Informação de baixa qualidade também intoxica

Talvez nunca como agora tenhamos precisado tanto de uma imprensa lúcida e capaz de nos dizer o que está realmente acontecendo.
Talvez nunca como agora temos uma imprensa caolha, que não consegue discernir mais do que sombras e fatos embaralhados.
Basta acompanhar o noticiário ralo e repetitivo para perceber que a dita imprensa está mesmo é preocupada em não desagradar os seus anunciantes. Para o distinto público leitor algum afago e muito marquetchin!.
Na hora do vamos ver, ou seja de relatar o que acontece, não tem ninguém em casa. Não estou me referindo a denúncias, a escândalos sobre falcatruas isoladas que toda hora espoucam por aí. Isso é a isca que o ladrão joga para enganar o cão de guarda.
Falo da cobertura cotidiana, dos fatos e dos processos que conformam a realidade social – as decisões nas empresas, nos parlamentos, na burocracia, nos negócios, no governo, nas entidades de classe, nas associações de bairro.
Aí, a profundidade é tal que uma formiguinha atravessa com a água pela canela, como dizia Nelson Rodrigues. O noticiário em mosaico, cada vez mais sucinto e impreciso, é servido de modo a nos deixar a sensação de uma realidade caótica, incompreensível, que é para nos convencer a desistir de pensar. Tem é que fazer tudo o que seu mestre mandar.
Claro que não há uma mente maligna maquinando isso. Há um processo feito de omissões e conveniências, cujo resultado, entre outros, são redações obedientes e burocráticas, em que a falta de criatividade se confirma pelas exceções.
Nem toda a mídia é ruim, nem tudo na mídia é ruim. Mas essa sensação que ela pretende passar, de que dá conta de tudo, é falsa. Não temos informações em excesso, como parece. Temos falta, “carência alimentar”, de informação qualificada, que escape ao mexerico diversionista. É uma informação em escala industrial, homogeneizada, manipulada, que entoxica.
É como se tivéssemos que comer hamburguer todo o dia.

4 comentários em “Informação de baixa qualidade também intoxica”

  1. Parabéns Lester, acertaste no ponto. A imprensa gaúcha, salvo raras exceções, é um bláblá superficial que vou te contar. Já cancelei minhas assinaturas dos jornalecos locais, simplesmente não vale mais a pena.

  2. Será que não há mesmo uma mente maligna, ou várias, por de trás destas maquinações? Este assunto sempre me lembra o livro Protocolo dos Sábios de Sião, compilado pelo Imortal Gustavo Barroso. Pensemos…

Deixe uma resposta