ANTÔNIO BRITTO: Seremos penetras onde poderiamos estar como anfitriões

Não é nada fácil responder qual o maior dos erros cometidos pelo governo Bolsonaro na condução de políticas e providências relacionadas com a pandemia.

Um forte candidato está lentamente aparecendo no noticiário: a participação pífia do Brasil na pesquisa, produção e recebimento da vacina que, espera-se em tempo recorde, venha oferecer prevenção contra o vírus.

Conquistamos, com um esforço de décadas, uma importante posição mundial em vacinas, em um nível muito superior ao nosso papel no desenvolvimento de medicamentos.

Até pouco tempo atrás, o programa brasileiro de imunização podia ser considerado exemplar em termos globais com a presença de  excelentes centros de pesquisa e produção como FioCruz e Butantan;  algumas boas iniciativas  para parcerias entre eles e grandes laboratórios mundiais de modo a simultaneamente aproximar nossos cientistas dos melhores projetos de inovação e, em contrapartida, garantir acesso ao amplo mercado brasileiro.

O cenário da imunização no país tornou-se menos exemplar com os erros cometidos nos últimos anos, responsáveis por vexames como a volta do sarampo e uma brusca e perigosa redução nos níveis de cobertura, com a ajuda de fanáticos que colocam em dúvida a necessidade de imunizar pessoas. (Terão mudado de opinião?)

Ainda assim, o Brasil podia e merecia estar ao menos participando ativamente do que é hoje a principal urgência mundial –chegar a uma vacina contra o covid-19. No front científico, aliando-se a algumas das mais de cem pesquisas em andamento.

No ambiente diplomático,  sendo ouvido na queda de braço que se aproxima envolvendo como e onde produzir, como e para quem distribuir a futura vacina. Uma corrida contra a morte movida pela geopolítica.

Salvo iniciativas isoladas de alguns dos nossos centros, estamos simplesmente fora de tudo.

A participação na pesquisa e desenvolvimento da vacina exigiria que houvesse por parte do governo compreensão da importância do assunto; competência e capacidade de iniciativa para liderar a busca de parcerias entre nossos institutos e governos e laboratórios farmacêuticos mundiais, tendo como trunfos a capacidade de produção aqui instalada e especialmente a dimensão do mercado brasileiro.

Óbvio que nada consequente e estratégico foi feito. Em consequência, amanhã quando a vacina estiver viabilizada seremos penetras em um evento onde poderíamos ter a condição de anfitriões, minoritários, mas anfitriões.

Pior ainda: o desenvolvimento da vacina parece, hoje, a parte mais fácil do que vem por ai. Imagine-se: anunciada a vacina, haverá sete bilhões de interessados nela.

Onde produzir? A quem entregar inicialmente? Em que quantidades? Como conciliar a necessidade de declará-la um bem comum da humanidade com o respeito aos acordos mundiais sobre propriedade intelectual?

Os absurdos cometidos em política externa, especialmente em saúde,  deixam-nos em que condição para discutir e negociar no âmbito da OMS, depois do tanto que a desrespeitamos e afrontamos? Como defender nossos interesses se a vacina vier da China? E se ela for obtida  primeiro nos laboratórios ingleses?

A menos que nossos fundamentalistas contem com a generosidade norte-americana e infantilmente pensem que Washington (se vencer a corrida cientifica) colocará o Brasil como destino prioritário em parcerias, produção e recebimento da vacina.

Nossos graves erros em inovação e no campo diplomático, fazem mais do que nos fragilizar na guerra das vacinas. Passam um atestado de como o Brasil, rapidamente, pôde colocar fora toda a presença que construíra, em décadas, na definição de políticas mundiais de saúde.

E nos condena hoje a uma sequência de fatos constrangedores (lembremos apenas os desta semana): a participação envergonhada de um militar especialista em logística falando pelo Ministério da Saúde na Assembléia Geral da OMS;  o ministro astronauta arriscando-se ao ridículo na tentativa de considerar seria uma pesquisa sem crédito. Ou ainda a inexplicável criação pelo presidente da República da categoria de “remédio ideológico”, logicamente de direita, contra todas as evidências e recomendações dos médicos.

A vacina chegará. E com ela, pelos dados atuais, uma grande derrota para a saúde no Brasil. E um dos maiores e mais prejudicais erros cometidos pelo governo.

Não serão os milhares de mortos as únicas vitimas da epidemia no Brasil. A ciência, o bom senso e nosso prestigio internacional, também.

(Publicado originalmente no Poder 360)

Um comentário em “ANTÔNIO BRITTO: Seremos penetras onde poderiamos estar como anfitriões”

  1. Eu lí corretamente “nosso prestígio internacional” ? Olha que já vivi em vários países no mundo, mas esse tal “prestigio” só vi em marca de chocolate e só no Brasil.

Deixe uma resposta