Autores negros, virtualmente, no Festival de Literatura Fósforo,

A Secretaria Municipal da Cultura, em parceria com a Livraria Baleia,  promove o Festival de Literatura Fósforo, com eventos em alusão ao Mês da Consciência Negra. Os encontros virtuais ocorrem de24 de novembro a 4 de dezembro e podem ser acompanhados pelocanal da Coordenação de Artes Cênicas no YouTube(link https://bit.ly/CACyt).

Os encontros serão organizados em dois blocos, tomando emprestada a dinâmica das apresentações de teatro online. No primeiro momento, os convidados apresentam uma obra ou auto que tenha sido determinante em sua formação como escritor e que seja capaz de invocar sua própria obra. No segundo bloco, a plateia presente na sala poderá fazer perguntas e comentários utilizando áudio e vídeo.

A proposta é que cada um dos convidados apresente ao público um livro que tenha sido representativo e importante em sua formação como escritor. Com isso, o público terá a oportunidade de conhecer em detalhe os universos literários de Cidinha da Silva, Eliana Alves Cruz, Fernanda Bastos, Itamar Vieira Júnior, José Falero, Luciany Aparecida, Luna Vitrolira e Luiz Maurício Azevedo.

PROGRAMAÇÃO

24/11 (terça-feira) às 19h (link para entrar na sala – https://us02web.zoom.us/j/88032205486)
Fernanda Bastos e Luna Vitrolira

27/11 (sexta-feira) às 19h
Luciany Aparecida e Luiz Maurício Azevedo

1/12 (terça-feira) às 19h
Itamar Vieira Junior e José Falero

4/12 (sexta-feira) às 19h
Cidinha da Silva e Eliana Alves Cruz

Autores e autoras convidadas

– Cidinha da Silva é poeta, ficcionista e crítica literária, autora de mais de uma dezena de livros, entre eles Um exu em Nova York e O homem azul do deserto.

– Eliana Alves Cruz é jornalista e escritora, autora dos livros Água de barrela, O crime do Cais do Valongo e Nada digo de ti que em ti não veja.

– Fernanda Bastos é jornalista, poeta e editora, autora dos livros Dessa cor e Eu vou piorar.

– Itamar Vieira Júnior é escritor, autor de Torto arado e A oração do carrasco.

– José Falero é escritor, cronista da revista Parêntese, autor dos livros Vila Sapo e Os supridores.

– Luciany Aparecida é professora e escritora, autora dos livros Contos ordinários de melancolia e Florim (em pré-venda), entre outros.

– Luna Vitrolira é professora e poeta, autora de Aquenda: o amor às vezes é isso.

– Luiz Maurício Azevedo é escritor, professor e crítico literário, autor dos livros A manipulação das ostras, Pequeno espólio do mal, Boca de conflito, Por uma literatura menos ordinária, entre outros.

“A música é o alimento certo de todos nós”, Shakespeare em “Antônio e Cleópatra”

 

A coleção de 20 volumes com obras de William Shakespeare apresentada pelo psicanalista, escritor e intelectual Luiz-Olyntho Telles da Silva. Hoje, o 15º volume.

A coleção Shakespeare da Editora Movimento – 15

ANTÔNIO E CLEÓPATRA

p/William Shakespeare

Tradução interlinear, introdução e notas de Elvio Funck

Porto Alegre, Editora Movimento, 2017, 272p.

Em coedição com a UDINISC, Santa Cruz do Sul, RS.

A trilogia romana de Shakespeare abrange CoriolanoJúlio César e Antônio e Cleópatra. Em Coriolano temos o fim da monarquia romana e o início da república, quinhentos anos antes de Cristo. A monarquia cai depois que Lucrécia, esposa de um nobre romano, é violentada pelo filho de Tarquínio o Soberbo, sétimo rei de Roma. A república romana dura quinhentos anos e entra em agonia com Júlio César que, supostamente, aspirava a ser rei e é assassinado, em 44 a.C. Em Antônio e Cleópatra, a paixão desenfreada do triúnviro Antônio por Cleópatra, rainha do Egito, está na raiz da queda da república e, com César Augusto, dá-se início ao governo forte dos imperadores romanos que encabeçaram o império até sua queda, em 476 d.C.”

Ato II, cena 5 – Cleópatra:

Quero ouvir música; a música é o alimento certo

de todos nós, que nos engajamos nas artes do amor.

 

 

 

Conversa online sobre literatura indígena com Telma Pacheco Tremembé

A rede de bibliotecas comunitárias Beabah! promove na quarta-feira (25) a aula pública “Literatura Indígena: como chegar ao leitor?”, com a presença da escritora e artesã Telma Pacheco Tremembé. A conversa é gratuita e ocorre no instagram da rede (@beabah.rs) às 19h.

Autora do livro “Raízes do meu ser: meu passado presente indígena”, Telma irá trazer suas narrativas e vivências enquanto escritora mulher e indígena. Quando falamos em “Literatura Como Um Direito Humano”, estamos falando de muitas literaturas, culturas e vozes, criadas não só em língua portuguesa, mas também em língua nativa, tais como os textos da Literatura Indígena.

A rede de bibliotecas comunitárias Beabah! existe há 12 anos, com o objetivo de descentralizar a cultura e democratizar o acesso ao livro e à leitura. Atualmente, 10 bibliotecas comunitárias integram o coletivo, espalhadas por 4 cidades da Região Metropolitana de Porto Alegre. Só em 2019, foi realizado o empréstimo de 6.990 livros e alcançado o número de 9.258 nas periferias das cidades que a Beabah! atua.

Sobre a convidada

Telma Pacheco Tremembé, indígena da etnia Tremembé do Ceará, escritora, artesã, contadora de histórias, mediadora de leitura pela Universidade aberta Demócrito Rocha, militante da causa indígena e da natureza.

Live “Literatura Indígena: como chegar ao leitor?”

Quando: 25 de novembro, às 19h

Onde: Instagram da rede Beabah! (@beabah.rs)

A pintura de Gheno, em criações inéditas, e em obras clássicas, na Bublitz Galeria

A Bublitz Galeria de Arte foi a primeira do Brasil a lançar uma galeria virtual interativa. Agora, a Bublitz também será a pioneira em levar uma exposição de arte para a casa dos visitantes, em uma parceria com o aplicativo Mobart. A novidade será lançada no dia 21 de novembro, sábado, com a inauguração presencial e virtual da exposição Arabescos, do artista plástico Vitório Gheno, um dos grandes nomes da arte contemporânea do País, em criações inéditas, produzidas durante a pandemia, e em obras clássicas de sua trajetória de mais de 70 anos de arte.

Técnica mista, óleo acrílico sobre tela. Série Arabescos.
Fotografia : Daniel-Martins/ Divulgação

São múltiplas possibilidades para visitar a exposição ou levar as obras de Gheno digitalmente para casa. A galeria virtual poderá ser acessada a partir do link: https://virtual.galeriabublitz.com.br/. Para colocar os quadros de Gheno na sua casa, em tamanho natural, basta baixar o aplicativo Mobart disponível na Apple Store. Acesse o vídeo com o tutorial em https://youtu.be/CTib5kjL2Jo e veja como funciona. Por enquanto, a experiência estará disponível apenas para Iphones e Ipads, mas, ainda no primeiro trimestre de 2021, a visita em realidade aumentada poderá ser conferida pelo sistema Android. Para quem estiver em Porto Alegre, existe ainda a opção de visita presencial à Bublitz Galeria de Arte, localizada na Av. Neusa Goulart Brizola, 143, no Bairro Rio Branco. A exposição vai até o dia 21 de dezembro.

Vitório Gheno e a série Arabescos. Foto: Nádia Raupp Meuci/Divulgação

A Mobart é uma startup que tem a sua origem na pesquisa de doutorado em Artes Visuais da art dealer Andrea Capssa na Universidade Federal de Santa Maria. Atualmente, a Mobart é incubada na Pulsar/AGITTEC e acelerada pela USP com apoio da Samsung. O objetivo é propor soluções e novas dinâmicas para os agentes do mercado da arte. A parceria com a Bublitz é resultado de uma proposta de unir arte e inovação.

A novidade abre espaço para a arte reconhecida de Vitório Gheno, em uma vitrine de janelas e possibilidades que se multiplicam. A exposição Arabescos apresenta 16 obras do artista, em duas séries, Arabescos, com criações inéditas desenvolvidas durante o período de pandemia, e Cidades Paralelas e Métropole, com obras clássicas da trajetória de Gheno. A exposição conta com a curadoria da produtora cultural, fotógrafa, editora e bibliotecária documentalista Nádia Raupp Meuci. Gheno é um dos principais artistas da Bublitz Galeria de Arte e suas obras já estiverem presentes em duas exposições individuais e quatro coletivas no espaço.

Técnica óleo sobre tela. Série Metrópole. Fotografia:Daniel Martins/ Divulgação

Obra da Série Metrópole 2020, de Vitório Gheno
Daniel Martins

Os Arabescos Gheno

Vitório Gheno é um autêntico. É assim que ele se auto define. “Ao longo dos últimos 25 anos acompanhei o artista, realizando a curadoria de sua obra. Um dos resultados deste trabalho dedicado e continuado, foi a pesquisa, produção e publicação do único livro de arte publicado no Brasil sobre o artista – Gheno Artista Plástico – lançado em outubro de 2006 no MARGS, com repercussão jamais vista no Museu em lançamento de livro com exposição retrospectiva de 6 décadas de arte, na época”, relata a curadora. Agora, já são mais de 7 décadas de arte. De lá para cá, Gheno nunca parou de criar e pintar, como faz desde sua adolescência quando iniciou sua carreira artística na Seção de Desenho da Livraria do Globo, chefiada por Ernst Zeuner, alemão graduado em Artes Gráficas na Alemanha e radicado em Porto Alegre.

Portanto, uma vasta e diversificada gama de novas séries e temas foi criada por ele. Gheno tem obras em vários países da Europa e nos Estados Unidos, recentemente em Miami. Dono de um talento, criatividade, traço e leveza invejáveis, sua marca registrada é a versatilidade, posto que atuou nas mais diversas áreas da arte brasileira, como aquarelista, gravador, ilustrador, publicitário, jornalista, designer de mobiliário, designer de interiores, artista plástico. Não há o que Gheno não crie e pinte. Em uma única obra sua podemos contemplar outros “novos quadros” inseridos nos diversos detalhes que descobrimos todos os dias ao contemplá-la novamente. Portanto, suas obras nos surpreendem diariamente: ele consegue pintar vários quadros ao mesmo tempo, dentro de uma única tela.

ARABESCOS é a mais recente e inédita série de Gheno, cuja pesquisa iniciou em 2017, em seus próprios desenhos espalhados por agendas telefônicas: trata-se de um hábito inconsciente que o artista sempre teve, isto é, ficar desenhando nas agendas enquanto fala ao telefone. Um dia, revendo agendas para procurar contatos antigos, deu-se conta de tantos desenhos que nem ele mesmo lembrava. Os desenhos pareciam arabescos e eram recorrentes. Recortou tudo, em agendas que ainda tinha, e começou a pesquisar. Nascia uma nova inquietação. Alguns quadros pequenos desta série nova, foram ainda pintados em 2017, e foram adquiridos por um grande colecionador de Porto Alegre que tem o hábito de adquirir obras novas do Gheno, mesmo sem vê-las. É o colecionador que possui muitas obras de diversas séries pintadas pelo artista nas últimas duas décadas e meia. Em 2018 e 2019, Gheno continuou pesquisando para sua série nova em horas vagas de outros trabalhos.

SERVIÇO:

Exposição “Arabescos”

Artista: Vitório Gheno

Período: 21 de novembro a 21 de dezembro

Bublitz Galeria Virtual de Arte: virtual.galeriabublitz.com.br

Aplicativo: Mobart

Endereço: Av. Neusa Goulart Brizola, 143 – Porto Alegre – RS
De segunda a sexta, das 10h às 18h

Aos sábados, das 10h às 13h

 A arte de 63 artistas visuais e do acervo da Galeria Duque, em duas exposições.

A alteração da vida pela pandemia é o tema da mostra Instantes no Tempo, que tem abertura neste sábado (21/11), das 11 às 17h, na Galeria Duque. Com curadoria de Ana Zavadil, reúne 63 artistas, a grande maioria mulheres. Paralelamente, com curadoria de Daisy Viola, a Duque comemora oito anos de existência apresentando novidades no acervo, como trabalhos de Iberê Camargo representativos das etapas do processo criativo e linguagens do gaúcho e também pinturas de outros mestres nacionais. As exposições ficam em cartaz até 13 de março de 2021. Será permitida a entrada de dez pessoas por vez na galeria.

Obra de Susan Mendes. Foto: Ana Zavadil/ Divulgação

Ana Zavadil diz que concebeu a exposição para que os artistas convidados pudessem “extrapolar o seu universo interno e dar ao outro o seu tempo de confinamento transformado em arte”. Conforme ela, “o tema tempo é vivido em toda a sua potencialidade e em solidão, envolto em sentimentos impalpáveis, transformado em pinturas, desenhos, objetos, esculturas, gravuras, vídeos, fotografias, livros de artista, cerâmicas, etc. O tempo dentro da arte modifica sentimentos, transborda angústias, sai finalmente do isolamento para conversar com outros e novos tempos”, explica.

Tela do artista e paisagista Burle Marx. Foto: Carlos Souza/Divulgação

Já Daisy Viola ressalta que fez uma seleção especial de obras de diversas linguagens de alguns dos mais importantes artistas do acervo, como Portinari, Di Cavalcanti, Burle Marx, Siron Franco, Volpi e Juarez Machado, além de Iberê e outros mestres. “A galeria oferece à cidade a possibilidade de ver obras de artistas fundamentais na história da arte dos séculos XX e XXI”.

ARTISTAS DA EXPOSIÇÃO “INSTANTE NO TEMPO”:

Alexandra Eckert, Ana Rocha, Anete Schroder, Arminda Lopes, Beatriz Dagnese, Carmela Slavutzky, Caroline Varta, Celma Paese, Clara Figueira, Clara Koppe, Cristina Luviza Battiston, Dani Remião, Denise Giacomoni, Denise Wichmann, Edson Possamai, Emília Gontow, Esther Bianco, Felipe Ferla da Costa, France Amaral, Francine Tavares, Fredy Vieira, Graça Craidy, Heloísa Biasuz, Isa Dóris Teixeira de Macedo, Jonas Ramos, Juliana Feyh, Juliana Schenckel, Karen Bastos, Karla Lipp, Katia Weremzuc, Kelly Wendt, Kika Costa, Lisi Wendel, Lissandro Stallivieri, Leonardo Loureiro, Lucca Curtolo, Lucy Copstein, Mara Galvani, Maria Cristina, Maril Rodrigues, Marina Ramos, Mery Bavia, Milene Gensas, Myra Gonçalves, Nadiamara Paim, Natalia Bianchi, Odilza Michelon, Priscila Sabka Thomassen, Rachel Fontoura, Regene Rocha, Ricardo Giuliani, Rosali Plentz, Rosirene Mayer, Sandra Kravetz, Sérgio Barcellos, Simone Bernardi, Sonia Loren, Soraya Girotto, Susan Mendes, Teresa Poleto, Verlu Macke, Wanderley Oliveira e Wischral.

Foto de Fredy Vieira. Divulgação

SERVIÇO

O quê: exposições Instantes no Tempo, curadoria Ana Zavadil; e Trajetória e Arte, curadoria de Daisy Viola

Onde: Galeria Espaço Cultural Duque

Quando: abertura: 21/11 das 11h às 17h (permitida a entrada de 10 pessoas por vez na galeria)

Visitação: De 21/11 a 13/03 de 2021

Endereço: Rua Duque de Caxias, 649 – Centro Histórico – Porto Alegre

Horário de visitação: segunda a sexta das 10h30 às 18h30 e sábados das 10h30 às 17h

Agendamento de visitas: (51) 98354-1022

AfroEntes é destaque na programação musical do final de semana

Na Semana da Consciência Negra, nas datas de Zumbi dos Palmares, a música do AfroEntes é destaque em dois eventos de relevância na Capital gaúcha. Nesta sexta-feira, 20 de novembro, às 20h, a banda esquenta a programação do  Festival da Música Negra Zilah Machado, promovido pela  Coordenação de Música da Prefeitura  de Porto Alegre, em comemoração ao Dia da Consciência Negra. A transmissão do show será pelo Facebook da Coordenação de Música: https://www.facebook.com/coordmusica/. No sábado, dia 21 de novembro, às 21h, o AfroEntes estará na Virada Sustentável, com sua musicalidade que reforça a causa do combate ao racismo. A  transmissão será pelo link: https://www.viradasustentavel.org.br/negritude-na-virada

Com temas dançantes, reflexivos e afirmativos e um repertório composto, basicamente, por canções autorais, o AfroEntes mescla a tradição de matriz africana com a sonoridade contemporânea. É formado por Nina Fola (voz e percussão), Nilson Tòkunbò (baixo, cavaquinho, vocais) e Eduardo Pacheco (percussão).

Um dos propósitos do AfroEntes é contribuir para a visibilidade da representação negra no cenário cultural gaúcho. Para tanto, busca elementos da presença afro, onde ela se encontra. São metas individuais e coletivas do AfroEntes a afirmação da positividade do legado do povo negro e a sua real importância na construção cultural e artística gaúcha, brasileira e mundial.

Sobre a banda

A banda AfroEntes surgiu em 2015 em Porto Alegre/RS, resgatando um trabalho iniciado no ano de 2000, com a proposta de tocar a música negra em seus variados estilos, com referência na cultura afro-gaúcha. Em sua primeira formação contava com Nina Fola, Nilson Tòkunbò  e Vladimir Rodrigues, que saiu do grupo no final de 2019. Atualmente, integra a formação o percussionista Eduardo Pacheco.

O trabalho do grupo tem fundamento nos ritmos populares, urbanos e rurais, profanos e religiosos, como o suingue, samba, samba de roda, reggae, ijexá, congadas, alujás, salsa, entre outros, e em composições próprias ou de autores que estão por aí e também dos que já se foram, para que sejam reverenciados e vivenciados.

O AfroEntes marcou presença em vários espaços culturais de Porto Alegre, como o Ponto de Cultura Africanamente, Sopapo Poético, AfroSul-Odomodê, Fórum Social Temático, Semana da Consciência Negra no Largo Zumbi dos Palmares, e também em bares, feiras, terreiros e escolas.

Em setembro de 2016, a banda apresentou o show Fortaleça seu axé, na Sala Álvaro Moreyra, em Porto Alegre, o primeiro em uma sala teatral, com repertório totalmente autoral, que contagiou o público presente. Em novembro de 2016, fez o show de encerramento da Virada Cultural de Pelotas/RS, um dos maiores eventos artísticos do sul do Estado. Em julho de 2017, realizou show no Teatro Bruno Kiefer da Casa de Cultura Mario Quintana e em julho do mesmo ano lançou seu primeiro EP no Teatro Renascença, além de ter realizado shows no Sintrajufe e no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo. Em 14 de novembro de 2018, participou do projeto Som do Salão, no Salão de Atos da Reitoria da Ufrgs.

Mais informações sobre o grupo, acesse:

Facebook: https://www.facebook.com/afroentes/

https://www.youtube.com/watch?v=cUMPBaN-dYk

https://www.youtube.com/watch?v=2IDw6us5uNU

https://www.youtube.com/watch?v=m0NdhpNqrjg 

SERVIÇO:

– Afroentes na sexta-feira, 20/11, às 20h, no Festival da Música Negra Zilah Machado.

Transmissão pelo link: https://www.facebook.com/coordmusica/

– AfroEntes no sábado, 21/11, às 21h no Virada Sustentável.

Transmissão pelo link: https://www.viradasustentavel.org.br/negritude-na-virada

Outras informações:

Duração do show: 30 min

Classificação Etária: livre

Realização: AfroEntes

OSPA Live chega à 30ª edição com repertório barroco para duo, trio e quarteto

A Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (OSPA) chega à 30ª edição do OSPA Live com aprendizados, adequações e conquistas, de forma online, em meio a um cenário pandêmico. Para celebrar a ininterrupção no ano em que completa 70 anos, neste sábado (21), às 17h, músicos da Orquestra e convidada atravessam a história da música e apresentam um programa com peças de câmara do período Barroco e Clássico. A apresentação inicia com o duo formado por Érico Marques (oboé) e Nayane Nogueira (piano), que executa Lascia Ch’io Pianga, do alemão Georg Friedrich Händel (1685-1759), e Concerto para Oboé, de Arcangelo Corelli (1653-1713).

O grupo composto por Brigitta Calonni (violino), Érico Marques (oboé), Ange Paola Bazzani (fagote) e Tácio César Vieira (violoncelo) interpreta Trio Sonata nº 3, de Jan Dismas Zelenka (1679-1745). Para o desfecho, Gabriel Polycarpo (viola) junta-se à violinista, ao oboísta e ao violoncelista com Quarteto Op. 7, nº 6, do compositor clássico Johann Baptist Vanhal (1739-1813). O espetáculo é transmitido ao vivo, pelo canal do YouTube da orquestra, diretamente da Casa da OSPA. A direção artística é do maestro Evandro Matté.

Sobre o OSPA Live

Projeto online da Orquestra, O OSPA Live busca conciliar isolamento social com cultura durante a pandemia do novo coronavírus. Aos sábados, às 17h, músicos da orquestra e/ou convidados realizam apresentações, em grupos reduzidos, diretamente da Sala Sinfônica, na Casa da OSPA. As exibições são transmitidas ao vivo, através do canal do YouTube da Orquestra e pela plataforma #CulturaEmCasa, sem a presença física do público. Com direção artística de Evandro Matté, os eventos seguem criteriosamente todas as medidas de prevenção contra a Covid-19 adotadas pelo Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

Sobre a OSPA

A OSPA é uma das fundações vinculadas à Secretaria de Estado da Cultura (Sedac). Os concertos da Temporada 2020 são patrocinados, via Lei Federal de Incentivo à Cultura, por Banrisul, Alibem e Fraport Brasil. Os apoiadores da Temporada Artística são Sulgás e Sheraton Porto Alegre Hotel. A realização é da Fundação OSPA e Fundação Cultural Pablo Komlós.

OSPA LIVE

Quando: 21 de novembro de 2020, às 17h

Onde: Ao vivo, pelo canal do YouTube da OSPA, e pela plataforma #CulturaEmCasa

Acesso em bit.ly/ospalive30

Programa:

Georg Friedrich Händel (1685-1759)

Lascia Ch’io Pianga

Arcangelo Corelli (1653-1713)

Concerto para Oboé

I. Prelúdio

II. Allemanda

IV. Gavotta

V. Giga

Érico Marques (oboé) e Nayane Nogueira (piano)

&

Jan Dismas Zelenka (1679-1745)

Trio Sonata nº 3

I. Adagio

II. Allegro

III. Largo

IV. Tempo Giusto (Allegro)

Brigitta Calonni (violino), Érico Marques (oboé), Ange Paola Bazzani (fagote) e Tácio César Vieira (violoncelo)

& Johann Baptist Vanhal (1739-1813)

Quarteto Op. 7, nº 6

I. Allegro

II. Adagio

III. Minueto

IV. Presto

Brigitta Calonni (violino), Érico Marques (oboé), Gabriel Polycarpo (viola) e Tácio César Vieira  (violoncelo)

No olhar de 21 fotógrafos, as fábricas do 4º Distrito de Porto Alegre

Pagamentos da Lei Aldir Blanc suspensos por indícios de fraude

Na véspera de iniciar o pagamento do auxílio emergencial da Lei Aldir Blanc, para trabalhadores do setor cultural, a Secretaria da Cultura do RS foi informada de “inconsistências no cruzamento de dados feito pelo Dataprev”.

A informação foi transmitida pelo Ministério do Turismo e pela Secretaria Especial da Cultura na segunda-feira.

Segundo nota pouco esclarecedora emitida pela Sedac, os pagamentos que iniciariam nesta terça-feira, 17, foram suspensos até que sejam retirados da lista os nomes indeferidos.

Eis a nota da secretaria estadual:

Na segunda-feira (16/11), a Secretaria de Estado da Cultura (Sedac) foi informada pelo Ministério do Turismo e pela Secretaria Especial da Cultura sobre inconsistências no cruzamento de dados feito pela Dataprev de CPFs que, inicialmente, teriam sido considerados elegíveis ao recebimento do auxílio emergencial da Lei Aldir Blanc, destinado às trabalhadoras e aos trabalhadores da Cultura (inciso I).

A formalização deste fato, com a relação dos nomes agora inelegíveis, chegou à Sedac somente hoje (17/11), quando daríamos início ao pagamento dos agentes culturais validados e homologados. Com isso, está suspenso temporariamente, até que estes nomes sejam retirados da listagem.

Temos consciência de que este equívoco gera transtornos para os trabalhadores e trabalhadoras da Cultura, bem como às Secretarias de Estado da Cultura de todo o país. Estamos empenhados para dar celeridade à solução do problema.

Secretaria de Estado da Cultura

.

 

João Maldonado Trio e Bíbi Jazz Band no Butiá, no final de semana.

O projeto Jazz na Beira do O Butiá recebe neste sábado (21) João Maldonado Trio. No domingo (22), é a vez de Bíbi Jazz Band. No repertório, de Maldonado, músicas do álbum BEAUTY, um trabalho autoral do pianista com doze composições jazzísticas carregadas de influências de New Orleans, be bop, blues, jazz europeu e hard bop, considerado mainstream do jazz moderno.

A lembrança é nítida: John Coltraine, Chick Corea, Keith Jarrett, Familia Marsalis, John Cristensen, Eberhard Weber, J. Garbarek e Egberto Gismonti, bem como os quintetos mais tradicionais de Miles Davis e Wayne Shorter. Acompanham João Maldonado o baterista Cesar Audi (bateria) e o baixista Everson Vargas.

Bibiana Dulce. Foto: Leticia Bussatto/ Divulgação

No domingo (22), a Bíbi Jazz Band resgata a linguagem do jazz canção com um repertório composto não somente por nomes já consagrados da cultura norte-americana, mas também de músicas em espanhol, italiano e português.

Formado em 2016, o grupo ganhou notoriedade na cena musical gaúcha participando de diversos festivais pelo Brasil, como: “Jazz Porto”(PE),”Wine And Jazz Festival”(SC), “Villa Do Jazz”(RS) e “Gramado Jazz & Blues Festival” (RS). Integram o quarteto a cantora Bibiana Dulce (UY), o guitarrista André Viegas (RS), o baterista Mateus Mussatto (RS) e o contrabaixista Rodrigo Arnold (RS).

Os ingressos custam R$ 30,00 e, seguindo os protocolos sanitários, as reservas devem ser feitas pelo site www.obutia.com. A localização e como chegar são informadas por e-mail após a reserva.

SERVIÇO:
Jazz na Beira – O Butiá
Sábado | 21 de novembro: João Maldonado Trio
Hora do show: 17h30

Domingo | 22 de novembro: Bíbi Jazz Band
Hora do show: 17h30

Ingresso: R$ 30 | Crianças até 10 anos não pagam
Consumação mínima: R$ 30
Reservas somente pelo site www.obutia.com
Cão são bem-vindos, desde que em suas guias