A silenciosa política da segurança pública

O governo ainda não conseguiu estabelecer um diálogo com os profissionais de polícia.
As reivindicações dos profissionais de polícia do RS coincidem com o cla-mor da sociedade por um sistema de segurança pública com poder suficien-te para manter sob controle a violência e a criminalidade. Esta tensão, que envolve policiais e cidadãos comuns, no entanto, encontra, no governo, portas fechadas e ouvidos moucos. Não há diálogo. Sempre que acontecem encontros, a linguagem entre as partes é entre gregos e chineses, sem intér-pretes. Assim é que, nos dois primeiros dias de outubro, agentes da Polícia Civil de Porto Alegre e Região Metropolitana realizaram uma paralisação que contou com a mobilização e apoio amplo dos membros da instituição que tiveram, inclusive, a solidariedade da Asdep (Associação dos Delega-dos de Polícia), firmada pelo presidente da entidade, Wilson Müller. Diante do movimento, a resposta do governo foi o silêncio. Isso não atingiu so-mente os profissionais da segurança. A sociedade, por inteiro, está aturdida com o silêncio do governo sobre um tema tido, havido e festejado como prioritário: a segurança pública.
Protegidos
Quatro agentes penitenciários ficaram feridos em acidente durante trans-porte de três presos em Santa Maria. Os detentos eram levados do presídio regional de Santa Maria para a penitenciária modulada de Ijuí. Um ônibus bateu na lateral da caminhonete da Susepe. O acidente foi na BR 158. Nem um dos três presos se feriu, pois estavam bem protegidos.
Bandidagem
Três adolescentes torturaram um menino de seis anos no Loteamento Popular, em São Sebastião do Caí. Segundo a Brigada Militar, a criança foi amarrada em um poste e, depois de empalada com um galho de árvore foi libertada para buscar dinheiro em casa e levar para os bandidos. A mãe soube do abuso e avisou a policia . Um dos adolescentes conseguiu fugir e os outros dois, de 16 e 14 anos, foram capturados.
Mistério
O casal Itapir Pereira, 38 anos, e Liria Sartorio, 27 anos, foi encontrado morto na manhã de sexta-feira na casa onde morava, no Centro de Cande-lária, no Vale do Rio Pardo. A polícia investiga se foi um duplo homicídio ou um homicídio seguido de suicídio.
Moça
Uma mulher apontada como a líder de uma quadrilha que assaltava ban-cos e estabelecimentos comerciais foi presa, ontem, por os agentes da 7ª DP de Porto Alegre na avenida Oscar Pereira, bairro Belém Velho. A jo-vem de 23 anos estava dormindo no momento da operação. No quarto dela foi encontrada uma pistola. Na casa, também foram localizados documen-tos de veículos furtados, munição, colete balístico e eletroeletrônicos que a polícia acredita serem roubados. Em um outro quarto dormia o companhei-ro da mãe da suspeita, com quem foi apreendida uma espingarda. Segundo o inspetor Elton Volnei Gonçalves da Rosa, a quadrilha liderada pela moça agia nos bairros Ipanema, Cavalhada, Belém Novo e Restinga.
Droga
Um apenado pretendia receber, por Sedex, mais de quinhentas pedras de crack na penitenciária de Osório. O pacote, interceptado ontem, com o en-dereço da mãe de um dos apenados, continha, como camuflagem, um pote de creme hidratante.
Banco
A Brigada Militar impediu, ontem, a consumação de um assalto contra uma agência no HSBC da rua 24 de Outubro, na capital. Um bandido foi preso e outros dois conseguiram fugir.
Mortes
Um casal foi encontrado morto, ontem, em Candelária. Os corpos de Ita-pir Ferreira de 38 anos e Líria Satório, de 28 anos, estavam numa casa, no centro da cidade.
Volantes
A partir de ontem, a região do Vale dos Sinos conta com o serviço de u-nidades volantes. Com base na DPPA (Delegacia de Polícia de Pronto A-tendimento de São Leopoldo), à rua João Alberto, nº 98, no bairro Cristo Rei, a volante faz um atendimento local em casos de grande gravidade, dando início imediato às investigações. O chefe de polícia, delegado Pedro Carlos Rodrigues, acompanhado do titular da 3ª DP Regional Metropolita-na, delegado João Bancolini, inauguraram o serviço às 10h, em solenidade realizada em São Leopoldo. Bancolini será também o responsável pelo tra-balho das volantes.
Pornografia
Está tramitando no Senado projeto de lei de autoria do senador Sérgio Zambiasi (PTB) que criminaliza a omissão de funcionários de laboratórios fotográficos responsáveis pela revelação ou conhecimento de fotos porno-gráficas envolvendo criança ou adolescente, sem comunicar à autoridade competente.

Deixe uma resposta