Monumento urbano, Viaduto Otávio Rocha tem iluminação recuperada

Higino Barros

Quem passou a noite pelo Viaduto Otávio Rocha, nessa quinta- feira, dia 12, na avenida Borges de Medeiros, Centro Histórico da capital, teve uma bela surpresa. A iluminação do local, o principal “monumento urbano” de Porto Alegre está funcionando em sua totalidade já que foram substituídas lâmpadas que estavam queimadas e/ou depredadas.

O trabalho de iluminação a cargo da IP Sul, contratada pela prefeitura, repôs 20 lâmpadas que estava danificadas, das cerca de 70 que existem no local. Segundo um funcionário da empresa, em 2020 houve duas reposições como essa. Ele comentou: “Vamos ver quanto tempo dura”.

Mas a declaração sobre as reposições regulares é contestada por quem frequenta o local. Como o produtor cultural Marcos Monteiro que promove exposições fotográficas na Escadaria da Borges desde 2018 e garante que a partir de  2019 a iluminação foi ficando cada vez mais precária.

De qualquer maneira, o viaduto e a escadaria estão iluminados e a intenção dos gestores da Prefeitura Municipal é que os locais sejam recuperados em todos os seus aspectos, inclusive com policiamento mais ostensivo e com câmeras para aumentar a segurança da população e evitar atos de vandalismo, entre outros.

 

Lei Aldir Blanc: edital de R$ 395 mil premia Povos e Comunidades Tradicionais da capital

 

A Secretaria Municipal da Cultura (SMC) publicou em edição extra do Diário Oficial (Dopa), desta terça-feira, 27, o edital do processo de premiação denominado Povos e Comunidades Tradicionais de Porto Alegre. O instrumento é destinado à aplicação dos recursos do inciso III da lei federal 14.017 (Lei Aldir Blanc). O objetivo é premiar 50 propostas, totalizando o recurso de R$ 395 mil. As inscrições podem ser feitas até o dia 04 de novembro, (até 16h59), através de ficha de inscrição e formulário on-line, disponíveis neste link http://bit.ly/PovosTradicionaisLeiAldirBlanc.

Podem participar povos e comunidades tradicionais reconhecidos, residentes em Porto Alegre e designados como Pessoas Físicas, tais como comunidades quilombolas, comunidades indígenas, comunidades ribeirinhas, ciganas e terreiros. Serão contempladas até 29 propostas de Povos e Comunidades Tradicionais, com o valor de R$ 10 mil por premiação, e até 21 propostas de Terreiros, como o valor de R$ 5 mil por premiação.

Cronograma

Divulgação dos resultados no Dopa e neste site.

Inscrições: até o dia 04 de novembro de 2020  (às 16h59 no horário de Brasília), através de ficha de inscrição e formulário on-line http://bit.ly/PovosTradicionaisLeiAldirBlanc/

Divulgação das inscrições habilitadas (análise apenas de documentação): 06 de novembro;

Prazo para recursos administrativos: De 09 de novembro à 11 de novembro através do endereço eletrônico  [email protected];

Divulgação do resultado dos recursos: 12 de novembro;

Período de seleção de propostas: 13 a 17 de novembro;

Divulgação dos projetos premiados e suplentes: 18 de novembro.

Seminário une Fotografia e História

Estão abertas as inscrições para o SEMINÁRIO FOTOGRAFIA E HISTÓRIA
no qual serão analisadas fotos, álbuns familiares e relatos pessoais de histórias de vida das/dos participantes.

O ministrante do Seminário, Cláudio Fachel, explica que o objetivo é “construir elementos para uma genealogia fotográfica contextualizada historicamente, percebendo um sentido coletivo nas coleções de fotos compartilhadas.
Assim, queremos possibilitar uma ressignificação das memórias para além da nostalgia, abrindo caminhos para novas afetividades.”

SERVIÇO

Estão abertas as inscrições para o SEMINÁRIO FOTOGRAFIA E HISTÓRIA
no qual serão analisadas fotos, álbuns familiares e relatos pessoais de histórias de vida das/dos participantes.

O ministrante do Seminário, Cláudio Fachel, explica que o objetivo é “construir elementos para uma genealogia fotográfica contextualizada historicamente, percebendo um sentido coletivo nas coleções de fotos compartilhadas.
Assim, queremos possibilitar uma ressignificação das memórias para além da nostalgia, abrindo caminhos para novas afetividades.”

Mais informações e inscrições no https://www.fotorie.com/semfotmem

SERVIÇO

10 de agosto a 03 de setembro (segundas e quintas-feiras)
. 19:20 às 20:30
. plataforma Zoom
. Investimento –  R$ 300,00
Sindicalizados Sindjors – R$ 240,00 (depósito ou boleto)

10 de agosto a 03 de setembro (segundas e quintas-feiras)
. 19:20 às 20:30
. plataforma Zoom
. Investimento –  R$ 300,00
Sindicalizados Sindjors – R$ 240,00 (depósito ou boleto)

Novo secretario de Cultura quer fazer auditoria na Lei Rouanet

O secretário de Cultura, Mario Frias, afirmou que pretende uma auditoria sobre a aplicação dos recursos pela lei de incentivo à cultura, conhecida por Lei Rouanet, em entrevista há pouco à CNN Brasil.

Frias substituiu a ex-secretária Regina Duarte há uma semana. O novo secretário disse que não podem existir “os barões da Lei Rouanet”.

Frias ressaltou que a lei de incentivo à cultura é fundamental para um país que se preocupa com cultura. “Mas a cultura não é limitada ao eixo Rio-São Paulo, a cultura é brasileira e deve chegar a outros Estados”, defendeu.

 

Acendimento da Chama Crioula é transferido para 2021

O Acendimento da Chama Crioula, que marca a abertura dos Festejos Farroupilhas a cada ano, foi transferido para 2021, devido à pandemia da covid-19 e respectivos protocolos de saúde pública estabelecidos pelas autoridades sanitárias e que suspenderam todas as atividades que gerem aglomeração.

Foto Divulgação Assessoria de Imprensa MTG

A definição aconteceu em reunião online realizada no dia 9 de junho pela presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho do Rio Grande do Sul, Gilda Galeazzi, com os coordenadores das 30 Regiões Tradicionalistas. Para referendá-la, nos próximos dias, haverá reunião do Conselho Diretor da entidade.

Para 2021, fica mantida a cidade de Canguçu, na 21ª Região Tradicionalista, como local do evento e a portaria 39/2014, que define os locais de acendimento da Chama Crioula para os próximos 30 anos, fica estendido para 2045.

Segundo Gilda, o local, o acendimento e a distribuição da Chama Crioula em 2020 ficam a critério de cada uma das 30 Regiões Tradicionalistas, dentro de suas áreas de atuação, e em conformidade com os decretos de saúde pública estaduais e municipais.

Aula gratuita de pandeiro online ao vivo

A Oficina Panderô juntou, em 2019, um grande número de pessoas para tocar pandeiro em roda e aprender tudo sobre esse instrumento que é tão popular no Brasil.

Quando suas atividades iriam recomeçar, em 2020 veio a pandemia e respeitando a quarentena e o isolamento social o seu início foi adiado. Sem perspectiva de retomar os encontros presenciais, o músico Guilherme Fejão (idealizador do projeto), resolveu dar continuidade em formado EAD.

No mês de abril foram ministradas aulas pelo instagram do perfil @oficinapandero, que foram muito bem recebidas pelo público. Para o mês de maio Fejão irá iniciar turmas coletivas em EAD ao vivo, pelo app Google Meet.

Para dar início ao novo formato na próxima terça, dia 05 de maio, a Oficina Panderô irá realizar um Aulão de Pandeiro gratuito, aberto a todos interessados em conhecer e tocar este tamborzinho portátil, desenvolver as técnicas, ritmos e possibilidades do pandeiro.

AULÃO ABERTO OFICINA PANDERÔ EM EAD AO VIVO

05/05, Às 17h. Atividade gratuita. Vagas limitadas. Informações pelo e-mail [email protected] ou whatsapp (51) 99665.3921

Prêmio Açorianos de Literatura: inscrição pode ser por email.

A prefeitura retificou o edital do Prêmio Açorianos de Literatura. Os candidatos agora podem se inscrever pelo email [email protected] até a terça-feira, 31. A alteração ocorreu devido à suspensão das atividades do Centro Municipal de Cultura, em função da pandemia do coronavírus.

Os candidatos devem enviar a ficha de inscrição e o termo de ciência de participação assinados e digitalizados. Após a reabertura do Centro Municipal de Cultura, a Coordenação de Literatura e Humanidades da Secretaria Municipal da Cultura (SMC) divulgará o novo prazo para a entrega dos exemplares dos livros inscritos. Já a data da cerimônia de entrega da premiação será definida após a retomada das atividades da SMC.

Podem participar livros literários, de ensaios ou em categoria especial, editados por autor nascido ou residente em Porto Alegre e/ou editora porto-alegrense. Concorrem obras com primeira edição de janeiro de 2018 até dezembro de 2019, com inscrição prévia e desde que não tenham sido inscritas em qualquer das edições anteriores do prêmio.

Criado pelo artista plástico Xico Stockinger, o troféu Açorianos de Literatura será concedido a critério dos júris específicos e do júri final às melhores obras entre as inscritas. A exceção é para a categoria Destaques Literários, em que não há inscrição prévia. Concorrem na categoria Destaques Literários livros infantis, infantojuvenis, poemas, contos, crônicas, narrativas longas (ficção: romance ou novela), ensaios de literatura/humanidades e especiais. Entre os vencedores das categorias, será indicado o Livro do Ano. Também poderão ser premiados os Destaques Literários.

Os Destaques poderão ser conferidos na livrarias, editoras, projetos de incentivo e divulgação do livro e da leitura, veículos de comunicação (jornais, revistas, TV’s, rádios, sites, blogs, páginas de Facebook, etc), conforme indicação espontânea dos júris. A divulgação dos vencedores será realizada no evento Noite do Livro.

A música afro-afetiva de Raquel Leão, no Chapéu Acústico dedicado ao Mês da Mulher

O Projeto Chapéu Acústico, que acontece nas terças-feiras, às 19h, no Salão Mourisco da Biblioteca Pública do Estado (BPE), dedica o mês de março à representatividade feminina na música. Quem abre a programação do Mês da Mulher, na terça-feira, dia 3, é a cantora e compositora paraense Raquel Leão.
Radicada em Porto alegre desde 2010, Raquel gravou um EP intitulado “Nega”, com influências musicais que vão desde o Carimbó, o Lundum e a Cúmbia, ritmos de sua terra, até os cantos de terreiro, os batuques de preto, os tambores do norte e do sul. A partir do contato com músicos gaúchos, desde que chegou a Porto Alegre, o trabalho de Raquel Leão foi misturando novos sotaques, que se entrelaçam no que ela define como sonoridade afro-amazônica.
Raquel percorre o caminho dessas sonoridades brasileiras no que ela chama de música afro-afetiva. “Música é afeto. Passa por quem compõe e canta e chega em quem escuta pelo coração”, resume a cantora e compositora.
No Chapéu Acústico da próxima terça-feira, Raquel Leão vai estar acompanhada por Ricardo Cordeiro, compositor, violonista, cantor, arranjador, produtor e professor de música. Natural de Rio Grande, mas radicado em Porto Alegre, Ricardo joga com a sonoridade do mar e a relação com o litoral do Rio Grande do Sul, com o sal, os ventos e as ondas em suas composições. Não por acaso, lançou o CD intitulado “Mares do Sul”, que mescla jazz, samba e flamenco, com letras que enaltecem as belezas naturais das lagoas e rios da Costa Doce, que desaguam em Rio Grande, sua terra natal.
O show Afro-afetividades reúne o trabalho autoral de Raquel Leão com composições de músicos e amigos de Porto Alegre e do Pará, além de canções do “lado B” da MPB. “O show é rítmico, dissonante. Tem a ancestralidade negra e a atualidade dos sons dos tempos e momentos que vivemos hoje”, antecipa a cantora e compositora.

SERVIÇO:
Chapéu Acústico – Show “Afro-afetividades” com Raquel Leão

Quando: dia 3 de março | terça-feira
Horário: 19h
Onde: Salão Mourisco | 2º andar da Biblioteca Pública do Estado | Rua Riachuelo, 1190 – Centro Histórico – Porto Alegre
Ingressos: contribuição espontânea no chapéu

IEL promove mesa-redonda e lança fascículo digital em homenagem a Aldyr Garcia Schlee

Dentro da programação do Instituto Estadual do Livro (IEL) na Feira do Livro de Porto Alegre está uma mesa em homenagem ao escritor Aldyr Garcia Schlee (1934-1918) e o lançamento do fascículo biobliográfico “Escritores Gaúchos – Série Digital: Aldyr Garcia Schlee”. O evento será realizado no próximo sábado, dia 2 de novembro, às 14h, na Sala O Retrato do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (Andradas, 1223), com entrada franca.

Editado pelo IEL, instituição da Secretaria de Estado da Cultura do RS, o volume será disponibilizado gratuitamente na internet, através do endereço eletrônico ielrs.blogspot.com e conta com relatos, imagens e trechos da obra que resgatam a trajetória do autor homenageado, bem como sua última entrevista. Participam da atividade Alfredo Aquino, Luiz-Olyntho Telles da Silva e Maria Eunice Moreira.

Curso de Cultura Fotográfica começa sábado, na ARI

A Associação dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos do Rio Grande do Sul (ARFOC) e a Associação Riograndense de Imprensa (ARI) promovem  um curso de  Cultura Fotográfica, com início dia 19 de outubro. Inscrições em http://www.ari.org.br/cursos/curso-cultura-fotografica/
Diferente dos cursos de fotografia orientados para as questões técnicas, o programa foca nos aspectos subjetivos da captação da imagem, enfatizando a sensibilidade na observação, o processo criativo e o contexto estético e documental.
O objetivo é difundir a compreensão da fotografia como expressão cultural, a partir da percepção de sua evolução histórica e de suas relações orgânicas com os campos das artes e da comunicação, para fomentar a autonomia dos participantes em seu exercício concreto, por meio do estímulo à investigação e ao desenvolvimento de suas próprias narrativas visuais.
A primeira edição do curso ocorrerá entre os dias 19 e 26 de outubro, compreendendo cinco aulas teóricas interativas, no auditório da ARI, e duas atividades de campo no Centro Histórico de Porto Alegre.
Informações de local e horários
Data: 19 a 26 de outubro
Local: Auditório da Associação Riograndense de Imprensa
Av. Borges de Medeiros, 915, 8º andar. Centro Histórico de Porto Alegre
E-mail: [email protected]
Fone: 3211-1555
www.ari.org.br
Programa do I Curso de Cultura Fotográfica
Sábado, 19/10 – 15h a 17h: atividade de campo no Centro Histórico;
Segunda, 21 – 19h a 21h30: primeira aula – O Olhar;
Terça, 22 – 19h a 21h30: segunda aula – Os Fotógrafos;
Quarta, 23 – 19h a 21h30: terceira aula – Luz e espaço-tempo;
Quinta, 24 – 19h a 21h30: quarta aula – Fotografia analógica;
Sexta, 25 – 19h a 21h30: Oficina de composição e criação;
Sábado, 26/10 – 15h a 17h: atividade de campo no Centro Histórico;
Investimento: R$ 350,00. Estudantes e Sócios da ARFOC e ARI têm desconto de 20%.
Ministrantes do I Curso de Cultura Fotográfica
Claudio Santana
Fotógrafo, artista visual e produtor cultural. Bacharel em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da UFRGS. Coordenou o Inventário dos Personagens do Centro de Porto Alegre, projeto selecionado pela UNESCO. Coordenou ainda o Seminário Internacional La Machinerie de l’Art – Escola de Artes França-Brasil, em Porto Alegre. Foi artista convidado para a exposição fotográfica internacional Le Lieu, Le sujet – O Lugar, O Sujeito, Porto Alegre e Paris, 2009.  Atuou como produtor executivo da Fundacine – Fundação Cinema RS. Coordenou e produziu o documentário Terra dos Gaúchos, em parceria com a EMBRATUR e Secretaria de Turismo do Estado do Rio Grande do Sul. Foi fundador e diretor do Núcleo de Economia Criativa de Porto Alegre. Dirigiu e produziu o documentário curta-metragem Parte de Mim, sobre a artista visual Maria Inês Rodrigues. Membro associado da instituição cultural Latitudes Contemporaines, França.
Alfonso Abraham
Fotojornalista radicado no Brasil, nasceu em Barcelona há 66 anos e por mais de 35 anos trabalhou na imprensa. Bacharel em Tecnologia do Meio Ambiente. Fotógrafou para os jornais Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo, Correio do Povo e Zero Hora, entre outros; fundou a Diafragma, primeira agência fotográfica do sul do país; fotografou também para a agência inglesa Keystone. foi chefe do Departamento de Fotografia do Palácio Piratini e da Assembleia Legislativa do RS. Iniciou sua trajetória profissional com o pai, José Abraham, detentor de mais de 20 prêmios de jornalismo. Nos últimos 20 anos dedica-se a ensaios fotográficos e à formação de um banco de imagens do Rio Grande do Sul, com acervo de mais de 10.000 imagens. Realizou várias exposições, entre elas no Memorial do Rio Grande do Sul, no Museu de Arte de Santa Maria e no Instituto Histórico e Geográfico do RS. Vencedor de três prêmios ARI de fotojornalismo. Pesquisador em História da Arte, acadêmico em Escrita Criativa pela PUCRS.