Ex-chefe de polícia pode ficar sem arma e sem carteira

A cúpula da Polícia Civil encaminha por etapas as demandas que envolvem o polêmico delgado Tubino.
O chefe da Polícia Civil, delegado Pedro Rodrigues, ainda não conseguiu administrar, plenamente, o emaranhado de suspeições que envolve, ora como denunciante, ora como denunciado, o delegado Luiz Fernando Tubino que, primeiro, perdeu a função que exercia como diretor da DAP (Divisão de Pessoal da Polícia Civil) e, depois, no fim da tarde de terça-feira, foi afastado da corporação uma vez que não aceitou seu encaminhado para trabalhar do plantão da Área Judiciária.
Ocorre que Tubino, sendo ex-chefe de Polícia, por lei, só poderia ser deslocado para o Conselho Superior de Polícia. No entanto, ele ostenta um enfrentamento com, nada menos nada mais, do que a governadora Yeda Crusius, contra quem, ao ser ouvido na CPI do Detran, teria praticado falso testemunho. Mais recentemente, ao acompanhar o jornalista Vitor Vieira numa reportagem investigativa no entorno de um propriedade do conselheiro do Tribunal de Contas João Osório, na praia de Xangri-lá, o delegado Tubino passou a ser acusado de invasão de domicílio. Pedro, o chefe de Polícia, decidiu, então, sob a observação atenta da governadora Yeda, pelo afastamento do seu polêmico colega, mas sem que tal procedimento tenha sido integral. Sigam-me.
Arma e carteira
Quando um funcionário policial é afastado da instituição, deve ser solicitado a entregar sua carteira funcional e a arma que tem em carga. Isto significa a sua perda do poder de polícia enquanto estiver afastado. Tubino, que alega ter a mais plena razão em todas as demandas em que esta envolvido, não foi solicitado, até a noite de ontem, pelo menos, a entregar tais credenciais. Tudo isso indica que não são bons os ventos que sopram, atualmente, no entorno do gabinete do chefe da Polícia Civil, Pedro Rodrigues.
Prisões
O titular da pasta da Segurança Pública do RS, Edson de Oliveira Goularte, e o superintendente da Susepe, Paulo Roberto Zietlow, entre outras autoridades, participam, hoje, da abertura do seminário “Educação em Prisões: Direito e Desafio”, o que acontecerá no Salão Nobre da Faculdade de Direito da Ufrgs. A iniciativa pretende estabelecer um acordo de cooperação entre a Susepe e a Ufrgs meio das secretarias de Segurança Pública e Educação; a Unesco e os Ministérios da Justiça e da Educação do Governo Federal.
Capotagem
Três PMs de Nova Prata, na Serra gaúcha, se acidentaram, ontem, durante operação policial. Os brigadianos tentavam encontrar um veículo usado na fuga por dois homens que assaltaram uma loja de roupas. Na RS-470, entre Vila Flores e Veranópolis, o Celta dos policiais capotou durante uma ultrapassagem. Dois soldados estão em observação no hospital de Veranópolis.
Tráfico
Agentes do Denarc apreenderam, ontem, 23 quilos de pasta base de cocaína, seis quilos de maconha, 20 bananas de dinamite, 16 metros de cordel detonante, 18 espoletas, além de outros apetrechos utilizados na preparação e tráfico da droga. Segundo o delegado Fernando Oliveira, a apreensão foi realizada na Estrada do Nazário, entrada do bairro Guajuviras, em Canoas. No local, foi preso um homem de 26 anos. A pasta base de cocaína, apontou Oliveira, é proveniente da Bolívia e seria distribuída em Canoas, Porto Alegre e outras cidades da Região Metropolitana.
Latrocínio
Agentes da Polícia Civil de Gravatai consideram o latrocínio como a principal hipótese sobre a morte do comerciante Adair Ferreira da Rosa, 56 anos, proprietário de uma pizzaria no bairro Marrocos, naquele município. O crime ocorreu no início da madrugada de ontem na rua Presidente Kennedy. Segundo a polícia a vítima foi atingida por um tiro na cabeça disparado pelas costas. Testemunhas relataram que clientes e funcionários foram rendidos e que o comerciante foi levado a uma sala do estabelecimento para ser executada.
Trem
Numa diligência da 2ª DP de Uruguaiana, comandados pelo delegado Roger Spode Brutti, foram presos, ontem, um jovem de 22 anos e um adolescente de 17 anos. Os dois são apontados como autores do furto de uma carga de trem. O furto ocorreu num trecho em que a composição era obrigada a reduzir, quase parando, a velocidade. O receptador da carga já havia sido preso na semana que passou.

Deixe uma resposta