PMs diante da dureza das novas viaturas

Profissionais da medicina do trabalho deverão ter novos pacientes vítimas do patrulhamento.
Creio – e não tenho motivos para não crer – que a inteligência da segurança pública do RS tem assessoramento técnico e científico para analisar a compra de cada equipamento a ser usado por seus profissionais, desde o coturno, no caso do policiamento ostensivo, até as viaturas. No entanto, entre os conselheiros desta coluna, conto com a participação de especialistas da área, pois eu não me apresento como especialista mas, sim, como simples observador. São esses conselheiros que apontam para um detalhe que merece ser observado, embora suas conseqüências, agora, sejam irreversíveis. A Brigada Militar receberá, em torno de 15 dias, 66 caminhonetes que serão utilizadas em patrulhamentos. Veículos do mesmo modelo, segundo o meu conselho, são utilizados pela Polícia Federal, mas não para patrulhamento e, sim, para operações rápidas e eventuais. Esses carros são duros como jipes e os PMs permanecerão neles durante 12 horas. Isso significa que os profissionais da medicina do trabalho do IPE, da Brigada Militar e da Ugapoci, em breve ficarão sobrecarregados de pacientes. Evidentemente que essas viaturas são duras quando novas e, a cada semana, ficarão mais duras ainda. Assim funciona a renovação da frota de veículos da Secretaria da Segurança que, de regalo, não conta com manutenção qualificada nem com reposição de peças.
Homicídios
O Rio Grande do Sul registrou, na madrugada de ontem, em Alvorada, o milésimo homicídio do ano. Rafael Gonçalves, de 25 anos, foi encontrado na rua Manoel Marinho da Cunha, bairro Bela Vista, com
marcas de tiros. O número de ocorrências é semelhante ao do ano passado. Em 2007, foram registrados, de janeiro a agosto, 1030 homicídios no Estado. A média é de mais de quatro assassinatos por dia.
A maior parte dos crimes acontece em Porto Alegre, que tem 249 homicídios registrados em 2008. Além da Capital,, os municípios que mais registraram crimes foram Canoas, Novo Hamburgo e Caxias do Sul. O Rio Grande do Sul é o terceiro estado com menos assassinatos no Brasil, o que pode ser considerado tanto uma honra para nós como uma desgraça para o país.
Bandido
Na madrugada de ontem, na Rua General Portinho, bairro Centro de Rio Grande, uma guarnição do 6º BPM efetuou a prisão de um jovem de 21 anos que tinha em seu poder 53m de fios elétricos furtados. O rapaz tem uma série de antecedentes por roubo a transportes coletivos, furto qualificado, assalto a pedestre e ameaça.
Pirataria
A Acadepol (Academia de Polícia Civil) promoverá, no próximo dia 27, o Seminário sobre a Propriedade Intelectual, que compreende o combate à purataria. O evento, que integra as festividades que celebram o 51° aniversário da Acadepol, terá participação de representantes do Ministério da Justiça e da Associação Brasileira de Empresas de Software. Inscrições e informações podem ser obtidas pelos fones (051) 3288- 9327 e 3288- 9328.
Mistério desfeito
A última peça do quebra-cabeças que faltava para desvendar o assassinato da líder comunitária Marlene Álvares de Oliveira, 51 anos, e de seu companheiro, Osmar Matos de Souza, 57 anos, foi encaixada nesta quinta-feira. Sete meses e nove dias depois do crime, Cristiano de Oliveira Pazter, o Francês, 18 anos, confessou ter matado o casal para roubar o apartamento no bairro Restinga. Um trabalho importante da Polícia Civil, pois o caso chegou a ser considerado como insolúvel.
Droga
Agentes do Denarc prenderam em flagrante, na tarde de ontem, um homem de 36 anos. A prisão ocorreu na residência do suspeito, no bairro Vila Nova, na Capital. Foram apreendidos 2,5 kg de maconha e uma balança de precisão.
Cargas
Os furtos e roubos de cargas causam prejuízos de até 70 milhões de reais por ano ao estado. A estimativa é do presidente do Sindicato das Empresas de Transportes de cargas do RS, Sérgio Gonçalves Neto. Evidentemente que o prejuízo maior se registra quando do assassinato de caminhoneiros.
Nepotismo
A decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), que proíbe a pratica de nepotismo nos três poderes atinge o RS. No TCE (Tribunal de Contas do Estado), segundo observo da minha torre, há casos flagrantes de nepotismo cruzado envolvendo, inclusive, a área da segurança pública.

Deixe uma resposta