Inventário das termelétricas: pouca energia e muita poluição nas usinas a carvão

Candiota: baixa eficiência energética. Foto: Divulgação

Entre as dez usinas termelétricas com maior taxa de emissão de gases de efeito estufa (GEE) no Brasil, cinco estão localizadas na região Sul, mostra o inédito “Inventário de Emissões Atmosféricas em Usinas Termelétricas”, estudo do Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA) lançado nesta quinta, 30 de junho.

O Subsistema Sul, um dos quatro conectados ao SIN e que compreende todos os estados da região Sul, apesar de produzir apenas 16% da energia elétrica inventariada, emitiu 26% dos gases, devido principalmente às usinas termelétricas a carvão mineral.

“Entre as cinco usinas com os menores índices de eficiência energética, quatro utilizam o carvão como combustível principal e três delas localizam-se no subsistema Sul”, observa Raissa Gomes, pesquisadora do IEMA e coautora do estudo.

As UTEs Pampa Sul e Candiota III, ambas localizadas em Candiota (RS) foram as menos eficientes tendo eficiências de 26,6% e 27,4%, respectivamente.

A eficiência energética de uma usina termelétrica indica a parcela da energia liberada pelo combustível que é convertida em eletricidade. Quanto menor a eficiência de uma usina, maior o volume de combustível que ela precisa queimar para gerar a mesma quantidade de eletricidade. Ou seja, usinas menos eficientes queimam mais combustível e, consequentemente, emitem mais G EE por gigawatt-hora (GWh) produzido.

O esudo avalia as “taxas de emissões” – razão entre as emissões de gases de efeito estufa e a geração de eletricidade de cada planta.

Destacam-se novamente Candiota III e Pampa Sul, com as maiores taxas de emissão de 2020, e as plantas do Complexo Termelétrico Jorge Lacerda – o maior parque termelétrico a carvão da América Latina –, em Capivari de Baixo (SC), ocupando a quarta (Jorge Lacerda I e II), a quinta (Jorge Lacerda III) e a sétima posições (Jorge Lacerda IV) do ranking de maiores emissões de GEE por GWh.

No ranking das dez com maior taxa de emissão  no pais estão mais três usinas a carvão – Porto do Pecém II (São Gonçalo do Amarante, CE), Porto do Itaqui (São Luís, MA), Porto do Pecém I (CE) – e duas a óleo combustível – Arembepe (Camaçari, BA) e Global I (Candeias, BA).

“O Inventário também traz como destaque interessante o fato de a geração de eletricidade e as emissões de gases de efeito estufa estarem concentradas em um número relativamente pequeno de usinas”, comenta Felipe Barcellos e Silva, pesquisador do IEMA que também trabalhou no estudo. A concentração da geração em poucas plantas fica ainda mais evidente ao se constatar que a geração termelétrica proveniente das oito usinas movidas a carvão mineral como combustível principal foi de 10,8 TWh, o equivalente a 20% do total da produção de eletricidade fóssil em 2020, de 54,1 TWh.

Nesse mesmo sentido, as dez térmicas que mais emitiram, seis delas a carvão, foram responsáveis por quase metade (49%) do CO2e contabilizado no Inventário.

As usinas a carvão mineral também são as principais emissoras de óxido de nitrogênio (NOX), um poluente do ar. E, mais uma vez, as usinas dos municípios de Capivari de Baixo e Candiota estão entre as mais emissoras.

As três usinas do Complexo Jorge Lacerda, por exemplo, ocupam as três primeiras posições e produzem anualmente o equivalente a cinco vezes o que emite a frota de ônibus de São Paulo, um dos maiores sistemas do mundo com 14 mil ônibus. Já Candiota III é a quarta maior emissora de NOX.

Sobre o inventário de termelétricas

O estudo analisou 72 usinas: 36 movidas a gás natural como combustível principal, oito a carvão mineral, 17 a óleo combustível e outras 11 a diesel. Juntas, elas produziram 54,1 TWh de eletricidade e emitiram 32,7 milhões de toneladas de CO2e em 2020. Apenas metade das usinas fósseis foram responsáveis por 94% das emissões de GEE.

Importante salientar que o crescimento da geração de eletricidade por termelétricas movidas a combustíveis fósseis em 177% nas duas últimas décadas – de 30,6 TWh em 2000, para 84,4 TWh, em 2020 – favoreceu um aumento de 90% nas emissões de gases de efeito estufa no setor elétrico, nesse mesmo período.

Além do dano ao meio ambiente, o avanço resultará também em contas de luz mais caras à população.

“O que o IEMA faz é qualificar o debate sobre o contexto atual do setor elétrico, que apresenta elevados riscos para os planos de descarbonização rumo a uma matriz 100% renovável, bem como para a melhoria da qualidade do ar no país. Infelizmente, o que temos visto é o país caminhar na direção oposta, com a expansão da operação de usinas termelétricas fósseis. Além da emissão de gases de efeito estufa, esse tipo de geração resulta em uma série de problemas ambientais”, alerta André Luis Ferreira, diretor-executivo do IEMA.

Sobre o IEMA

O Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA), fundado em 2006, é uma organização brasileira da sociedade civil que tem como propósito qualificar os processos decisórios para que os sistemas de transporte e de energia no Brasil assegurem o uso sustentável de recursos naturais com desenvolvimento social e econômico.
(Com informações da Assessoria de Imprensa)

Deixe uma resposta