Há coronéis sobrando na Brigada Militar

As promoções têm data obrigatória, mas para que elas aconteçam é necessária a abertura de vagas.
O colégio de coronéis da Brigada Militar que, desde a vacância de um ca-deira no Tribunal Militar do Estado, se mantém nervoso, tem mais um mo-tivo relevante para provocar cruzamentos de currículos, visitas inesperadas e até mesmo o risco de ligações telefônicas. E, tudo isso, com a participa-ção dos tenentes-coronéis. Ocorre que no próximo dia 18 de novembro, de-verá, por lei, ser publicada a lista de promoções de oficiais da coporação. Com isso, é provável que, até esta data, venha a ser conhecido o nome do novo juiz do Tribunal Militar do Estado, o que determinará um efeito do-minó no comando-geral da corporação e na própria Casa Militar do Pirati-ni. Sigam-me.
Truque
No quadro das promoções, a governadora Yeda Crusius deverá apelar para seus dotes de alquimista. Tudo porque o colégio de coronéis está transbodante. Há 26, quando deveriam ser 25. O truque mais viável será o de ceder o número necessário e político desses profissionais para funções não militares em outras secretarias, o que geraria as chamadas vagas virtu-ais que possibilitariam acomodar a carga da carreta. Realizada a experiên-cia alquímica, Yeda poderá corrigir uma gafe de seus assessores, que deixa-ram passar a nomeação do tenente-coronel Joel Prates para a titularidade da Casa Militar, cargo, por lei, destinado a coronel. Isto significa que, em ha-vendo sobra de coronéis, há, pelo menos, um cargo de coronel vago.
Tabu
Na aula inaugural do curso Técnico de Segurança Pública para 500 sol-dados habilitados, proferida pela governadora Yeda Crusius, na manhã de ontem, no auditório da Academia de Polícia Militar, em Porto Alegre, ten-do como tema “um governo de resultados” foi evitado o vocábulo “salário”. Aliás, sobre salário será a reunião hoje, de todas as entidades representati-vas da Brigada Militar e Polícia Civil, quando será feita uma avaliação dos trabalhos até agora realizados. Não esta afastado o encaminhamento de uma proposta de paralisação.
Clima
O triplo assassinato ocorrido ontem, em Vista Gaúcha, noroeste do Esta-do, é um desses casos que fogem da responsabilidade preventiva da polícia. Em sua oficina, Eliseu Denchug, 49 anos, foi executado a tiros e, com ele, seu filho Marcelo, de 21 anos, e Hermogênio Bandeira, de 53, que era cli-ente da casa. Dois homens em uma Parati verde, com placas de São Lepol-do, chegaram no local atirando. O veículo foi encontrado queimado próxi-mo a Tenente Portela. Mas se escapa da responsabilidade da polícia evitar este tipo de delito, ele não deixa de sinalizar o clima de violência que, da Capital e da Região Metropolitana se espraiou por todos os recantos do Rio Grande.
Fazendeiro
Um produtor rural foi feito refém durante assaltos, entre a noite de do-mingo e a madrugada de ontem, em Manoel Viana, Fronteira Oeste do Es-tado. Cinco bandidos entraram na propriedade de Rafael Pascoal da Silva Müller, 68 anos, que foi levado até a uma outra fazenda, também assaltada. A BM foi acionada e houve troca de tiros, mas ninguém foi preso.
Trapalhadas
Furtos de equipamentos da Assembléia Legislativa – um problema anti-go – resultaram agora em providencias para reforçar os dispositivos de se-gurança da casa. Em verdade, os órgãos públicos têm uma certa dificuldade em zelar pelo seu patrimônio. A própria pasta da Segurança, há alguns a-nos, faz algumas trapalhadas na montagem da vigilância no casarão que ocupa na rua Voluntários da Pátria.
Traficantes
Em Gravataí, PMs estouraram, na madrugada de ontem, um ponto de trá-fico na rua Labras, no bairro Vera Cruz, e prenderam quatro pessoas. Fo-ram encontradas 88 pedras de crack e cachimbos para o consumo da droga. Em Canoas, também por PMs, foram presos dois homens identificados co-mo Wagner Braga dos Santos, 29 anos, e Juliano Masumi da Silva, 28 a-nos, com drogas e munição.
Adolescentes
Dois adolescentes foram executados na noite de domingo, em São Leo-poldo, elevando para dezoito o número de homicídios registrados no fim de semana no Rio grande do Sul. Anderson Dias da Silva, de 17 anos mor-reu com dois tiros, e Maurício da Silva Dias, de 20 anos levou 6 tiros e esta internado em estado grave no hospital Centenário O atentado ocorreu no bairro Aroldo Mantega. Na Vila Vicentina, outro adolescente, Everton da Silva Farias, de 17 anos, foi executado com 15 tiros.
Bote
Sete carros roubados foram localizados em desmanche de veículos des-coberto, na madrugada de ontem, na Zona Norte da capital. Segundo poli-ciais do setor de inteligência do 20º BPM, apenas um Corsa não havia sido desmanchado. A Brigada Militar acompanhou um veículo com monitora-mento por satélite que foi levado até o ferro velho da avenida Sertório. Duas lojas de auto peças serviam de fachada para o desmanche que foi fe-chado pela terceira vez nos últimos dois anos. Não obstante não consiga dar conta das tarefas do policiamento ostensivo, a Brigada continua trabalhan-do, e muito, na área da investigação. Mas nem tudo dá certo, pois nesta o-peração da Sertório o bote foi dado na hora errada. Ninguém foi preso.

Deixe uma resposta