Reflexão entre a saga de Jonas e de Goularte.

Estamos numa semana decisiva para avaliar o poder de negociação da pasta da Segurança.
Hoje, o titular da SSP-RS, Edson de Oliveira Goularte, chega ao 17° dia de sua gestão. Ainda que não houvesse nenhuma crise aguda na pasta, poder-se-ia dizer que este período é muito pouco, é quase nada, para uma avaliação do seu trabalho e da sua força junto ao Piratini. No entanto, a governadora Yeda Crusius apressou a sua posse, que ocorreu no domingo frio e tempestuoso de 27 de julho, tangida pela greve dos servidores da Susepe e que se agravara com a morte de um apenado baleado por um PM. Empossado, Goularte foi almoçar no Presídio Central e, por certo, deve ter lembrado que Jonas conheceu, como ninguém, a baleia, por ter estado dentro dela. Mas Jonas, na lenda, cumpriu a sua missão por ter recebido a força do Senhor. Estará Goularte com a força da Senhora do Piratini? Sigam-me.
Tapete
A greve da Susepe chega, hoje, ao seu 32° dia. Cerca de 600 PMs foram retirados das ruas, Goularte não conseguiu sequer montar seu gabinete e opera com toda a estrutura de seu antecessor, José Francisco Mallmann. Esta semana é decisiva para que se avalie o poder de negociação de Goularte não só com a categoria em greve, mas, num contexto grave, com o próprio Piratini. Este humilde marquês lembra que, nesse novo jeito de governar, o tapete que leva à titularidade da SSP-RS tem sido estendido sobre rodinhas, ou seja, é muito fácil de ser puxado.
Sistema penitenciário
Até o dia de ontem, a Brigada Militar foi levada a assumir o controle de 17 casas prisionais do Estado em conseqüência da greve dos servidores da Susepe. Acrescentando-se a isso, a Brigada Militar deverá realizar a tarefa de escoltar presos para as audiências judiciais.
Assassinatos
No último fim de semana, pelo menos 18 assassinatos ocorreram no RS. O Estado, este ano, superou a marca de mil assassinatos.
Resposta
A Brigada Militar intensificou suas ações no eixo Porto Alegre-Caxias do Sul. Policiais da área administrativa e alunos das academias de policia estão mobilizados para operações que envolvem os comandos da capital região metropolitana, Vale dos Sinos e Serra Gaúcha. O comandante geral da corporação, coronel Paulo Roberto Mendes, disse que a operação é resposta ao aumento do crime nos últimos dias nessas áreas. O policiamento ostensivo mantém, portanto, a estratégia de responder ao fato consumado.
Curso no MP
A FMP (Fundação Escola Superior do Ministério Público) está com matrículas abertas abertas para os cursos preparatórios à carreira do MP, pelos quais passaram 80% dos promotores que atuam no Estado. As inscrições podem ser feitas no site www.fmp.com.br (com exceção do Regular) ou no setor de atendimento da instituição, na Rua Coronel Genuíno, 421, 6º andar, no Centro de Porto Alegre. Informações pelo telefone (51) 3027-6565. Alunos e ex-alunos da FMP têm 5% de desconto. Cursos como este, invariavelmente, arregimentam grande parcela de jovens delegados de polícia que tentam escapar do miserê da segurança pública.
Crime e castigo
Um assaltante morreu e outro ficou ferido, na manhã de ontem, em confronto com um PM, em Alvorada. Os criminosos renderam três funcionários de uma filial da rede das lojas Pompéia e roubaram 2 mil e 600 reais do cofre do estabelecimento. Na fuga, a dupla se deparou com o PM que fazia a ronda na avenida presidente Vargas. Os assaltantes dispararam cinco tiros contra o policial, que revidou. O criminoso morto era apenado do regime semi aberto e deveria retornar ontem à tarde para o instituto penal de Charqueadas. O outro, que ficou ferido na perna, também possuía antecedentes criminais.
Sem remuneração
Agentes da Polícia Civil da 19ª Região Policial, com sede em Lajeado, decidiram montar uma comissão para expor uma grave situação que atinge os policiais lotados nos pequenos municípios do RS. Um documento foi entregue ao presidente da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembléia Legislativa, deputado Marquinho Lang (DEM) explicando que os policiais civis lotados em cidades que não tem plantão permanente são obrigados a cumprir uma “escala de sobreaviso” não regulamentada, sem nenhum tipo de remuneração.
*Reproduzido do Jornal O sul com autorização

Deixe uma resposta