Como me tornei uma zebra gorda

Márcio Markendorf*
Como me tornei uma zebra gorda? Bem, não é uma trajetória muito fácil.
Ser um professor universitário do tipo zebra gorda leva algum tempo.
Em média, um animal desta fauna estuda cerca de 4 anos em um curso de graduação, mais 6 anos em cursos de pós-graduação.
Nesse meio tempo, as zebras, para engordarem, pastam pelos campos de luta da subsistência da pesquisa. Elas escrevem artigos, elaboram resenhas, apresentam comunicações, dão palestras, ministram minicursos/oficinas. Muitas vezes de graça, a convite de outros amigos, também zebras, ainda magras, em busca de melhorar o currículo e as listras.
E depois, para alcançar o status de gorda, primeiro a zebra precisa ser aprovada em um concurso, o que não é muito fácil. Pode levar 4 a 5 concursos para isso acontecer. E, ora, verdade seja dita, não tem concurso todo ano, não é o tipo de concurso de beleza. E dentre as escolhas possíveis, a zebra às vezes precisa ir tentar a vida lá no interior (onde só os médicos cubanos foram).
E, depois que a zebra entra em uma universidade pública, tem avaliação contínua de rendimento. Uma zebra gorda, só é gorda, porque precisa assumir “40 horas” de dedicação exclusiva à pesquisa, ao ensino, à extensão, à administração. E vamos colocar entre muitas aspas 40 horas porque toda zebra sabe que isso é conversa para boi dormir: toda zebra, para dar conta de tudo que lhe dão, trabalha muito mais do que 40 horas, sacrificando muitas das vezes seus momentos de lazer, finais de semana, feriados, férias, família. Afinal, a zebra precisa produzir, produzir, produzir… só assim pode, porventura, ganhar uma promoção ou progressão…e ficar “gorda” (o que é um termo bem contraditório para tudo o que uma zebra faz na vida e o que ela sacrifica para ser zebra).
Talvez muitos não saibam, mas para uma zebra apresentar um trabalho em um evento de referência, tipo ABRAZEBRA, é preciso desembolsar um valor relativamente alto. Contando com anuidade, taxa de inscrição, transporte, hospedagem e alimentação….dá um valor bastante expressivo.
Ah, sim, as universidades até podem dar um auxílio financeiro. Uma vez por ano. E veja bem: auxílio (não dos numerosos, vultosos e extravagantes auxílios de políticos, esses sim bem gordos, muito desproporcionais em relação às zebras, razão para que eu afirme que as zebras, perto dos políticos, são tão mirradas que dá até uma dó profunda).
Vamos lembrar que as agências de fomento que avaliam a gordura das zebras exigem padrões muito altos, o que leva até a estafa mental dos animaizinhos.
E por falar em dó e saúde, não exatamente nesta ordem, é digno de nota o sentimento com  o qual as zebras são agraciadas na sociedade.
Dia desses estava no médico veterinário e fui questionado se, por eu ser uma zebra, eu gostava de sofrer. Vejam só: a condição de zebra é vista sob a ótica do sofrimento existencial, algo que serve de gracejo até para os médicos (cujas profissões se devem… às zebras).
Obviamente que não é somente assim que os outros vêem as zebras. Muitas vezes é com hostilidade, como se esses pobres equídeos fossem inimigos terríveis, doutrinadores e comunistas.
Bem, não quero puxar o pasto para meu lado, mas ter um pensamento de esquerda não me torna comunista nem petista (esse é o julgamento de outros equídeos, como os jumentos, animais que, infelizmente, até chegam a presidir um país). Pelo contrário, me torna mais zebrino (ou humano, como queiram).
E, falando nisso, nem todas as zebras são iguais, mas procuramos manter o respeito e a dignidade. Ao menos não ficamos escrevendo merdas ou dando declarações idem como outros equídeos, os asnos. Alguns desses, tristemente, chegam a ser ministros.
*Professor de cinema da UFSC

3 comentários em “Como me tornei uma zebra gorda”

  1. 4 anos mais 6 anos 10 anos. Mais não sei quantos prá não sei o que, digamos 20 anos. Pra ser professor de cinema da UFSC ? Eu diria que este tempo seria muito melhor empregado em profissões que trouxessem algum benefício à sociedade. Medicina, engenharia, física (não educação física), química, farmácia, biologia….. enfim, há tanta coisa mais útil para o ministério da educação investir, tantos cursos bons, melhor que gastar dinheiro público para alguém fazer um filminho que só tua mãe e teu pai vão assistir

    1. Dá uma pesquisada no quanto a indústria do audiovisual – da qual os graduados, professores e pesquisadores em cinema fazem parte – rende em impostos e empregos ao país, e depois vc decide se integra ou não o mesmo grupo de jumentos que estão governando o Brasil. 🙂

  2. Um bolsista de produtividade tem direito a escrever um texto desses… Mas não é caso do autor desse texto, que se acha um super pesquisador. A maioria fica esperando o tempo passar e simplesmente progride sem mérito algum. O serviço público favorece o relapso e pune o bom profissional, que muitas vezes assume o serviço do vadio. Assim é o Circo Brasil e nesse ponto concordo com o nobre ministro.

Deixe uma resposta