A vitrine do tráfico de drogas

O crime organizado nunca deixa de utilizar em sua defesa as armas com as quais é atacado.
O tratamento midiático da questão das drogas não é menos complexo e contraditório do que é realizado pelos organismos governamentais que combatem este flagelo, assim como é o traçado das ONGs que se dedicam a este campo. Permito-me abordar neste último dia e último domingo de novembro, apenas um detalhe sobre os organismos repressores (as polícias) e a mídia. Numa grande apreensão de drogas, o nome e a cara do traficante, evidentemente quando ocorre a prisão, são detalhes ocultos. No entanto, as drogas são colocadas sobre uma grande mesa divididas segundo as suas diferentes embalagens ou tipos. Armas e munição, obedecem a mesma disposição. E nunca falta nesta vitrine, o que entendo como plenamente justo, o logotipo da corporação que realizou o feito. Sigam-me
Penalizações
Quando as polícias e a mídia realizam esta exposição, numa hipótese não aprofundada em todas as suas conseqüências, estão prestando um serviço inestimável para o traficante – se preso foi e, se não foi, melhor ainda – e para os consumidores, sempre atentos às movimentações do mercado da droga. Tal divulgação permite ao traficante provar aos seus superiores, com aval oficial e midiático, a perda que sofreu e, assim, estará livre das penalizações, inclusive da sua execução pura e simples. Quanto aos consumidores, saberão, com segurança, os motivos da alteração da cotação da mercadoria que consomem assim como aguardarão, pacientes e com segurança, as opções que terão até que os estoques sejam remanejados. Da minha torre, ainda não vi, não escutei nem ouvi falar de alguém que tenha discutido este lado do flagelo.
Apenados
Tumulto no Instituto Penal de Viamão, ocorrido na madrugada de ontem, deixou dois presos feridos. Eles foram encaminhados ao HPS e ao Hospital de Viamão. A Susepte e a Brigada Militar reforçaram a segurança em Porto Alegre pois uma das guaritas externas do presídio central foi alvo de tiros. Ninguém foi identificado.
Comemoração
Amanhã começa a semana comemorativa dos 76 anos do Viaduto Otávio Rocha, uma das mais belas obras de arte de Porto Alegre, que nunca foi inaugurado e é permanentemente agredida por vândalos. O viaduto também é local despoliciado à noite e suas colunas servem de armadilhas contra pedestres. Não bastasse isso muitas luminárias estão queimadas e os comerciantes ali instalados protestam contra os alugueis altos. Portanto, há muito o que comemorar.
Condicional
Em continuidade ao trabalho que a 15ª DP, sob o comando do delegado Omar Sena Abud, vem desenvolvendo na Vila Bom Jesus contra o tráfico de drogas e o porte ilegal de armas foi preso um jovem de 22 anos, que gozava de liberdade condicional por autoria de roubo. O moço tinha em seu poder dois revólveres, 73 pedras de crack e 23 tijolos de maconha.
Trabalho
A Policia Civil e o Ministério Público realizaram uma operação contra o jogo do bicho no Alegrete, cidade tradicionalmente avessa até mesmo ao jogo de osso. Segundo as investigações, a contravenção movimenta 1 milhão de reais por mês no município, e envolve cerca de 2 mil pessoas. Com esta ação, portanto, absolutamente legal, pelo menos 2 mil pessoas ficarão foram do mercado de trabalho informal durante alguns dias.
Desembargador
O Grupo de Estudos de Direito de Família do Iargs (Instituto dos Advogados do RS), coordenado pela advogada Helena Raya Ibañez, realizará, nesta terça-feira, a palestra de encerramento de 2008. O evento ocorrerá das 12h às 13h30min, na sede da entidade, na travessa Acelino de Carvalho, 21, quando o corregedor-geral de Justiça do RS, desembargador Luiz Felipe Brasil dos Santos abordará o tema “Alimentos Gravídicos.
Cultura
Tivesse eu alguma influência sobre a área cultural do RS, começaria por sugerir uma faxina integral na fachada do Museu Júlio de Castilhos. O prédio, que tem as linhas de um antigo e belo jazigo, bem que poderia ser alegrado com uma cara limpa.
A chaga
O nepotismo é uma chaga do poder público que, sempre que tocada, provoca em seus adeptos crises que beiram o histerismo, quando não acompanhadas de explicações pretensamente jurídicas. É sabido, por exemplo, que no TCE (Tribunal de Contas do Estado) essa pratica continua em vigor, inclusive com o conveniente pálio da cúpula da Polícia Civil. Eu continuo com a idéia de que o nepotismo, no poder público, deveria ser criminalizado.

Deixe uma resposta