A estratégia do Piratini em meio ao tiroteio

O sistema penitenciário é apenas um dos segmentos da segurança pública.
O estado calamitoso do sistema penitenciário gaúcho é uma realidade anti-ga e, por isso, o decreto do governo que o colocou em situação de emer-gência é, simplesmente, pífio. A simples aceleração da construção de casas prisionais – que é pouco viável – exige o recrutamento de um conjunto de profissionais que um simples decreto está longe dimensionar. E este mesmo sistema está na órbita da política da segurança pública que compreende segmentos de igual importância: Brigada Militar, Polícia Civil e IGP (Insti-tuto-Geral de Perícias. Todo esse complexo não deve e não pode ser tratado com remendos, improvisações e arroubos provocados por desabafos de a-prendizes de feiticeiro. O governo, possivelmente por não ter montado um assessoramento sólido, tanto político como técnico, na área da segurança, está evitando, perigosamente, uma discussão direta do problema na qual possa colocar, abertamente, suas carências e, com isso, buscar o máximo de forças para encontrar uma saída em favor da sociedade. Em meio ao tiro-teio, a procrastinação tem sido a técnica do Piratini. Sigam-me.
Tsunami
As entidades classistas das organizações as segurança pública do RS não planejam nenhum movimento até a finalização das eleições municipais. A estratégia é a de evitar qualquer confusão entre as reivindicações dos profissionais da área com a política partidária. Passadas as eleições, o governo deverá enfrentar a formação gradativa de um tsunami que não poderá ser contido com decretos emergenciais.
Mama
Um homem armado com faca assaltou o Instituto da Mama, localizado na rua Ramiro Barcelos, em Porto Alegre. Ele rendeu oito funcionários que foram presos em uma peça. Depois, trocou de roupa e fugiu com pertences das pessoas.
Ressocialização
A Susepe lançou, ontem, em Santa Maria, o projeto “Arte Livre: Marcan-do o Futuro”. O evento aconteceu no Presídio Regional. Após quatro meses de treinamento, 60 apenados do regime fechado daquela casa prisional estarão habilitados a realizar trabalhos de marcenaria, como a construção de móveis. A cada três dias trabalhados, o detento poderá abater um da pena.
Os participantes foram selecionados com a condição de que não tivessem cometido falta grave. O grupo que participa do projeto de ressocialização foi treinado pelo Senai. Cerca de 30% do valor obtido com as vendas dos trabalhos será dividido entre os participantes do projeto. O restante do di-nheiro arrecadado será investido na compra de material e manutenção das máquinas. O projeto foi viabilizado pelo Depen (Departamento Penitenciá-rio Nacional) ao custo de R$ 80 mil, incluídos nesse a compra de maquiná-rio.
Assassinatos
Duas pessoas foram assassinadas, desde a noite de quinta-feira, em Porto Alegre. Na Lomba do Pinheiro, Ademir Couto, 44 anos, foi executado com 7 tiros no Beco da Taquara. Dois homens foram vistos fugindo do local, no bairro Coronel Aparício Borges. Uma jovem de 18 anos, Caroline Viana, foi encontrada morta dentro de casa, na rua Santa Clara. Caroline, segundo os primeiros levantamentos, foi vítima de estrangulamento e o crime teria origem passional.
Armas
Doze integrantes de uma quadrilha de contrabandistas que opera no tráfico internacional e armas e munições foram presos em operação da Polícia Federal de Jaguarão. A ação se realizou além de Jaguarão, em Arroio Grande, Pelotas e Porto Alegre. O grupo, segundo os federais, movimenta-va cerca de 300 mil reais por mês em mercadorias contrabandeadas do U-ruguai.
Tráfico
Um casal traficante de drogas foi preso, quinta-feira, por agentes do Denarc. A dupla abastecia consumidores do bairro Ponta Grossa, naz zona sul da Capital. Foram apreendidos 15g de crack e 15g de cocaína. Segundo o delegado Cleomar Marangoni, o homem, com 20 anos de idade, tinha pas-sagem pela polícia e a mulher se encontrava foragida do sistema prisional.
Cultura
O TCE (Tribunal de Contas do Estado) inicia na segunda-feira inspeção especial no Conselho Estadual de Cultura para analisar o tramite dos projetos no órgão. Como membro – licenciado – deste conselho, este hu-milde marquês estará incentivando, atentamente, esta inspeção, bem como não esquece que o TCE tem alguns problemas internos, incluindo tramas relativas ao nepotismo, carro com placas frias e coisas outras ainda não esclarecidas em sua plenitude.

Deixe uma resposta