Os 15 anos do bar Parangolé na cena cultural gaúcha

Claudio Freitas. Foto: Sofia Cortese/ Divulgação

O bar Parangolé completa 15 anos de história na próxima terça-feira (9), com foco no serviço de tele-entrega devido à pandemia de Covid-19. Ao longo dessa jornada, o bar promoveu e produziu centenas de eventos musicais, além de abrir as portas para apoiar artistas estreantes e consagrados da música e de linguagens como poesia, fotografia e dança.

“Muitas pessoas nos contam que consideram o Parangolé sua segunda casa. A gente se sente muito feliz por ter conseguido caminhar durante 15 anos, conquistando tanta simpatia de tanta gente boa”, comemora Cláudio Freitas, músico e proprietário do bar, que está sempre no balcão conversando com os amigos e clientes.

Apesar da celebração, o momento é de cautela devido à pandemia. “Para este ano, estou muito preocupado com a situação da pandemia, o bar não está economicamente bem. Mas espero resistir para que no outro ano, quem sabe, as coisas melhorem”, diz Cláudio.

O proprietário Cláudio Freita em frente do bar . Foto: Ana Laura Freitas / Divulgação

Nomeado a partir da obra homônima de Hélio Oiticica, o Parangolé tem raízes na vida cultural de Porto Alegre. Um exemplo é a Roda de Choro semanal, que ocorre desde 2006 e que faz parte da formação de uma geração de músicos hoje atuantes no cenário nacional, tornando-se ponto de encontro para artistas do gênero, como Elias Barbosa, Mathias Pinto, Luis Machado e Matheus Kleber.  Quando em visita a Porto Alegre, artistas como Yamandú Costa, Borghetinho, Hamilton de Holanda, Bebê Kermer, Luiz Barcellos, Samuca do Acordeon, Rafael Ferrari, Pedro Franco, Luiz Carlos Borges também estiveram no bar.

Entre os shows que a casa costuma oferecer diariamente, constam artistas de diversos estilos musicais, desde a música popular, erudita, instrumental, nativista, entre outros gêneros.  O Parangolé também já abrigou apresentações semanais do Prof. Darcy Alves, entre 2007 e 2013, e acabou se transformando na segunda casa desse artista que foi um ícone da música e boemia porto-alegrense. Outra artista que animou as noites musicais do estabelecimento foi a cantora uruguaia (naturalizada brasileira) Nina Moreno, excelente intérprete de tangos, boleros e demais gêneros latino-americanos.

Artes como dança e literatura também têm espaço na agenda do bar. Durante anos, o Parangolé foi palco do projeto Noches Flamencas, da Cia de Flamenco Del Puerto. Mais recentemente na história da casa, desde 2017 sedia o Projeto Leitura em Voz Alta, coordenado pela professora Luiza Milano (UFRGS), evento gratuito e aberto ao público em geral.

A casa abrigou também duas edições do Sarau Única Negra, que reúne mulheres artistas negras de Porto Alegre, com participações de Gabriela Vilanova (OSPA), Silvia Duarte, Andrea Cavalheiro, Glau Barros, Raquel Leão, Negra Jaque, Celina Alcântara, entre outras. Ainda na área musical, promoveu o Projeto Desconcerto entre 2015 e 2019, oportunizando a performance e a escuta da música clássica no ambiente informal de um bar. O Projeto Palco Parangolé, coordenado pela bailarina Paula Finn, experimentando as artes cênicas no bar, foi outro evento cultural marcante para a história do bar.

Frequentemente, a casa disponibiliza o espaço para escritores e artistas, para lançamento de livros, CDs e exposição de obras de arte. Nos últimos anos, o Parangolé apoiou eventos culturais como o Porto Alegre em Cena, Festival Internacional da UFRGS, além do lançamento da Revista de Cinema “Zinematógrafo”, cujo projeto teve início no local.

 

Um comentário em “Os 15 anos do bar Parangolé na cena cultural gaúcha”

Deixe uma resposta