ligado, entramos em contagem regressiva.

*Jornalista com 20 anos de experiência em Comunicação de Risco em Saúde e Enfrentamento de Crises em Saúde

 

Deixe uma resposta