O gravador do Machado

PINHEIRO DO VALE
O gravador do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, está causando mais sucesso que o gravador do Cacique Juruna.
Quarta-feira ele quase botou fogo no circo quando foram publicadas as transcrições de suas conversas com o presidente do Senado Federal, senadorRenan Calheiros (PMDB/AL).
A tática de Sérgio Machado é tão parecida que até parece plágio da tática do célebre cacique da tribo dos Xavantes para embaraçar e comprometer seus interlocutores.
Nos seus contatos com autoridades, Juruna (que depois chegou a deputado federal pelo PDT do Rio de Janeiro)acionava o aparelho e usava as transcrições como documento para comprovar a desfaçatezdesses funcionários e governantes que, certos de sua ingenuidade, prometiam tudo e depois davam as costas.
Com tudo na mão, certo dia o cacique apareceu em Brasília e exibiu suas provas à imprensa. Foi um grande escândalo de mídia. Jornais botaram a boca do mundo; as tevês deram espaço.
O Cacique Juruna virou uma celebridade. Com seu gravador escancarou a hipocrisia e a má fé dos ativistas da FUNAI que, nas cidades, se pavoneavam como defensores das causas indígenas.
O mesmo se repete agora com o Gravador do Machado. O ex-diretor da subsidiária da Petrobrás pegou sua maquininha e foi à luta. Procurou os manda chuvas, gente envolvida em captações para campanhas políticas, todos poderosos que lhe deviam favores e, com grande habilidade, arrancou deles falas comprometedoras.
Quando o Lava Jato virou sua mangueira em cima dele, abriu o bico e deixou a todos na saia justa. Embora as conversas não tenham muita profundidade, deixam claro ao bom entendedor que ali se ouvia apenas a pontinha do iceberg.
Derrubou um ministro de primeira linha e botou o governo do presidente interino Michel Temer na defensiva.
O mesmo pode-se dizer do vazamento de Renan Calheiros. As críticas do senador à delação premiada não emocionam muito, mas o antagonismo do Supremo em relação à Dilma pode abrir um leque de suspeições.
Afinal, naqueles dias, o STF indeferiu muitos pedidos de liminares dos advogados da presidente.
No mínimo pode-se perguntar: quanto de má-vontade e de despeito poderiam conter as decisões dos ministros?
O tsunami vem aí. Dizem que a próxima gravação de Machado vai pegar o ex-presidente José Sarney, que também foi um dos chefes peemedebistas que abandonou Dilma, mandando seus seguidores votarem pelo impeachment. O voto do ex-ministro Edson Lobão é a prova mais contundente.
Por fim, vale destacar a pérola dessa fita, no trecho em que Renan Calheiros diz, embora de forma incompleta, que estava sendo negociada uma saída com o ex-presidente Lula.
Pelo que se entendeu da conversa, Lula assumiria o poder, seria um chefe da Casa Civil com formato de primeiro-ministro. Pois é: Dilma perdeu o bonde. Se abrisse espaço para o ex-presidente certamente ainda estaria despachando no Palácio do Planalto.

Deixe uma resposta