Os pais frente ao uso de drogas

Jonatas Bervanger Oscar *

Segundo autores especializados em substâncias psicoativas (SPA), as principais causas do uso de drogas incluem: a falta de amor, o sentimento de abandono e as inter-relações entre estes dois. Também percebemos uma dificuldade da família em impor limites, fazendo com que a criança desde cedo entre em contato com as regras que regem nossas relações sociais, aprendendo esta lição primeiro em casa. Se isto não fica claro, o adolescente reagirá de forma negativa as frustrações advindas do seu dia-a-dia.

Existem dois tipos de atitudes que podemos tomar em relação aos nossos filhos. Em primeiro lugar estariam as previdências, isto é, o ato de educar um cidadão (ser humanizado), uma pessoa com consciência dos limites, do que é respeitar os outros e do que é se respeitar, noções que facilitam o nosso convívio com os outros e principalmente consigo mesmo. Em segundo lugar, estariam as providências, que são atitudes a serem tomadas se o seu filho já é um usuário de SPA.

Dentro destas providências, a primeira é averiguar se o seu filho é um usuário ou um abusador de SPA (neste quadro ele já estaria bem próximo à dependência química). Após, é importante esclarecer sobre o que são drogas e as conseqüências de quem usa. O mais importante, caso ele se enquadre como dependente químico é tratá-lo como alguém portador de uma doença severa e que geralmente perde seu senso de responsabilidade. É o momento de buscar ajuda profissional e de levar este assunto muito a sério.

Quanto mais rigor houver no trato deste tema em casa, mais acolhido se sentirá o jovem que passa por este problema, é necessário fazer uso do que muitos técnicos desta área chamam de “amor-exigente”. Não existe meio termo para lidar com a dependência química, pois não existem, até aonde se sabe, benefícios advindos do abuso de drogas. Retornamos assim ao que falávamos no começo deste tema, a importância do amor na recuperação de uma pessoa que passa por uma dificuldade com algum tipo de adição.

Deixe uma resposta