Uma nova era do policiamento ostensivo

Novas viaturas são acrescentadas ao surpreendente treinamento de policiais motoquei-ros.
Há algumas semanas, destaquei, com entusiasmo e surpresa, que os moto-ciclistas da Brigada Militar estavam freqüentando um curso de policiamen-to ostensivo, evidentemente, com o uso de suas máquinas. Meu entusiasmo era referente ao enriquecimento do sistema de segurança gaúcho e, minha surpresa, prendeu-se ao fato de acreditar, ingenuamente, que os motoquei-ros brigadianos, não obstante serem vistos com raridade, iam para as ruas com pleno conhecimento dos métodos de sua missão. Pois, não era bem assim. Agora, embora os policiais motoqueiros continuem num estágio de semi-invisibilidade, a Brigada recebeu 43 novas viaturas que serão empre-gadas no policiamento de Porto Alegre. Isso pode significar que, com mo-tos montadas por profissionais bem treinados e a inserção no complexo de patrulhamento de 43 veículos em ponto de bala, a capital está próxima de usufruir de uma rede estratégica de segurança próxima da ideal. Será bem assim? Sigam-me.
Ronda bandida
Com todas as operações que a Brigada realiza no Estado, semanalmente, a sensação de insegurança de cada cidadão continua num plano angustiante e generalizado especialmente na capital e Região Metropolitana. Há as blitz mas não se o patrulhamento. Os moradores dos bairros Floresta e Indepen-dência, por exemplo, imediações do Hospital Moinhos de Vento, estão na beira do desespero. Cruzar a rua Ramiro Barcelos, principalmente entre a Gonçalo de Carvalho e a Tiradentes, no início ou no final do horário co-mercial, significa desafiar os bandidos que estão por ali em ronda perma-nente. As mulheres são as principais vítimas dos assaltos facilitados pela iluminação inexistente na área. Mais do que a polícia, os cidadãos já co-nhecem os quadrilheiros, mas não sabem por onde circulam os PMs. São muitos os pontos da capital vivendo esta situação e que aguardam, sem muita convicção, as ações da Brigada com suas flamantes viaturas e moto-queiros audazes.
Tráfico
O Denarc prendeu, ontem, quatro homens, com idades entre 19 e 27 anos, na Vila Americana, em Alvorada. De acordo com o delegado Luiz Fernan-do Martins Oliveira, as prisões ocorreram em dois apartamentos, onde fo-ram encontrados, além de drogas, rádios-comunicadores, balança de preci-são, câmeras de monitoramento e arma de fogo. Os policiais também cum-priram diligência em uma Lan House, no mesmo bairro, que era utilizada como ponto de venda e consumo de crack.
Carteira de identidade
O DI (Departamento de Identificação) do IGP (Instituto-Geral de Perí-cias) modificará, a partir de 1º de outubro, o sistema para a obtenção da carteira de identidade. Os passos serão os seguintes: o cidadão comparece a um todos postos de identificação e a sua carteira será digitalizada nos mol-des da carteira de habilitação; a foto, sem custos para o cidadão, é captada na hora; as impressões digitais são colhidas por scanner – sem tinta nos de-dos – e a GA (Guia de Arrecadação) é entregue pelo funcionário que reali-zou o atendimento. De posse da GA, o usuário se dirige a qualquer agência ou terminal eletrônico do Banrisul e faz o pagamento da taxa corresponden-te.
Pulseirinhas
Este projeto de pulseirinhas eletrônicas para monitorar, através de satéli-te, apenados do regime aberto ou semi-aberto, poderia ser adaptado para crianças que acompanham seus pais em campings em férias ou em passeios de fim de semana. O índice de desaparecidos – crianças ou adolescentes – poderia chegar perto do zero.
Parabéns
Hoje é o Dia do Servidor Peneitencário. Em 12 setembro de 1985, os a-gentes penitenciários Santos e Medeiros, como de rotina, transportavam mais um preso para audiência em um ônibus de linha (Caxias x Porto Ale-gre), quando foram brutalmente assassinados. Morreram quando do resgate de um preso. Passados mais de vinte anos, os presos são transportados em viaturas sucateadas, sem radio de comunicação, com coletes vencidos, ar-mas obsoletas e sobretudo com falta de pessoal. Parabéns aos agentes.

Deixe uma resposta