Sobre Tiões e Marielles na Presidência da República

MARÍLIA VERÍSSIMO VERONESE
Na quarta-feira que antecedeu o feriado de Páscoa, recebi por e-mail uma mensagem do reitor da universidade onde trabalho, padre jesuíta, enviada para toda a comunidade universitária. Ela me aqueceu o coração, me empoderou de um modo muito especial, tanto que a partir dela decidi promover uma versão do evento “Luzes para Marielle e Anderson”[1], no campus da Unisinos, onde eu estaria na segunda-feira, dia 2 de abril de 2018.
Alguns colegas (negligenciando o que nos ensina a antropologia sobre a articulação entre religião, afetos, cultura e subjetividade), talvez me achem “ingênua” ou “igrejeira”, na melhor das hipóteses (Risos). O fato é que fui criada numa família católica. O amor/devoção que toda a criança sente por seus pais, na minha infância, foi mediado pela cruz, pelo terço que rezavam todas as noites, pela missa de domingo, pelos quadros das madonas que minha tia pintava, pelos fachos de luz que saiam da cabeça de Jesus Cristo nos vitrais da igreja. Recordo sobretudo da luz pelos vitrais coloridos, do sol matinal, dos afetos muitos.
Acontece que toda a rejeição que os adolescentes sentem por seus pais e a autoridade que representam também veio para mim, junto com a recusa de seguir frequentando a missa de domingo, aos 14 anos, para desespero deles. Nessa época, estudava no Colégio de Aplicação, tendo acesso a formação laica e crítica. Mixando tudo isso no liquidificador da subjetividade, fiquei com a teologia da libertação e o senso profundo de liberdade, igualdade na diferença, pluralidade e solidariedade. Todos esses valores convergiram para um só, o de JUSTIÇA. Não é à toa que tenho essa palavra tatuada na pele.
Mas vamos à mensagem do padre Marcelo (figura querida e respeitada na instituição por suas qualidades, que incluem a afetividade)[2]:
Mensagem de Páscoa
Nossa comunidade universitária se faz peregrina como os Discípulos de Emaús, perguntando-se pelo sentido de tanto sofrimento no mundo de hoje.
A morte do justo e do inocente nos toca no mais íntimo de nosso coração.
Como os discípulos, comentamos entre nós os episódios de intolerância religiosa, política, étnico-racial, de gênero e em relação à comunidade LGBT. E nos dizemos: “Não ardia em nós o nosso coração quando ele nos falava no caminho e nos explicava as Escrituras?” (Lucas 24, 32).
Nessa Páscoa de 2018, vamos construir pontes de diálogo e de afeição recíproca, pois somos todos membros da mesma família humana.
Feliz e abençoada Páscoa da Ressurreição.
 Pe. Marcelo de Aquino, S. J.
Reitor da Unisinos
Não houve dúvida sobre quem eram os inocentes e justos a quem Marcelo referiu-se. Participamos do evento #LuzesParaMarielleEAnderson e fizemos dentro do campus de São Leopoldo uma roda de conversa, acendemos velas, bradamos que Marielle e Anderson estavam presentes; cada uma e cada um dos alunos, professores e funcionários ali reunidos puderam se manifestar. Compartilhamos o que estava em nossos corações, o medo do presente de violência e intolerância, o horror de viver no país que mais mata ativistas de direitos humanos[3]. Teve gente próxima a nós que passou com ar de deboche, e convidada a participar, negou-se. Os motivos? Difícil dizer. Provavelmente uma incompreensão sobre a razão pela qual estávamos ali: negros e negras, pobres e favelados, indígenas expropriados de terra, cultura e dignidade; demais ativistas de direitos humanos assassinados (Chico Mendes, Irmã Dorothy e tantos mais), moradores de rua, presos políticos como Rafael Braga e tantos outros, LGBTs, todos e todas que anseiam a justiça e a dignidade que lhes são negadas… Não estávamos ali somente por duas pessoas, mas sim por Merielle ser tão representativa de milhares de outras. A maioria dos casos registrados de assassinatos de ativistas entre janeiro e agosto de 2017 envolve indígenas, trabalhadores rurais e pessoas envolvidas com disputas de terra, território e luta pelo meio ambiente. Muitos e muitas tombam lutando pela justiça, enquanto a bancada ruralista no congresso nacional trata de proteger os assassinos, muitas vezes grileiros de terras, eles sim os verdadeiros bandidos. Era por todos e todas que estávamos ali. Pena que algumas pessoas não compreenderam.
Lembro do meu professor de filosofia no mestrado, Carlos Roberto Cirne Lima, nos explicando o conceito de dialética, “o uno está no todo e o todo está no uno”. Todas as coisas do mundo podem ser sintetizadas no uno; a “substância única de Espinoza” frente ao “Eu livre de Kant”, em interação dialética permamente. Edgar Morin refere-se à recursividade, utilizando também noções da filosofia dialética. Toda a ânsia de justiça do mundo estava representada ali naquele ato por Marielle e Anderson, figuras emblemáticas, naquele momento, de tantos outros e outras. É a filosofia, meus caros e caras (e não “estúpidos”!).
A filosofia está na base de tudo. Por isso acompanho com muito interesse o trabalho de filósofas feministas como a Marcia Tiburi, que saiu da Unisinos mais ou menos na época em que entrei, há 13 anos atrás. Cada uma das ciências sociais desenvolve e leva adiante distintos aspectos da experiência humana; que é temporal e relativa, e também limitada e ampla, ao mesmo tempo. Porque os opostos não somente se atraem, eles se constituem; tudo é relativo, “é absoluto que tudo seja relativo”, nos dizia o professor Cirne Lima, amigo pessoal de Jürgen Habermas, com quem estudou em Frankfurt, tendo ambos sido alunos de T. Adorno e M. Horkheimer, nos anos 1950. E aí cabem as contradições, as ambiguidades e as ambivalências que são a nossa marca, a nossa realidade mais primeva. Essa é uma das poucas coisas inexoráveis do nosso processo histórico de evolução, como homo sapiens sapiens. Essa atração pelo “tiro no pé”, pela dissonância cognitiva, pelo quanto nos auto boicotamos, ao mesmo tempo em que queremos evoluir no processo civilizatório. Quantos embates esse processo tem nos colocado, quantas lutas, quantas divisões, quanto sofrimento.
Contemporaneamente, tenho percebido que, em meio a todas essas lutas, por diferentes causas, pela justiça em suas diversas manifestações, as vezes [email protected] que deveriam se somar se desencontram dolorosamente. Se deparam com suas diferenças, reais e imaginadas, e lembro sempre nessas ocasiões do que disse meu irmão de alma Eduardo Marinho[4]: se a gente não se questiona internamente, não faz um trabalho de auto lapidação, a luta não vai para frente. Portanto, tenho tentado não achar feio o que não é espelho. Dentro de limites que respeitem a dignidade humana básica, claro. Porque quando eles são ultrapassados, aí a feiura impõe-se sobre o mundo de forma intolerável e é caso de combatê-la, sempre tendo inspiração na beleza da ética humanista que nos propôs o padre Marcelo.
Para não deixar dúvidas sobre a relação entre o que já mencionei no texto até aqui e o que mencionarei na sequência, gostaria de pontuar alguns de meus pressupostos. Não é a mesma coisa e definitivamente não quero comparar o caso Marielle e o caso Lula. Embora Lula também sofra racismo por ser nordestino, é algo muito diferente e já escrevi bastante sobre tudo isso.
Depois do horror do atentado que vitimou Marielle, fechei os olhos e sonhei acordada com ela eleita PRESIDENTA DA REPÚBLICA: nem sei dizer da alegria que seria, ver aquela pessoa linda e honesta, batalhadora e comprometida com as melhores causas, vestir a faixa presidencial. Estávamos construindo um caminho que, lentamente – mas quem sabe ainda no meu tempo de vida?! – nos permitiria sonhar com isso. Já tínhamos uma primeira mulher eleita duas vezes.
Mas aí veio esse golpe hediondo e misógino, no qual corruptos de carteirinha sacaram o mandato de uma mulher honesta, que jamais se envolveu em corrupção. Fazia um segundo governo sofrível, cometeu vários equívocos, incluindo o neoliberal incompetente que nomeou para gerir a política econômica; mas isso não é motivo de impedimento! Governo que não está bom, numa democracia séria, a gente tira nas urnas! O que aconteceu foi uma vergonha, capaz de colocar o Brasil como uma republiqueta bananeira da pior qualidade, capaz da pior das ignomínias! Jamais, nem nos meus piores pesadelos, pensei em ver o que vem acontecendo desde abril de 2016. Afinal, em 1964 eu não havia nascido. Não presenciei a parcela do empresariado e da classe média que comemorou a chegada de uma ditadura sangrenta que torturou, estuprou, assassinou e ocultou os cadáveres. Até hoje há famílias que sequer puderam enterrar seus mortos. O deputado Engenheiro Rubens Paiva, por exemplo: o cadáver nunca apareceu. Stuart Angel Jones, filho da estilista Zuzu Angel (também assassinada pela ditadura), idem. Perguntem ao escritor Marcelo Rubens Paiva e à jornalista Hildegard Angel o que eles acham de terem pai e irmão desaparecidos para sempre, seus corpos se desintegrando alhures, num cemitério clandestino qualquer!? E são tão valentes que conseguem seguir suas vidas, apesar dessa injustiça acachapante.
Portanto, desde esse contexto, é preciso entender que, assim como na época da ditadura, FHC, Lula, Brizola, Ulysses, Sobral Pinto, Tancredo Neves e outros tão diferentes entre si dividiam o mesmo palanque, agora considero imperativo seguir essa ideia de “frente ampla”, porque o que está em jogo é o arremedo incompleto de democracia que tínhamos, as conquistas – tão importantes – que a Constituição Federal de 1988 nos legou, e até isso estamos vendo se esvair pelo ralo do enxovalho do golpe. Se não reagirmos, eles vão tirar tudo dos brasileiros: políticas de saúde universal, educação básica, direitos trabalhistas, previdência pública etc.
Então, eu reforço: o nordestino que foi boia-fria na infância ter chegado à presidência da república pavimentou o caminho para que outros e outras com a sua origem de classe pudessem sonhar a chegar também; é uma questão simbólica, antes de tudo!
Sim, meus amigos críticos, vocês têm algumas razões; o “petê” cometeu erros lamentáveis, como por exemplo o de nomear um STF execrável, loteando-o como um ministério ao PP (ah, a terrível “governabilidade”!); e agora sofre as consequências, quando poderia ter nomeado gente qualificada como Lênio Luiz Streck, Maria Lucia Karam, Vera Regina Pereira de Andrade ou Rubens Casara e teríamos uma suprema corte séria, que não permitiria esse patético convescote dos podres poderes. Não pretendo ser exaustiva pois não sou jurista, mas lendo e navegando nas redes sociais de alguns juristas renomados, consigo referências e perspectivas interessantes. A postagem do Salah H. Khaled Jr. me inspirou nessas sugestões[5]. Em diálogo virtual com Salah, jurista e professor na Universidade Federal do Rio Grande, conclui-se que as vagas destinadas ao Supremo foram decididas com base nos mesmos critérios que muitos ministérios, na era petista. Se muitas vezes os ministros foram escolhidos apenas para contemplar/agradar a base aliada, e não por qualidades pessoais que os recomendassem para aquelas funções específicas, no Supremo Tribunal Federal não foi diferente. O PT subestimou o quanto o STF poderia ser decisivo para o país e não houve preocupação em escolher aqueles que, de fato, seriam os melhores ministros, ou seja, os melhores juristas do país, capazes de julgar com ética e isenção. As escolhas em grande maioria contemplaram quem construiu um caminho político para chegar lá. O resultado “é um desastre de longo prazo para o país”, me dizia o colega da área do direito, a quem agradeço pelos insumos que vieram a contribuir para a reflexão neste texto.
Temos de admitir, os erros pesaram: ridículas e imorais “leis antiterrorismo” foram promulgadas sob gestão petista; o povo negro continuou morrendo nas favelas e periferias Brasil afora, sem Estado de direito algum para habitar e no âmbito do qual se formar cidadão/ã. Os indígenas e ribeirinhos seguiram sendo trucidados em benefício do agronegócio e para dar lugar ao “crescimento econômico” em Belo Monte.
Mas acontece, meus caros e caras, que isso é assim desde o ano da (des)graça de 1500, e o que se estava tentando fazer ao apostar em Lula e na sequencia Dilma, era reverter pelo menos em parte tudo isso. Políticas sociais compensatórias minimizaram a fome a miséria, aliviando o sofrimento de milhões. Estudantes pobres e negros tiveram acesso à universidade, a eles negado por séculos; a luz e a água chegaram para quem não as tinha, no nordeste profundo (o programa das cisternas é uma das coisas mais lindas desse governo).
Depois do PT, sonhávamos nós, poderíamos pautar e lutar por um governo ainda mais avançado em termos de combate às desigualdades, incluindo as imateriais. Em vez disso (continuarmos avançando aos poucos), retrocedemos 50 anos em 2, após o golpe mais que óbvio (para todos que não se pautam pelos jornais da Globo e afins, ou fakes que chegam pelo WhatsApp). E é essa a razão que me faz, apesar da abissal diferença, me manifestar contra uma prisão cheia de ilegalidades judiciárias, cujo mandato foi emitido por um psicopata de voz fina que é um sintoma da doença do poder judiciário em nosso país, assim como me manifestei veementemente contra o assassinato da mulher negra, favelada e feminista. Não comparo o assassinato físico de Marielle, levado a cabo por milícias mafiosas com braços no Estado, ao assassinato da reputação de Lula, construído por uma mídia nojenta e manipuladora e um judiciário viciado e corrompido. São acontecimentos de ordens muito distintas, envolvendo injustiças incomparáveis e incomensuráveis. O fato é que as vivemos ao mesmo tempo, em termos cronológicos.
Os avanços que sonhávamos não se dariam em linearidade cronológica, mas sim em idas e vindas, avanços e retrocessos. Começamos pela urgência maior: minimizar a indignidade da fome, que tem pressa, como dizia o sociólogo Herbert de Souza. Tirar o Brasil do mapa da fome do mundo[6] só não é relevante para quem tem de sobra o que comer e é insensível e egoísta ao extremo (serviu o chapéu? Não se ofenda: reflita. Esse mal-estar pode ser o início da sua transformação). Coisa que abunda por aí, infelizmente. Quem se julga “gente de bem”, mas não move uma palha contra abusos e injustiças, contra violências sem explicação como criança passando fome.
Outra crítica recorrente (geralmente à esquerda, as únicas que comento, porque as feitas à direita são muito desqualificadas) é que durante os governos do PT muitas faculdades privadas, sem uma estrutura adequada ou tradição em ensino, pesquisa e extensão, ganharam dinheiro a rodo com os estudantes do ProUni e do FIES. Essa expansão das faculdades consideradas “caça-níquel”, que reforçam a precarização de seus funcionários e a massificação da educação privada, se deveu em grande medida aos programas governamentais, que uma vez minguados na era pós-golpe causaram grandes problemas às instituições, funcionários e estudantes. Embora haja muitos pontos positivos e eu mesma tenha presenciado lindos relatos de alunos/as que não poderiam estar nos bancos universitários sem as políticas como ProUni- sou totalmente a favor! -, penso que os critérios deveriam ter sido mais vinculados a benefícios sustentáveis para as futuras gerações de estudantes de baixa renda.
 
Finalmente, gostaria de ponderar algumas questões e citar algumas manifestações sintéticas que vi recentemente publicadas. A perspectiva – a meu ver falsa -, que li em análise de um intelectual – considero-o respeitável e acompanho suas pesquisas – de que haveria apenas três lados: os fanáticos petistas, os fanáticos anti-petistas e os abnegados seres que tentam ser independentes, mas são trucidados por ambos os lados, não se sustenta quando se vê tanta gente pensante (para tanto basta ser medianamente inteligente), que sabe que não se trata de defender “santidade” alguma de lado nenhum. É óbvio e sabido que os altos cargos do poder executivo sempre envolveram, em algum nível, benesses de grandes empreiteiras, ganhos secundários etc. (vide o apartamento parisiense de FHC e tantas outras coisas, antes e depois dessa, que sumiram rapidamente dos noticiários). O que se reprova em relação a essa absurda e inconstitucional prisão do ex-presidente Lula, é o ÓBVIO uso de “dois pesos e duas medidas”, é a perseguição clara e explicita, é a diferença no tratamento de casos onde crimes até bem piores e mais comprovados por evidências concretas, saem impunes ou se arrastam por anos e mesmo décadas de embargos, em casos de condenados em segunda instância, como Eduardo Azeredo (PSDB). Trata-se aqui da exigência básica de manter um Estado de direito e um sistema judiciário que garanta os direitos individuais quando os outros poderes falham.
 
Recorro ao texto do professor Fábio W. Reys, professor emérito da UFMG, um cientista político de mais de 80 anos, que afirma que a prisão de Lula, nas circunstâncias em que aconteceu e com o processo judicial que se viu, é clara indicação de que a lei NÃO vale para todos. O primeiro presidente de origem autenticamente popular, e, portanto, da casta “errada”, é também o primeiro presidente a ser condenado e preso por crime comum. E isso acontece “num país marcado pela estrutura de castas, construída nos séculos de nossa longuíssima escravidão, cujos efeitos estão pesadamente ainda conosco na enorme desigualdade, na patologia social com ela ligada e, de maneira especialmente visível, na ruindade espantosamente duradoura de nossas políticas educacionais como fator de incorporação social (derrotadas fragorosamente, como mostram estudos sérios, até em comparação com a África do Sul do apartheid) ”.
 
Sim, o ódio ao Lula, professor Fábio, é mesmo o ódio de classe que o senhor menciona em seu texto. Nem Temer, nem Aécio, nem Moreira Franco, nem Romero Jucá, nem nenhum corrupto notório desperta esse ódio. A instituição que funda o Brasil é a escravidão, e somos todos herdeiros subjetivos dessa chaga aberta. Sem nem percebermos. A desigualdade está entranhada e é naturalizada. E é essa desigualdade enraizada nas células que faz com que as pessoas temam e/ou odeiem os pobres e desvalidos. Até parece que é “lei natural”, existem “castas” que determinam quem é confiável e quem não é.
 
Eu passei várias vezes em aula, nos cursos da graduação da saúde e da economia, o filme “Lixo Extraordinário”[7], que mostra o artista Vik Muniz e sua parceria com os catadores/as da Acamjg Jardim Gramacho (Associação dos Catadores do Aterro Metropolitano de Jardim Gramacho, Duque de Caxias-RJ). Indicado ao Oscar, o filme fez bela carreira. A história é incrível, a qualidade humana dos personagens -reais, de carne e osso e como eles próprios-, é admirável. Discutíamos em aula várias questões relativas à saúde e sociedade e aos empreendimentos econômicos solidários. As cenas finais do documentário mostram o presidente da Acamjg, Tião Santos, liderança importante da comunidade e que foi à Inglaterra leiloar o trabalho artístico do grupo. Lá nos idos de 2011, seus companheiros acreditavam que TIÃO PODERIA VIR A SER PRESIDENTE DO BRASIL (a figura ilustra o filme, para quem não viu). E vocês sabem por que eles acreditavam nisso, não?! Exatamente: porque um nordestino boia-fria, operário que foi mutilado na indústria automobilística, conseguiu a façanha um dia. E é justamente essa esperança que estão encarcerando junto com o Lula. É isso que as “elites” corruptas e execráveis no Brasil, com seus eternos interesses escusos, ódio de classe e vilania profunda, não podem admitir. Não podem aceitar que o povo simples brasileiro sonhe com essa possibilidade, como algo concreto. É preciso matar esse sonho. Enxovalhá-lo e matá-lo simbolicamente (se conseguirem matar concretamente, não hesitarão), arrancar a possibilidade desse sonho florescer.
 
Há quem use o argumento do “foro privilegiado” para justificar a perseguição a Lula. Não se trataria de perseguição, os outros não vão presos porque o têm. Ora, que não sejam cínicos, ou vou ter de achar feio o que não é espelho pois não atende ao critério de dignidade básica… Aécio já foi a julgamento no STF e sua cara foi livrada, mesmo com gravação contra ele autenticada e tudo. Voltou ao senado, numa palhaçada homérica. Sacrificam uns bois de piranha de vez em quando, para disfarçar; tipo o Cunha (e sempre depois que fazem o serviço sujo, aí os “milhões de Cunhas” do MBL desaparecem das ruas, assobiando e olhando para cima!). Ou o idoso Maluf, que viveu seus 87 anos sem ser incomodado pela polícia, eternamente listado na página da Interpol como “procurado”, mas que agora é espetacularmente preso apenas para simular alguma simetria e “preparar” a prisão de Lula, ainda tentando criar simetria entre elas. Bobagem, gentes, só os idiotas natos ou consentidos caem nessa.
 
Jean Wyllys disse em alto e bom som, dando nome aos bois, sobre quem hoje protagoniza a farsa: “Moro, o TRF4, o STF, as organizações Globo, os plutocratas e cleptocratas do mercado financeiro e do PSDB e a parte fascista, ignorante e invejosa da classe média que quer continuar tratando empregada doméstica e motorista como escravo e o Nordeste do país como seu balneário! ” Diz Boaventura de Sousa Santos que “o princípio da independência dos tribunais constitui um dos princípios básicos do constitucionalismo moderno, como garantia do direito dos cidadãos a uma justiça livre de pressões e de interferências, quer do poder político quer de poderes fácticos, nacionais ou internacionais”[8].
 
Juremir Machado da Silva acusou, lembrando Zola[9]: “Cento e vinte anos depois do grito de Emile Zola, eu acuso o juiz Sérgio Moro de encarniçamento contra Lula em nome de um projeto de brilho pessoal. Eu acuso Moro de querer aparecer e de forçar instituições a partir de uma visão ideológica seletiva. Eu o acuso de, contrariando o princípio de distanciamento do julgador, ter formado equipe com o Ministério Público e a Polícia Federal, apoiado por parte da mídia, para desequilibrar o jogo político brasileiro. Eu acuso o judiciário, numa das suas diversas ramificações, de parcialidade, subjetivismo e tendenciosidade, tendo, como prova dessa seletividade, deixado até hoje livre, sem ter mais foro privilegiado, por fatos ocorridos há 20 anos, condenado em segunda instância, no conveniente aguardo de demorado julgamento de embargos, o tucano Eduardo Azeredo, pai dos mensalões e ex-governador de Minas Gerais. Só no próximo dia 24 de abril, pressionado pelos acontecimentos atuais, acontecerá o julgamento do recurso de Azeredo. Será preso ou esperará em liberdade o exame dos embargos dos embargos que deverá interpor? Eu acuso o Supremo Tribunal Federal de ter descumprido clamorosamente a Constituição Federal, que prevê no inciso XVII do seu artigo 5º a culpabilidade só depois do trânsito em julgado. Eu acuso o judiciário de condenar sem provas, com base em construções claudicantes como a “teoria do domínio do fato” e a teoria da cegueira deliberada, em nome de um punitivismo messiânico. Eu acuso o messiânico procurador Deltan Dallagnol de confundir ilações com fatos e de comportar-se como um “iluminado salvador de consciências” [E eu Marilia acrescento: de misturar Estado e religião, coisa típica da idade média! ]. Eu acuso o Senado de manter Aécio Neves nos seus quadros apesar da fartura de provas contra ele, que, além de tudo, quebrou de todas as formas o decoro. Eu o acuso o STF de dois pesos e duas medidas, tendo afastado Eduardo Cunha do cargo só depois de ele ter convenientemente conduzido o impeachment da presidente Dilma Rousseff, e não ter sustentado a mesma posição em relação a Renan Calheiros e Aécio Neves. Eu acuso o STF de permitir a prisão de um homem a partir de provas sobre as quais pairam dúvidas e de manter como senador um homem sobre o qual pesam provas robustas. Eu acuso o STF de ambiguidade, hipocrisia, conveniência e seletividade ideológica. Se podia afastar Eduardo Cunha, sem autorização parlamentar, podia fazer e manter o mesmo quanto a Aécio. Eu acuso a ministra Carmen Lúcia, presidente do STF, de ter se acovardado no caso de Calheiros, soltado Aécio e atropelado a ordem jurídica para apressar a prisão de Lula. Eu acuso todas as instâncias de jamais terem querido levar adiante investigações sobre as denúncias de compra da emenda constitucional que permitiu a reeleição de Fernando Henrique Cardoso. Eu acuso o STF de deixar convenientemente prescrever ações contra Romero Jucá e outros que tais. Eu acuso Michel Temer de ter usado emendas parlamentares para cabalar votos capazes de mantê-lo no poder. Eu acuso o TRF-4 de celeridade ideológica, tendo apressado o julgamento de Lula e a autorização em tempo recorde da sua prisão não por virtude, mas por paixão e ideologia. Eu acuso parte da sociedade brasileira de fomentar o ódio ideológico [E eu, Marilia, acrescento: compartilhar fakes e hoax por WhatsApp é fomentar ódio ideológico baseado em mentiras! Acuso várias pessoas do meu conhecimento desse ato indigno]. Eu acuso especialistas de dissimularem suas preferências ideológicas como discursos de autoridade, vomitando subjetividade com palavrório enganoso. Eu acuso parte do Brasil de promover uma vingança contra o intruso, o “quatro dedos”, o retirante, o “analfabeto”, o operário que governou, em muitos aspectos, melhor que os bacharéis, tendo produzido, apesar da limitação dos seus feitos, das contradições, dos delitos no seu entorno, um dos melhores, ou menos piores, períodos para a parte menos aquinhoada deste país de canibais. Eu acuso as instituições do dispositivo policial-judicial de consagrarem um novo ditado: mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um grande tucano ser preso. Logo haverá uma exceção para confirmar a regra. Eu acuso parte da mídia, sempre tão falsamente sensata, de querer tirar de Lula até o direito de se sentir injustiçado. Eu acuso os paneleiros de seletividade ideológica e indiferença à corrupção. ”
 
Achei tão brilhante a acusação do Juremir que tive de reproduzir aqui! O texto está público e referencio a fonte. Ataco, agora para terminar mesmo, de Emile Zola e também me uno ao grito de Juremir: EU ACUSO TODOS ELES! Mas saibam, seus sabujos: nós jamais deixaremos de lutar por justiça, igualdade na diferença, solidariedade e paz social com voz para [email protected] Isso vocês jamais vão conseguir. Não iremos nunca nos igualar a vocês, aos medíocres, à escória que acha que dinheiro e poder são o mais importante da vida, não importa se obtidos às custas da miséria do povo. Queremos mais é ver MARIELLES E TIÕES NA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA e haveremos de conseguir, nem que demore décadas ou séculos! Podemos morrer, ou sermos encarcerados, mas isso não termina a luta; com o líder aymara Túpac Katari, afirmamos: “A mi solo me matan, pero volveré y seré millones! ”
REFERÊNCIAS
[1] http://www.mariellefranco.com.br/luzes
[2] http://www.bibliaonline.com.br/acf/lc/24 (Texto bíblico do qual ele retira o trecho).
[3] http://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2017-12/brasil-e-um-dos-pa%C3%ADses-mais-perigosos-para-ativistas-diz-Anistia-Internacional
[4] http://observareabsorver.blogspot.com.br/
[5] http://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=1742378152514007&id=100002255189111
[6] http://www.nexojornal.com.br/expresso/2017/07/23/Como-o-Brasil-saiu-do-Mapa-da-Fome.-E-por-que-ele-pode-voltar
[7] http://www.youtube.com/watch?v=COpmp8PizBc
[8] Fonte do texto de Boaventura: http://www.publico.pt/2018/04/09/mundo/opiniao/lula-da-silva-os-tribunais-o-condenam-a-historia-o-absolvera-1809552
[9] Fonte da publicação do jornalista Juremir Machado da Silva: http://www.facebook.com/juremir.machadodasilva/posts/2268560726504038

Deixe uma resposta