A missão mágica dos órgãos policiais

As questões da violência e da criminalidade são tratadas em compartimentos estanques.
Um assassinato, a cada duas horas, foi registrado, durante o último fim de semana no Estado. Cada homicídio consumado é um caso de polícia, seja com autor conhecido ou não. Antes disso, a polícia ostensiva rarefeita e uma policia judiciária impossibilitada de acelerar processos que possam, pelo menos, assustar os autores de delitos, notadamente os profissionais do crime, têm parte mínima nesse flagelo social. De um lado, os órgãos da se-gurança pública não possuem efetivo nem instrumentos que possibilitem um enfrentamento ininterrupto, 24 horas por dia contra as estruturas do crime organizado e as ações contra essas fortalezas são, obrigatoriamente, eventuais. De outra banda, o governo mascara sua fragilidade para traba-lhar na área da violência ao transferir para uma polícia mal paga e despo-voada a missão mágica de controlar o comportamento não só dos chefões do crime como o das populações famintas, sem escola, sem moradia, sem saneamento, sem emprego e que estão cercadas pelas propostas, de vida ou morte, de traficantes de drogas, de armas, de criaturas humanas. O governo trata – quando trata – destas questões em compartimentos estanques, o que leva a um resultado, mais do que zero, atrapalhado.
Restinga
A Polícia Civil prendeu cinco pessoas, na manhã de ontem, no bairro Restinga Velha, zona Sul da capital. Foram apreendidas armas e munição. A maior parte do material estava com Clairon Rodrigues, de 45 anos que foi autuado em flagrante. Ele fornecia armas para quadrilha de traficantes. Segundo o delegado Bolívar Dantada o grupo teria envolvimento em quatro assassinatos neste ano.
Encomenda
A chacina, ocorrida na tarde de domingo, no bairro São Pedro, em Alvo-rada, quando jovens que tinham entre 14 e 20 anos de idade foram executa-dos a tiros, está, praticamente esclarecida. Segundo o delegado Odeval Soa-res os apelidos dos suspeitos já foram apurados e, inclusive, os locais em que eles costumam circular. A morte dos rapazes teria sido por encomenda.
Carbonizados
Um morador do balneário, em Torres localizou, na manhã de ontem, um corpo carbonizado junto às dunas da região Segundo a Brigada Militar pos-sível apurar nem mesmo os sexo da vitima. No fim de semana outro corpo carbonizado fora localizado em São Leopoldo.
Família
Quadrilheiros invadiram uma residência no bairro Estância Velha em Ca-noas, na madrugada de ontem. Uma família foi feita refém. Os bandidos fugiram levando dinheiro e uma caminhonete. Pela manhã, a quadrilha u-sou o carro para assaltar um posto de combustível em Cachoeirinha. Os criminosos fugiram após trocarem tiros com PMs.
Droga
Agentes da DP de Farroupilha, coordenados pelo delegado Valdernei To-nete, prenderam dois homens, de 23 e 24 anos, na rua José Cesar Montova-ni, no bairro São José. Foram apreendidas 777 petecas de cocaína e crack, um tijolo de cocaína pesando 265 gramas, e uma pedra de crack, pesando 170 gramas.
Blindagem
Encerra-se, hoje, o prazo para que os bancos bliden as fachadas externas no nível térreo das agências e postos e nas divisórias internas no mesmo piso, em Porto Alegre. O prazo de 180 dias começou a ser contado no dia 14 de abril, quando foi publicada no Diário Oficial do Município a lei, de autoria da vereadora Maria Luiza (PTB), aprovada pela Câmara Municipal em dezembro do ano passado e sancionada pelo prefeito José Fogaça em 2 de abril.
Iguais
Um azulzinho fugiu da Polícia Rodoviária Federal na freeway, foi autua-do nove vezes em 10 minutos, atingiu a velocidade de 150km/h, colocou em e risco a vida de outros motoristas por ele ultrapassados e a das suas próprias filhas, uma de 13 e outra de 14 anos, que estavam em seu belo Honda Civic. Diante disso, pela EPTC, o diretor de Trânsito e Circulação, Sérgio Marinho, alegou que o seu subordinado, André Rolim Félix, não estava em serviço e, por isso, nada tinha a comentar. Na cabeça e nas mãos dessas pessoas está o nosso trânsito e, até mesmo, as nossas vidas. Marinho e Felix são iguais.

Deixe uma resposta