31 de outubro é Dia das Bruxas, sim!

Miriam Gusmão
A cada 31 de outubro vem o mesmo lero-lero de quem defende o tal do “dia do Saci” e é contra as centenárias festas de muitos povos, que celebram bruxas, morcegos, zumbis, gatos pretos e outros seres rejeitados e assombrosos. Ora, me digam se festas populares são verdadeiras quando surgem de projetos de lei e decisões governamentais, como foi o caso do tal “dia do Saci”, nestes anos 2000??!!!!
Políticos que não estudam História acharam por bem rivalizar com a festa que, na visão precária deles, seria norte-americana e também, vá lá, um pouco inglesa!!!!  Inventaram artificialmente uma festa nacional para, supostamente, se opor à influência dos  Estados Unidos, ou da Inglaterra, e, segundo esses mesmos políticos e seus cegos adeptos, “para valorizar o folclore nacional”.
Se resolvessem estudar, minimamente, as culturas populares nos quatro cantos do mundo, como na Irlanda ou no Canadá por exemplo,  chegariam a antigas celebrações pagãs da fartura das colheitas, com bebidas e comilanças, das fogueiras queimando o joio, das adivinhações e ritos de predizer o futuro e as datas das mortes, coisas que incomodavam a igreja católica. Foi assim que a igreja católica  mudou seu calendário (há controvérsia se foi no século 16 ou em outro século), deslocando o Dia de Todos os Santos, que era em maio, para primeiro de novembro, a fim de misturar com datas dessas celebrações pagãs. Uma dessas festas bem antigas era o festival celta de Samhain, que começava em 31 de outubro e durava três dias. Foi a partir dessa mudança do calendário católico que a festa começou a ser chamada de Halloween  – hallow é um termo antigo para santo; eve é véspera: véspera de todos os santos. A festa teria chegado aos Estados Unidos lá por 1845, com imigrantes que fugiam da “grande fome”.
É possível que, no Brasil,  essas celebrações tenham iniciado nos cursos de línguas, embora seja necessário verificar melhor como chegaram  aqui,  e também as congruências com antigas festas populares praticadas no país.  Não há a menor razão para olhar o dia das bruxas pela janela da xenofobia e tentar montar, pelas mãos de elites políticas, o que deva ser festa popular no Brasil. As festas populares são vivas e verdadeiras nos cafundós deste país e têm histórias que esses políticos e essa classe média urbana nem suspeitam, nem valorizam.  Sem contar que houve muita pressão da igreja católica para que não se deixasse disseminar aqui essa festa pagã de 31 de outubro. A alegação da valorização do folclore nacional é tão artificial quanto a decretada “festa do Saci”.
Podem trazer o saci urbano de vocês, ou qualquer outra figura que quiserem, mas 31 de outubro é, sim, festa de bruxas, de seres que assombram, de divertidas figuras feias, de malditos, de não-salvos, de abóboras iluminadas para os mortos, de zumbis cobrando a conta dessa vida sem graça, certinha e fingida que querem que se leve. Querem só festas “nacionais”? Se vão por esse rumo absurdo, precisam fazer uma cruzada  contra o rock, precisam desaconselhar a guitarra e sair por aí distribuindo só chocalhos e tambores!!!! Parem com essas bobagens! As festas e as artes caminham pelo mundo, são vivas,  misturam-se, são incontroláveis. Bom dia das bruxas pra [email protected], especialmente pra quem, como eu, é bruxa antes e depois do Halloween!!!!
Miriam Gusmão é jornalista e educadora

Um comentário em “31 de outubro é Dia das Bruxas, sim!”

  1. DISCORDO …. Halloween está longe de ser uma celebração aos cultos originais do paganismo. As bases destas festas infantis estão cada vez mais associadas ao cinema e a jogos digitais do que às festividades folclóricas de algum lugar específico

Deixe uma resposta