Temer jantando Meirelles


ELMAR BONES
Michel Temer nada de braçadas nas águas turvas da política brasileira. E, impávido,  leva adiante seu projeto de Napoleão III, dando “um golpe por dia”.
Agora esta se livrando de Henrique Meirelles de modo brilhante.
Meirelles é o fiador dele, Temer, junto ao grande capital, o financeiro principalmente.
Mas, como é que um presidente impopular vai pavimentar o caminho para candidatar-se à reeleição estando a chave do cofre na mão de um ministro que tem voo próprio e está comprometido com um discurso de austeridade, de equilíbrio fiscal?
E os fiéis comparsas que lhe dão sustentação politica, engavetam as denúncias contra ele no Congresso, e movimentam a máquina eleitoral nos Estados?
Eles também precisam ser reeleitos, até para garantir o foro privilegiado, ou no mínimo eleger seus protegidos. Ninguém se elege apenas com boas ideias e bons discursos. Uma campanha custa muito caro.
É preciso, então, livrar-se do Meirelles, para que a caneta presidencial corra solta. Mas como, se Meirelles é a garantia do empresariado nesse quadro farsesco?
A candidatura à reeleição não pode afrontar os magnatas que financiaram a derrubada de Dilma. Não pode afrontar a Globo, que é a voz do capital.
Que fazer então? Estimular a candidatura do Meirelles à presidência, afinal ele já entrou nesse governo picado pela mosca azul.
E ele, Michel Temer?
Bem, ele só está se apresentando como candidato à reeleição porque alguém precisa defender o legado desse governo impoluto que está colocando “o Brasil nos trilhos”. Meirelles pode, com toda autoridade, fazer isso, como não?
Meirelles está acreditando. Anunciou hoje que vai se filiar ao MDB dia 3 e, depois no devido prazo, deixará o governo para ser candidato à presidência.
Terá que decolar do 1% que recebe nas pesquisas e, principalmente, passar pela convenção do PMDB, que está nas mãos de quem?
 

Deixe uma resposta