Pietro Albuquerque: vida e morte do guri que virou lei

Por Renan Antunes de Oliveira | Com reportagem de Daiane Menezes

Anote o nome: Pietro. Pietro Albuquerque. Com certeza você ainda vai ouvir falar deste jovem classe média alta da Zona Sul. Morto de leucemia mielóide poucos dias antes de fazer 20 anos, ele já tem um lugar na história: em sua homenagem a Câmara Federal aprovou a “Lei Pietro”.

A proposta foi do pai dele, o deputado federal do PSB gaúcho Beto Albuquerque, apresentada em dezembro de 2007, logo depois do filho ter sido diagnosticado com a doença – o pai deputado sentiu as dificuldades do brasileiro comum para tratar leucemia pelo SUS.

A lei designa de 14 a 21 de dezembro “Semana de Mobilização Nacional para Doação de Medula Óssea” – como transplante é a única chance de cura, a lei transformou a dor da família Albuquerque em esperança para milhares de pessoas na mesma situação.

O projeto se arrastou um ano na Câmara – ao mesmo tempo a doença ia consumindo Pietro. Para tratar-se, ele recorreu a bancos de doadores em Paris e Nova York. Um dia depois de sua morte, em 3 de fevereiro, os parlamentares se deram conta do drama do colega e aprovaram a lei.

O mérito da proposta é mobilizar a sociedade para conseguir doadores no país: “Se meu pai não fizer mais nada no mandato, já terá feito muita coisa por muita gente”, diz Rafael, publicitário, 23 anos, irmão de Pietro.

É um elogio ao pai, mas também um fato: segundo estatísticas do Ministério da Saúde, todo ano quase 10 mil pessoas contraem leucemia. O Brasil tem 300 mil doadores cadastrados. É pouco: cada doente tem só uma chance em 100 mil para encontrar alguém compatível.

Entre os vários tipos da doença, a mielóide é a mais difícil de curar, mata oito de cada 10 pacientes. Na maioria das vezes ataca homens adultos, dos 50 pra cima, embora tenha acertado Pietro na flor da juventude, aos 18.

Em 14 meses de luta contra a doença, ele usou todo arsenal médico disponível. Era beneficiário da mãe no plano de saúde do Banco do Brasil e se tratou no melhor hospital brasileiro, o das Clínicas, em São Paulo.

APOIO
Foi preciso mudar de cidade porque não havia leito do SUS para pacientes da doença na base eleitoral do deputado: “Porto Alegre só tem sete ou oito leitos especiais para essa doença. Tentei outros lugares públicos mais próximos, mas também não consegui lugar para ele”, disse Beto – e se foi difícil para um dos líderes do governo, imagine-se para o cidadão comum.

Pietro teve apoio de pai, mãe, irmãos, madrasta, avós. Teve todo dinheiro necessário para todas as despesas. Fez quimioterapia e radioterapia. Foi mantido em quartos isolados para evitar contaminação. Tentou até o transplante de cordão umbilical, a última moda em soluções mágicas.

Quando nem os bancos de medula no exterior ajudaram, os médicos tentaram transplante de medula com material doado pela mãe. Esta cartada final da medicina também não funcionou.

Por todos os relatos, o Pietro que se foi era um cara na dele, muito tranqüilo. Nasceu em Passo Fundo, veio pequeno para Porto Alegre. Gostava de garotas, de ler, de música, de Floripa, de cinema, do Colorado, do gato Tinkleydison.


Olhando para trás, ele parecia saber que estava marcado para morrer cedo. Aos 16, publicou um livro com título premonitório: “Dias Contados”.

A obra saiu durante a Jornada Nacional de Literatura da Universidade de Passo Fundo. No texto de apresentação a professora Tânia Rosing escreveu que “Pietro de Albuquerque terá longa vida como escritor” – ela não teve a menor intuição do que estava por vir.

O livro é muito bom, ainda mais considerando que foi escrito quando o guri tinha 15. E são 296 páginas – uma façanha nestes tempos em que adolês falam por email e torpedos.

“Dias Contados” é sobre o cotidiano de quatro personagens meio autobiográficos: Yuri, Caíque, Cecília e Priscila. Seriam ele mesmo, seu irmão e duas primas. O irmão diz que muito do que está escrito é da vivência, “ele era muito observador”, mas que também há coisas inventadas porque “ele era muito criativo”.

No texto, o personagem Yuri se descreve como “um garoto bem sociável, nada tímido, mas também não muito extrovertido. Ao mesmo tempo em que gosta de dar uns beijos sem importância, é muito romântico”.

Pietro balançou um pouco, lá pelos 10 anos, quando os pais se divorciaram. “Foi surpreendente, inesperado, pois para todo mundo parecia um conto de fadas”, diz Rafael. “Pietro ficou muito pra dentro”, dando no ponto em que o brother se tornou introvertido.

Os dois ficaram vivendo com a mãe, dona Débora. Logo estabeleceram uma rotina sem o pai, que só viam nos fins de semana e datas especiais – o deputado, sempre ocupado em Brasília, casou de novo e tem mais uma filha, Nina, pequena.

Muitas das estrepolias contadas no livro foram a maneira que Pietro encontrou para lidar com a separação. A primeira frase: “O menino era muito parecido com o pai, embora tivesse alguns traços da mãe”.

Quando fala dele, o pai tenta não se emocionar muito: “O Pietro era um menino muito envolvido com a cultura”, disse, em entrevista, algumas semanas depois da morte.

Ele lia Josué Guimarães, Érico Veríssimo, Machado de Assis, Lima Barreto, Umberto Eco. “Eram autores que ele tinha que ler para o vestibular, mas que acabou gostando e indo adiante”, conta Rafael.

Beto e Pietro: nos bons tempos

O deputado agora está lendo o segundo livro do filho, “Quem tem coragem”, uma obra inédita que Pietro escreveu no hospital e deixou na memória de seu notebook. O texto tem uma leve marca da tragédia que se aproximava:

Agora, ele já podia comemorar aliviado o seu feito. Havia completado a sua missão. Havia terminado o que antes não havia conseguido. Restava-lhe esperar. Esperar por um juízo. Nunca fora de acreditar em destino, mas talvez os acontecimentos mais primordiais de sua vida o fizessem repensar. Era até irônico. Mais atrás, às suas costas, quatro homens de arma em punho vinham na sua direção sedentos por vingança. “Achar vai ser fácil, o difícil é conseguir sair”. E riu, preferindo nem olhar para o que lhe aguardava. E tirou do bolso o seu amuleto. Coragem, rapaz, coragem.
NAMORADOR

Até ser diagnosticado com a doença, Pietro vinha se dando bem na vida. Fotos mostram que ele não era de se botar fora. Não tinha namorada, mas era um “ficante” que “honrava as tradições” – é a linguagem de Rafael para descrever o irmão namorador.

Pietro queria ser escritor e roteirista de cinema. Já doente, passou no vestibular para cinema na federal de Santa Catarina.

Outra paixão era a praia do Campeche, em Floripa, onde vivem as duas primas do livro. Ia seguido pra lá. No álbum da família ele aparece em fotos na praia, saudável, sorridente, como se nada pudesse lhe acontecer.

Pietro não era do tipo consumista – seus gastos quase nunca eram maiores do que a pensão de 200 reais que recebia do pai. O programa preferido era ver filmes com a mãe e o irmão. O último foi Na Natureza Selvagem, a história amarga de um jovem andarilho americano morto no Alasca.

Ele queria muito viajar. Tinha ido pra Disney quando pequeno, conhecia um pouco Uruguai, Paraguai e Argentina, mas sonhava com lugares exóticos. Um plano maluco era mudar-se para Valetta ou Birkirkara, cidades de Malta, uma ilha do Mediterrâneo.

Parece 100 por cento garantido que ele planejava mesmo mudar-se para lá quando desse, tanto que o projeto estava no Orkut dele – e se está no Orkut é pra valer.

Outros sonhos ? Andar de trenó. Abrir uma padaria em sociedade com a prima Yve – ela também adoradora de Malta, país cuja característica mais notável foi ter sido cristianizado por São Paulo em pessoa.

Pietro acreditava em Deus, mas a última vez que pisou numa igreja foi na primeira comunhão, lá pelos 10 anos. Não acreditava em política. “Acho que é porque sempre vivemos com a política na família, ele acabou indiferente”, conta Rafael – um tio deles, Francisco Turra, também é deputado federal e cordial adversário do pai.

No Orkut ele se definia como quem “narra a vida na terceira pessoa”, além de ouvinte da banda Coldplay. Fotografava a si mesmo nas situações mais hilárias, como se dando um tiro imaginário quando rodou no vestiba da URGS.

Já minado pela doença, mantinha o bom humor na web, onde tinha 454 amigos. Estava ligado na comunidade “Doe Medula Óssea”. Na parte onde os internautas buscam namoradas ele só pedia como companheira ideal “uma medula nova bem fresquinha”.


A medula dele deixou de produzir sangue normal em algum momento no final de 2007. Os primeiros sintomas foram tonturas e náuseas. Um dia ele desmaiou durante uma aula no cursinho Unificado. No Hospital Mãe de Deus, os médicos diagnosticaram uma anemia profunda e pediram mais exames – em poucos dias a terrível doença foi descoberta.

A mãe estava com ele na hora do diagnóstico e foi sua enfermeira até o fim: “Os dois eram muito apegados, ficaram mais ainda”, lembra Rafael.

Dali pra frente a rotina da família virou de pernas para o ar. Pietro começou a fazer quimioterapia. Um mês no hospital, uma semana em casa. Em maio, depois de quatro meses de quimio, a traiçoeira doença parecia ter desaparecido: “Pensamos que ele se enquadraria entre os que conseguem se dar bem apenas com tratamento”, conta o pai – agora o deputado dedicava todos os fins de semana para estar junto com o filho.

A pequena melhora deu esperanças à família. Beto comemorou levando Pietro para Gramado e Canela, dias de brincadeiras com Nina. Ele ainda teve condições de ir pra Maceió com a mãe.

DOADORES

Em junho, o drama recomeçou. Ele começou a sentir-se mal outra vez. Testes confirmaram o pior. Foi aí que médicos e família começaram a procurar um doador de medula compatível – não adianta ser da família, tem muito a ver com o tipo de sangue e outras variáveis. Basta ver que o irmão era 80% compatível, mas ao mesmo tempo não era melhor do que os 65% de compatibilidade da mãe.

O transplante só é solução se é encontrado um doador cedo. Pietro demorou 10 meses para o primeiro e 13 para o segundo, quando então já estava muito debilitado. O que faltou ? Justamente pessoas cadastradas como doadoras.

Até no exterior, a busca por um doador compatível foi infrutífera – isto que o banco americano de medula tem 15 milhões de doadores. Em agosto, os médicos tentaram a nova técnica de usar cordões umbilicais.

Eles encontraram um na França e outro nos Estados Unidos. Sangue 80% compatível com o de Pietro. Mas era puro risco: até ali, só 500 transplantes assim tinham feitos no mundo. Por questões burocráticas, o transplante de cordão demorou até novembro, o que não ocorreria se o país tivesse um bom banco do material – como Pietro já tava mal, piorou mais.

O ano em São Paulo foi duro também para a família, mas ela se uniu em torno dele. Rafael conta que houve “entrega total de todo mundo. Ninguém media esforços. O pai era bom na tomada de decisões sob pressão. Cada um tinha um papel diferente. A mãe sempre dormia com o Pietro no hospital”.

Rafael ainda encontra tempo para dizer que a doença o fez descobrir de novo o pai em Beto: “Me reaproximei dele, fiquei com uma admiração imensa por quem ele é, pelo que ele fez”.
Os médicos iam fazendo o que podiam por Pietro. Rafa acha que “a medicina em São Paulo está cinco anos na frente de Porto Alegre em agilidade e remédios”, mas ela não faz milagres.

O transplante de material genético obtido dos cordões umbilicais do exterior pareceu dar certo. A medula pegou no tranco. Chegou a produzir sangue saudável, mas isto durou pouco. Pietro ganhou uma quase alta em São Paulo. Passava algumas horas por dia no ambulatório do HC e o resto do tempo num flat com a família – era o máximo possível de normalidade.

Exatos 85 dias depois, justo no Natal, a doença voltou. A tentativa seguinte foi o transplante de medula da mãe – a segunda chance para dona Débora Gelatti lhe dar a vida.

Para fazê-lo, é necessário que o paciente passe por pesadas sessões de quimioterapia e radioterapia – isto rala o corpo, com o objetivo de zerar a imunidade para não rejeitar o material doado.
Pietro enfrentou esta barra, mas foi para o transplante nas últimas energias. A operação caiu no dia 6 de janeiro, aniversário de Beto – se alguma coisa isto significa, que outros busquem o sentido: medula da mãe, no dia do pai.

O deputado apelou até para seu santo de devoção: “Se desse certo, nós iríamos visitar a terra de São Francisco, na Itália”.

Dali pra frente o quadro se complicou de vez. Ele teve uma sinusite que virou pneumonia, que virou infecção pulmonar, que virou Síndrome de Angústia Respiratória de Adulto, tudo isso em 16 dias após o transplante.

Nesta etapa ele já estava todo ligado em tubos e diferentes aparelhos. “Apesar de tudo, Pietro sempre foi muito confiante. O cara estava a fim de viver. Quando a gente falava o que estava fazendo, ele só dizia ‘beleza, vamos tentar’”.


E aí, entre 22 de janeiro a 3 de fevereiro foi só sofrimento. Pietro caiu na inconsciência, da qual não mais voltaria. Fazia gestos de sim com a cabeça, apertava a mão do interlocutor, mas já era pura agonia. Beto resume tudo: “Pietro foi um guerreiro”.

Na tarde do dia 3 os médicos avisaram a família que o menino deles estava em seus últimos momentos – ele morreria horas depois, mansamente, na madrugada. “Ali choramos tudo o que tínhamos, eu, meu pai e minha mãe”, lembra Rafael, agora tranqüilo. Um padre esteve no quarto e lhe deu a extrema-unção.

Recuperado e também sereno, o deputado diz que o filho lhe deixou uma tarefa: “Quero evitar que outros pais passem o que eu passei”.

Pietro foi enterrado no Jardim da Paz. Presentes, 17 deputados, o presidente da Câmara Michel Temer e o ministro das Relações Institucionais José Múcio, representando o presidente Lula.

A família retomou sua rotina. Na casa da Zona Sul, nada de culto a Pietro. Seu computador e a TV ainda estavam no mesmo lugar no início de março, mês em que ele faria 20 anos, mas as roupas já foram doadas para os pobres. A cama estava feita, embaixo escondia-se o gato Tinkleydison.

Fotos dele continuam nas paredes. Sobre a mesa, dois recuerdos do Pietro que se foi. Uma engraçada caneca imitando seio feminino. E um pequeno jipe feito com massa de modelar, envernizado e colorido, com pranchas de surf na capota – tipo coisa sonhada para seus dias na ilha de Malta.

SAIBA COMO E ONDE DOAR A MEDULA ÓSSEA

0 comentário em “Pietro Albuquerque: vida e morte do guri que virou lei”

  1. Fantástica a matéria. Uma história que deveria ser contada assim, com emoção e verdade. Parabéns a todos do Jornal Já, por trazer a público a vida e o drama do guri Pietro.

  2. Ao ler o relato não consegui conter a emoção, pois conhecia este menino desde o nascimento, assim como conheço e convivo com seu pai.
    O relato feito também, de certa forma, me envolve e me faz lembrar da convivência que com Ele – Pietro – tive, pois esta viagem à Disney estava junto e muito bem me lembro da criança alegre, brincalhona e feliz que era, assim como de seu talento desde muito cedo.
    Tenham certeza, fará falta à nós todos, pois tinha muito potencial e era um menino muito talentoso e de muito bom coração.
    Deixa saudades, mas também deixa ensinamentos.
    Fernando Variani

  3. Parabéns pela matéria, que além de fazer um relato bastante fiel e detalhado do acontecido, também desempenha importante papel na divulgação da campanha em favor da doação de medula óssea, o que com certeza o Pietro gostará de saber que está acontecendo… a solidariedade a outras pessoas na mesma situação, que chegam a 10mil por ano só no Brasil.
    Para quem acompanhou de perto essa história, não há como não se emocionar.. Não tive com o Pietro em muitos momentos, mas o que convivi com ele pude perceber que se tratava de um menino a frente do nosso tempo, que publicou um livro e deixou outro escrito, com requintes e detalhes literários difíceis de serem concebidos na só na sua idade, mas inclusive para autores adultos.
    Tomara que sua vida tenho sido mesmo uma missão, um anjo que veio para salvar vidas e que, para isso, assim como outros na história, teve de doar a sua própria.

  4. Eu sou portador de um tipo de leucemia chamada de Linfoma linfoblástico de células T precursoras, estou vivendo um drama parecido, uma vida absolutamente normal até sentir os primeiros sintomas e lutar contra o tempo e em busca de informações e tratamento adequado. conheci a história de pietro pela mídia e me comovi muito, pois sei como e quanto é difícil se manter forte por periodos turbulentos. O que posso dizer é que ele foi e será sempre um exemplo de luta e amor a vida, que a sua jornada em busca da cura não se perca e se perpetue afim de gerar uma esperança geral e comover as pessoas a se tornarem mais que doadoras de medula e sim doadores da vida. um grande abraço a todos e muita força.

  5. Sem palavras para tornar grande uma vida apesar da pouca idade. Um jovem. Pietro! Um Homem ! Um Ser Humano imenso. Que estejas bem.
    Parabéns pela matéria. Um grande abraço.

  6. Parabéns pela matéria, realmente tocante.
    Não conhecia a história deste garoto, nem de seu pai, e fiquei emocionado ao ler a matéria.
    Parabéns mais uma vez, e para o Dep. digo que, continue sua luta, infelizmente no Brasil, algumas coisas só funcionam depois de sofrermos com ela.
    Abraços.

  7. Já minado pela doença, mantinha o bom humor na web, onde tinha 454 amigos. Estava ligado na comunidade “Doe Medula Óssea”.
    Eu era um desses 454 amigos =(~~
    Saudade eterna!

  8. Olá pessoal do Jornal Já. Aqui é o Rafael de Albuquerque, irmão do Pietro, como vai?
    Bom, achei que seria bacana para vocês que eu desse a crítica sobre a
    reportagem referente ao meu irmão. Eu, sinceramente, não gostei.
    Por uma razão óbvia: acho que o Renan não precisava ter me entrevistado para
    escrever aquilo. Aliás, a impressão que tive é que ele chegou aqui em casa
    querendo vender a idéia de que meu irmão era um cara “ativo”, “pegador” como
    grande parte das pessoas da sua idade. Coisa que ele não era. O problema é
    que ele era muito mais que isso, não precisava desses fatos para afirmar-se
    enquanto ser humano. Ele, com 19 anos, tinha visto que beber, pegar mulher
    por pegar e falar merda a toa não tem nenhum objetivo pessoal além de
    vangloriar-se socialmente. Além de ignorar os dizeres com relação aos
    livros, que não representavam a vida pessoal, e sim, valiam-se da sua
    observação e as erratas quanto ao nome da prima que ele tinha mais contato,
    entre outros. Achei que a reportagem tentou deixar a vida do meu irmão tão
    familiar e próxima de todos que acabou por perder a familiaridade com a
    história dele, coisa que prezo por ele até o fim da minha vida.
    Lógico que para a consciência de que é preciso ser doador, creio que a
    reportagem atinge seu objetivo. A minha única pulga atrás da orelha foi a
    tentativa de dar pessoalidade a redação mas não dar ouvidos ao que é
    singular e relevante referente a vida pessoal dele. Quanto a lei, a
    divulgação, tudo certo.
    Gostaria de deixar a minha posição,
    até para uma maior reflexão sobre posicionamentos pessoais em uma
    reportagem. Fiquei um pouco mais descrente quanto ao ofício de um
    jornalista.
    Meu pai e seus familiares gostaram da reportagem. Eu, por valorizar a vida
    dele e conhecê-lo de perto, discordo dessa opinião.
    Um abraço,
    Rafael de Albuquerque

  9. Gostei muito da matéria. Bem escrita e cativante. Parabéns. Não possuía informações sobre a pessoa do filho do Beto, o Pietro. Que lástima ele ter falecido tão jovem. Só não entendi a carta de seu irmão Rafael. Parece ser um chato.

  10. Fiquei surpreendemente tocada pela historia de vida de Pietro e por sua coragem ao encarar todo este drama ,sempre confiando!
    Seu sonho de ser escritor se tornou real,pois mesmo depois de sua partida conseguiu deixar a muitos uma bela historia de vida e insentivo aqueles que talvez hoje esperam por doaçao de medula, dando assim oportunidades a tantos outros atraves da lei PIETRO.
    Fica minha profunda admiração por esta familia guerreira e de muita luz ,pessoas que foram capazes de reverter sua dor em vontade de ajudar aqueles que ainda continuam na árdua luta pela vida!!!!
    Acredito em DEUS e tenho certeza que se ele enviou esta missão a PIETRO é porque realmente ele foi apenas um anjo para ajudar a abrir os olhos da sociedade para a doação de medula ossea!!!

  11. Linda a vida de Pietro ,eu como voce “mãe do Pietro”perdemos os filhos queridos ,eu perdi minha filha Greice Caroline ,com 23 anos ,tambem nascida em Passo Fundo ,em 1996 viemos para Porto Alegre ,aqui sonhavamos com uma vida melhor ,minha filha trabalhava e estudava e tinha planos para seu futuro ,mas um acidente de carro a tirou de seus irmãos ,de mim sua mãe ,dos primos ,tios ,amigos e seu namorado ,o qual estava com ela e que adormeceu na direção de seu carro,a vida é mesmo uma caixinha de surpresa ,quando menos se espera pode acontecer algo assim e no meu íntimo alguma coisa grita mais forte “OBEDIENCIA”nossos filhos as vezes se tornam auto suficientes ,querem comandar suas vidas ,mesmo sendo responsavel pelos seus atos ,não custa nada acatar as palavras dos pais ,quase sempre temos razão ,minha filha não morreu por doença ,mas por uma coisa que poderia ter sido evitada ,mas eles querem sempre fazer do seu jeito. Pietro e Greice estão nos braços de DEUS,tenho certeza ,ele precisa de pessoas ou anjos do seu lado.Vera

  12. Ao Beto Albuquerque e sua família ,minha solidariedade pela perda do Pietro ,meu conterraneo Passofundense ,meu pai foi amigo do vô do Pietro ,da oficina mecânica na qual Beto trabalhava com o pai,lembro minhas idas a oficina junto com meu pai ,Beto um guri ,hoje um Homem com muito respeito,meu abraço e do meu pai (in memoria)Octacilio Dias de Menezes,Vera

  13. Olá Renan,
    Acabo de ler seu texto e as lágrimas rolam no meu rosto…cada palavra lida, já senti profundamente. Há apenas dois meses perdi o amor da minha vida por essa mesma terrível doença…e ele também era um guerreiro, como o Pietro…E isso dói tanto…machuca a alma…
    Me pergunto todos os dias se essa dor vai passar…mas ela permanece aqui…muito latente
    Parece um livro, com uma leitura intensa, a vida das pessos que se encontram na luta contra essa doença…
    Mas quando eu era criança, os livros tinham final feliz…Que pena que temos que crescer…
    Parabéns pelo seu artigo!

  14. Hoje fazem 365 dias que Pietro se foi. A saudade é imensa e sempre me lembrarei dele como um guri bom, sem maldades, um cara muito na dele, que nos deixou livros escritos e um exemplo a ser seguido. Já li estas matérias várias vezes, pois tento encontrar uma resposta do porque ele se foi! Talvez jamais saiba ou encontre a resposta! Podemos criar histórias, estórias…mas a vida dele foi muito própria. E tudo o que falarmos ou escrevermos, JAMAIS refletirá quem ele o foi.

  15. DEMAGOGO. PQ ESTE DEPUTADO NÃO PENSOU NA TAL LEI, ANTES DO EPISÓDIO DA MORTE DE SEU FILHO? PQ NÃO SE PREOCUPOU, ANTES, COM AS OUTRAS PESSOAS QUE PADECIAM DO MESMO MAL?
    VAI VER NÃO TEVE TEMPO, PQ ESTAVA OCUPADO DEFENDENDO O GOVERNO MAIS CORRUPTO DA HISTÓRIA DO BRASIL.
    ESSE É O (PÉSSIMO) EXEMPLO DO OPORTUNISTA POLÍTICO BRASILEIRO. SÓ FALTA USAR O TRISTE DRAMA FAMILIAR EM SUA CAMPANHA ELEITORAL. ALGUÉM DUVIDA?

  16. MEU DEUS QUE CARA LINDO, ACABEI DE VER O PAI DELE FALANDO NA GLOBO NO FINAL DE VIVER A VIDA…………..LINDOOOOOOOO…………..NEM DA PRA ACREDITAR QUE ESSE BELO RAPAZ NAO ESTA ENTRE NOS

  17. Olá, lamentável a morte deste rapaz, mas o ibope aumenta qdo se trata de um político.
    Minha filha Amanda atualmente com 15 anos, teve LLA, Leucemia Linfóide Aguda de alto risco aos cinco anos, aos oito anos recaiu da doença e de estado grave ficou gravíssimo com infecção hospitalar nos dois pulmões, transferida para UTI de outro hospital, entubada, com dois drenos, minha filha por excesso de morfina(buscando reparação na Justiça pelo o erro médico) teve uma parada cárdio respiratória de 30 minutos lesando seu cérebro por completo. Amanda ficou com uma lesão cerebral irrerversível, tetraplégica e sem falar. Em hospital público e o que tive de retorno do Estado? Nada. Eu como cidadã que pago meus impostos ainda tenho que provar todo a vida de minha filha tolhida. Notícias? Bobagem somos mais um nas estatísticas de brasileiros que sofrem com o descaso do sistema hospitalar. Fica meus sentimentos pelo o falecimento do Pietro, mas o pai como nobre deputado deveria visitar mais os hospitais públicos e quantas crianças e jovens com a mesma doença e/ou mais grave que não tem um amparo social que todo brasileiro merece. Abraços fraterno,
    Solange Maria
    Brasília-DF

  18. Olá pessoal!!
    Li esta matéria hoje depois que vi o Beto Albuquerque no fechamento da novela Viver a Vida, e daí resolvi saber como tinha sido a morte de Pietro, já tinha conhecimento do seu falecimento, mas ñ da sua história, mas enfim, achei linda a reportagem, mas tbm concordo com Rafael, sobre a pessoalidade da redação, foi linda, mas acho que poderia ter sido diferente, mas ficou muito claro a luta da família e de Piertro, em relação ao comentário acima, qd o Beto terminou de explicar sobre a lei na novela, pensei a mesma coisa, pq ekle ñ fez isso antes? Mas nenhum de nós temos certeza de nada até vivermos o fato, ninguém tem noção do tamanho da dor antes de sentí-la, seria muito pior, ele tomar isso como um sofrimento pra si e ñ fazer nd para ajudar, ele como pessoa pública, fez correto em criar a Lei, e acho que pode muito mais, pois as pessoas ñ tm conhecimento do que é ser “doador de medula”, coloquem a mão na consciência antes de julgar…Mike o que tu fazes pra melhorar a vida do teu próximo? E acima de tudo respeito pelo sofrimento, pq só quem perdeu um ente querido, ou é pai ou mãe sabe o qt doí ver o sofrimento deles e ñ poder fazer nada!
    Parabéns pela batalha!

  19. É muito difícil falarmos da vida de alguém ainda mais quando não tivemos contato com essa pessoa, a história como contada aqui realmente é tocante, mas nem por isso precisam aquelas críticas ao Rafael, irmão do menino, pois entendo seu lado ao criticar a reportagem… a dor que você sentiu, poucos aqui sentiram e ver que o que talvez a entrevista que você concedeu e o que você esperava ler não saiu do jeito que imaginava, acaba sendo frustrante… jornalista é treinado para “mexer” c/ nossas emoções e muitas vezes não primam pela “realidade total”, mas pelo que vai fazer o seu texto mais bonito…
    e quanto a crítica quanto a política do último post, acho que não é bem assim também, não conheço esse político para falar bem ou mal, mas quem aqui consegue pensar em TODOS os males do Brasil? Existem tantos problemas neste país, tantas ações que queriamos que nossos políticos fizessem e pensassem, sou doadora de medula desde 2008 quando minha faculdade fez uma campanha de doação, isso sem nem mesmo conhecer alguem que tivesse precisado, mas infelizmente nós seres humanos na maioria das vezes só pensamos em soluções e/ou ajuda para certos problemas quando eles nos afetam diretamente… porque é aí que vemos onde estão as falhas e como podemos melhora-las em função da raiva que sentimos por ver alguem sofrer…
    que deus abençoe a essa família e a todas as outras!

  20. Demagogo?!? Todos os animais, e quando falo animal é no sentido biológico, só procuram se aperfeiçoar quando estão em risco ou quando vê sua cria em risco. Isso é teoria da evolução. Não temos a obrigação de saber lidar e conhecer todos os assuntos!
    Um grande amigo meu morreu de leucemia no dia 01 de junho de 2009. Antes dele contrair a doença todos os familiares e amigos não conheciam direito a leucemia. Mas depois da doença todos entraram no banco de doadores e medula…..várias campanhas foram realizadas para aumentar o cadastro de doadores. Conseguimos em um dia 1000 cadastros de doadores. Acho que muita gente não tem noça disso, mas de acordo com o Hemocentro de Brasília há uma média de 10 cadastros por mês!!! Por que não fizemos as capanhas antes?!? Somos demagogos também? Aprecemos em jornais e telejornais (inclusive Jornal Nacional), e fizemos com que a mídia ficasse em parte do nosso lado, ou seja, usamos as ferramentas que nós tinhamos.
    Não sei se, a pessoa que postou antes de mim, possui algum conhecido com leucemia. Se não…pode ter certeza que se conhecece alguem com esta doença (ou tantas outras que levam a morte) vc faria as mesmas coisas….utilizaria todas as ferramentas que tem em mãos, inclusive para ajudar outras pessoas. Se sim….pode contar com o nosso apoio. Fazer campanha para doação de medula é fácil!!! O difícil é arrumar compatibilidade de medulas.

  21. Vi o depoimento do pai do Pietro e me encontrei mais ou menos nessa historia. Passei por isso com meu filho, não conhecia a tal da LMA, mas meu filho recem formado em farmacia bioquimica sabia um pouco do que tava se passando e isso o fazia sofrer mais, mas sempre em silencio. Ele sofreu mas falava sempre “não vou desistir, não vou morrer, vou lutar até o fim, pois tenho fé em Deus que vou sair dessa” Mas, Deus o quis perto dele então ele foi embora para Deus no dia 24 de Dezembro de 2009, aos 23 anos de vida. Sofremos mto… a familia toda… mas nunca desistimos durante todo o tratamento… ficavamos 24 horas do seu lado, todo o hospital ficou mobilizado com a situação… Mas o fato é: o transplante ainda é um sonho mto longe de ser realizado… as vezes por falta de compatibilidade entre doadores, as vezes por falta de vaga em hospital… as vezes por uma pequena infecção, no caso de meu filho lesões no figado, que exame algum detectava o que era. So sei dizer que esta doença é maldita e TRAICOEIRA, pq ela vai embora algum tempo e quando volta é pra levar. No caso do Pietro pneumonia e no caso de meu filho querido uma tal de bacteria chmada pseudomona (maldita). Qualquer coisa bacteria, fungo, infecção, qualquer coisa mesmo, tem uma dimensão mto grande, pois o Leucemico está sempre mto debilitado. Temos quer ter consciência e divulgar sobre doação, não podemos esperar que isso aconteça na familia para mobilizar-mos. FIQUEM COM DEUS…

  22. Eu fiquei sabendo dele pela sua AVÓ que se orgulhava muito em falar dele,um grande escritor,segundo ela..
    Ela me deu de presente uma de suas obras DIAS CONTADOS,quando comecei a ler não consegui parar,li em 2dias,e amei.(impossivel não gostar).
    Quem diria que um guri que tinha toda a liberdade iria se dedicar a literatura?
    Os dias dele foram contados mais ele comprio sua missão e deixou marca em muitas pessoas..
    Ele soube viver.*(L)

  23. Eu conheci muiito bem o Pietro e sei que esta reportagem verdadeiramente não é toda a verdade de meses de angustia,sofrimento,sobre uma familia unida.*
    Pietro(L)

  24. Olá à todos! Uma história emocionante, inevitavelmente choramos…
    Tenho 21 anos, e há 1 mês e 12 dias comecei a quimioterapia contra a LMA, meu aniversário será em maio, dia 23… procurando entender mais e mais sobre esta doença encontrei esta reportagem. Sinto pela perda de Pietro, somente pessoa que passam por isso podem entender profundamente, de primeiro instante recebemos frustração, pois todos os nossos sonhos foram adiados e poderão não ser realizados, depois mesmo com dores conseguimos forças, pois a esperança e a luta fará com que nossos sonhos sejam realidade.. Hoje vejo que deixei nesta juventude muitas coisas perdidas, não soube aproveitar como eu deveria… mesmo assim eu todos os dias me sinto feliz, sexta feira caí no banheiro, tive lesões na bacia e no joelho direito… caí sozinho, minha perna parecia ser de elástico, toda torcida, mas eu fiquei calmo e acreditem, o enfermeiro estava nervoso do que eu! Criamos uma resistência emocional muito grande, enquanto nosso corpo perde a imunidade, nosso espírito transforma-se imune… até dezembro eu estava vivendo um sonho, morava em Paris, no centro da cidade, e estava completamente apaixonado, em dezembro terminei meu relacionamento, Paris perdeu seu encanto, voltei para o Brasil e duas semanas depois descobri a LMA… nada é por acaso, sempre há uma “por que”. Quero encontrar este livro de Pietro, Dias Contados…. também escrevo, todos os dias escrevo uma página da minha história, talvez um dia será lançado como de Pietro para ajudar mais pessoas.
    Hoje entramos no outono… eu estava cheio de planos para esta primavera no Hms. Norte…. mas tenho fé que verei muitas e muitas primaveras!
    Davi 20/03/2011

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *