BRDE já liberou mais de R$ 100 milhões em programa de crédito especial para mulheres

Lançado há seis meses pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), o programa de crédito especifico para mulheres empreendedoras já superou a marca de R$ 106 milhões de operações aprovadas.

Nesse período, o banco liberou 430 pedidos nos três Estados do Sul, beneficiando empresas de todos os portes.

Apenas no Rio Grande do Sul, o BRDE contabiliza R$ 43 milhões em financiamentos autorizados, em especial para os setores do comércio e serviços.

“O resultado demonstra que as mulheres são participantes ativas da comunidade de negócios e oferecem relevante contribuição para o desenvolvimento da região.

O programa traz impactos econômicos e sociais, reduz a desigualdade no acesso ao crédito, uma meta dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Apoiar o empreendedorismo das mulheres significa inserção social, mais riqueza e renda para o Sul.”, afirma a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos.

Com a finalidade de apoiar empresas que tenham mulheres no comando (ou com mínimo de 40% de sócias) e produtoras rurais, o BRDE Empreendedoras do Sul oferece financiamento para investimentos fixos e capital de giro.

Além de criar um produto de credito específico para as mulheres, internamente a instituição atua de maneira objetiva em favor da diversidade na sua governança. Há poucos dias, o BRDE se tornou o primeiro banco de fomento do país a receber o selo Women On Board, conferido a companhias com no mínimo duas mulheres com assento no Conselho de Administração. Pouco mais de 60 empresas do Brasil têm esse reconhecimento por estimular o aumento de participação das mulheres em cargos de liderança e conselhos. A instituição reúne três mulheres no Conselho de Administração, elas que respondem por mais de 30% dos postos de liderança no banco.

Fonte: Ascom BRDE

Prefeitura anuncia que coleta do lixo foi retomada em 18 bairros; confira

Os trabalhadores da empresa Litucera Limpeza e Engenharia retornaram às atividades na manhã desta segunda-feira, 18.

A Litucera é uma empresa de São Paulo, contratada em junho pela prefeitura para coleta de lixo em Porto Alegre.

Os trabalhadores suspenderam a coleta no sábado, alegando atraso no pagamento do vale alimentação.

Segundo nota da assessoria, “antes das 8h, toda a frota que faz a coleta da manhã já havia saído da garagem da empresa, que fica no bairro Sarandi”. Cerca de 60 caminhões foram às ruas nesta manhã, sendo três funcionários por caminhão.

Durante o dia, 69 caminhões atuam na coleta domiciliar e, durante a noite, 21 veículos fazem o serviço.

A prefeitura efetuou na manhã desta segunda o pagamento de R$ 500 mil para a empresa, que irá repassar aos funcionários. A expectativa é que até esta terça-feira, 19, a coleta esteja normalizada.

Bairros a serem atendidos nesta segunda:

Santa Teresa
Glória
Camaquã
Bom jesus
Agronomia
Teresópolis
Cavalhada
Restinga
Pinheiro
São José
Aparício Borges
Ipê
Ceder
Jardim Carvalho
Belém velho
Cascata
Cefer
Leopoldina

 

Professores da rede estadual protestam contra sete anos de arrocho salarial no RS

Mesmo com chuva, professores da rede estadual foram às ruas nesta sexta, 15,  protestar contra o arrocho salarial que énfrentam desde 2015.

O salário dos professores  no Rio Grande do Sul já perdeu 46% do seu poder de compra nos últimos sete anos.

Só nos oito meses de governo Leite a perda supera 16%, segundo nota técnica da bancada do Partido dos Trabalhadores, com base em indicadores oficiais.

Segundo a análise, mais da metade (52,4%) dos Servidores de Escola Ativos precisam receber “completivo”, para alcançar o mínimo regional.

Anunciado na véspera, o programa Avançar Educação, do governo do Estado, prevê investimentos de pelo menos R$ 1 bilhão até o final de 2022. Mas ignora a questão salarial.

Os recursos serão aplicados na reforma de escolas, compra de equipamentos (chromebooks, por exemplo), salas de informática e treinamento de professores.

Parte do dinheiro virá do orçamento da Educação, parte das privatizações de estatais.

A explicação do governo para deixar de fora a questão salarial é que “não pode criar despesas permanentes com recursos extraordinários, que não se repetirão no ano seguinte”.

Segundo a nota do governo “ o tema dos salários será tratado quando se definir qual será o piso válido para 2021, já que o mínimo nacional do magistério é a base do plano de carreira”.

Pela regra atual de correção, o reajuste será de 31,3% e elevará o piso para R$ 3.789 por 40 horas de trabalho. Se vingar esse valor, o impacto na folha de pagamento do Estado será de R$ 1,3 bilhão no ano.

Nota Técnica aponta que perdas chegam a 46,1%

Uma equipe da assessoria técnica da bancada do Partido dos Trabalhadores, produziu um documento de análise da questão salarial e a carreira profissional dos professores da rede pública estadual no Rio Grande do Sul.

Principais conclusões:

• Trabalhadores em educação das escolas estaduais do Rio Grande do Sul estão há sete anos com salários congelados. Perdas chegam a 46,1% desde o Governo Sartori (01/2015 a 08/2021) e a 16,7% somente no Governo Leite (01/2019 a 08/2021).

• Servidores de escola precisam receber um completivo para chegar ao Salário-Mínimo Regional (52,4% dos Servidores de Escola Ativos recebem completivo).

• O último reajuste concedido aos professores foi em novembro de 2014, na gestão Tarso Genro.

• A justificativa de Eduardo Leite para manter o congelamento salarial dos professores é o ajuste fiscal.

• A Educação responde hoje por 66,4% dos vínculos do Poder Executivo (Administração Direta) e representa apenas 36,5% da folha.

• Os governos Sartori e Leite reduziram drasticamente o número de Trabalhadores da Educação e não realizaram nenhum concurso para repor aposentadorias e exonerações: são 24.771 Professores e Servidores a menos desde o final de 2014.

• Enquanto o número de contratados aumenta, o número de Efetivos (concursados) reduz drasticamente. Eram 70.958 Efetivos em final de 2014 e hoje são apenas 42.930.

Os Efetivos representam apenas 57,4% do total de Professores e Servidores (em 2014, eram 71,3%).

As despesas de pessoal da Secretaria da Educação com ativos e inativos vêm diminuindo em termos reais (descontada a inflação) desde 2015, quando foi de R$ 10,3 bilhões em valores atuais corrigidos pelo IPCA.

Se as despesas de pessoal tivessem se mantido nos mesmos valores reais de 2015, sem aumento acima da inflação, o governo Leite deveria ter aplicado R$ 5,36 bilhões a mais no pessoal da Educação entre 2019 e agosto de 2021

Dados ganizados por Vera Amaro, Elton Scapini, Aniger de Oliveira, Jorge Ussan – Assessoria da Bancada do PT/AL – Em 14 de outubro de 2021

Nota%20Técnica%20-%20Governo%20Leite%20-%20O%20que%20não%20avança%20na%20Educação%20(2).pdf

 

Porto Alegre 250 Anos: Mercado Público estará pronto para a festa?

Em audiência pública na Assembléia Legislativa,  permissionários, consumidores e gestores públicos reunidos para discutir a situação do Mercado Público Central de Porto Alegre chegaram a um preocupante consenso: à véspera dos 250 anos da cidade não há um plano para recuperar o prédio centenário, que é tombado pelo patrimônio histórico nacional.

Restam pouco mais de cinco meses para a festa, em março de 2022.

O prédio original do Mercado Central, de 1869. Foto: Reprodução.Atingido por um incêndio em julho de 2013,  o prédio, um dos mais antigos da cidade,  não voltou ao normal desde então: o segundo andar está fechado e parte das bancas transferidas para o térreo do Mercado, espremidas entre os outros comerciantes.

O custo da reforma,  aprovada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Ipham): R$ 19 mlhões à época.  Uma parte, R$ 9 milhões, chegou a ser liberada mas os R$ 10 milhões  restantes nunca apareceram.

A audiência pública na Comissão de Segurança e Serviços Públicos da Assembleia Legislativa, foi uma iniciativa da deputada Sofia Cavedon (PT) e mostrou que “não existe ainda uma luz no fim do túnel depois de quase uma década de indefinições”.

O retrospecto feito pela  presidente da Associação do Comércio do Mercado Público Central (Ascomepc), Adriana Kauer, mostrou que as indefinições remontam a 2005, quando se rompeu uma parceria para a administração do local, entre o poder público e os permissionários.

Naquele ano, conforme Adriana, a prefeitura teria rompido essa parceria sem realizar os últimos aportes que lhe cabiam, o que teria resultado em dívidas trabalhistas com os funcionários.

“Naquela época, o piso era encerado todos os dias”, contou, explicando que a Associação contratava os funcionários e os próprios mercadeiros controlavam se os serviços estavam sendo bem feitos.

O secretário Cezar Schirmer, responsável pela revitalização do Centro Histórico de Porto Alegre, tem garantido que até março, quando a cidade completa  os 250 anos, o Mercado Público estará recuperado.

A prefeitura, segundo ele, vai restabelecer a parceria com os permissionários para administrar o mercado, mas vai contratar uma empresa especializada para gerir o contrato.

O secretário-adjunto da Secretaria de Parcerias de Porto Alegre, Jorge Murgas, disse na audiência que a restauração do Mercado Público é uma prioridade do prefeito Sebastião Melo (MDB).

A intenção é estar com o mercado que é um dos ícones da cidade em pleno funcionamento em março de 2022, data dos 250 anos.

Mas ainda não há um cronograma: um chamamento público para doação de tintas e materiais para restauro e recuperação da fachada externa não teve nenhum retorno.

(LEIA MAIS: https://www.jornalja.com.br/economics/segundo-andar-do-mercado-publico-continua-fechado-quase-uma-decada-depois-do-incendio/)

 

 

Presidente do Banco Central alerta para importância do controle fiscal

O Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, tem toda a razão de andar preocupado com o peso do aumento dos preços administrados e do endividamento público na execução da política monetária.

O aumento generalizado dos preços subtrai o poder de compra da moeda e o descontrole fiscal reduz o efeito do aumento das taxas de juros na busca de uma inflação dentro da meta.

Roberto Campos Neto tem usado muitos argumentos nos últimos dias, em vários eventos públicos, alertando para a importância do controle fiscal, que depende do ministro da Economia, Paulo Guedes, e, igualmente, para as limitações que ele (o BC) tem no comando da política monetária.

“A credibilidade é super importante. Eu sempre dizia que o Banco Central não era o piloto, que o fiscal era o piloto. O fiscal é muito importante no momento para ganhar credibilidade e poder aumentar a transmissão da política monetária”, disse Campos Neto.

O presidente do BC diz ainda que se a instituição agir com credibilidade, mesmo em ambiente de juros altos, pode proporcionar melhoras nas condições de financiamento dos bancos para a população e as empresas.

“Às vezes sobe os juros curtos, mas num movimento de muita credibilidade o que acontece é que juros longos caem”, disse, ao mencionar que, se a política fiscal também for confiável, isso ajuda a manter os juros de longo prazo sob controle. (Ivanir José Bortot)

 

Porto Alegre vai sediar feira internacional de inovação em 2022

Era o começo da manhã quando Porto Alegre foi anunciada como sede de uma das maiores feiras de inovação da Europa, a South Summit.

Ao lado do governador Eduardo Leite e do prefeito Sebastião Melo, a presidente e fundadora do evento,  María Benjumea, confirmou a escolha da capital gaúcha.

A comitiva tinha isso como um dos principais objetivos.

A feira reúne empreendedores, investidores, startups e corporações do mundo todo.

A expectativa é que isso  reverta bilhões em negócios para Porto Alegre e para o Estado. A edição neste ano estima que cerca de US$ 130 bilhões sejam movimentados entre investimentos e acordos.

RS no cenário da inovação – Com mais de 1 mil startups e 15 parques tecnológicos, o Rio Grande do Sul é um dos líderes da transição para a economia digital na América do Sul. Os 11 milhões de habitantes vivem em uma região com os melhores IDHs e rendas per capita do país.

Em Porto Alegre, florescem hubs como o Instituto Caldeira, fundado por 39 grandes corporações da região. O movimento “Pacto Alegre” reúne os setores público, privado, sociedade civil e universidades em uma articulação para promover a inovação e o empreendimento. Se destacam scaleups como a Zenvia (com recente IPO na bolsa Nasdaq), as fintechs Nelogica, Warren e Getnet, o primeiro unicórnio brasileiro, vendido para o Santander em 2014.

O estado conta ainda com a Aliança para Inovação, que compreende as universidades UFRGS, PUC, Unisinos e seus respectivos parques tecnológicos, reconhecidos nacionalmente, sede de unidades de várias tech companies internacionais, além da 4all, uma das maiores venture builders da América Latina. O RS também é conhecido por ter sediado grandes eventos internacionais, como o Fórum Social Mundial, o Fórum Internacional Software Livre e a Copa do Mundo 2014.

Comitiva – Além do prefeito, integram a comitiva os secretários municipais do Planejamento e Assuntos Estratégicos, Cezar Schirmer, de Comunicação, Luiz Otávio Prates e o diretor de Relações Internacionais, Ricardo Sondermann. O coordenador do Pacto Alegre e futuro secretário municipal de Inovação, Luiz Carlos Pinto da Silva, também participa da missão.

 

Escolas foram os maiores focos de covid em Porto Alegre

Com a volta às aulas presenciais na rede privada e na pública, as escolas lideraram os casos de  surto de covid em Porto Alegre em 2021.

Foram 173 casos de surtos notificados e 100% de confirmações pela Secretaria Municipal de saúde do município superando os ambientes hospitalares.

Em segundo lugar aparecem os serviços de saúde com 205 notificações de surto mas com 158 casos de surtos confirmados.

Segundo o documento “PREVENÇÃO DE SURTOS E CUIDADOS RELACIONADOS À COVID-19 EM AMBIENTES DE TRABALHO ” elaborado pela Secretária Municipal de Saúde em 2020, já é considera a possibilidade de surto quando há ocorrência demais de um caso positivo , no mesmo ambiente de trabalho e em um intervalo igual ou menor que 14 dias.

Recentemente, o Hospital Nossa Senhora da Conceição teve um grande surto de covid-19, quando até o dia 6 de agosto haviam sido confirmados 35 pacientes e 12 profissionais foram infectados pelo vírus.

Os números foram apresentados na manhã desta terça-feira, dia 4, durante o relatório da gestão de saúde do segundo quadrimestre, durante audiência pública promovida pela Comissão de Saúde e Meio Ambiente (Cosmam) da Câmara de Vereadores.

As aulas presenciais retornaram no final de abril deste ano em Porto Alegre em todo o estado ainda que fosse opcional. Muitas instituições operaram em modelo remoto ou híbrido no primeiro semestre.

No segundo semestre, a prefeitura de Porto Alegre determinou que todas as atividades da rede municipal fossem de maneira presencial . Já o estado e o ensino privado, terão atividades em modelo híbrido.

“Nosso objetivo é resgatar todos os alunos que ainda não retornaram de forma presencial”, afirmou  na ´época a  secretária de Educação Janaina Audino.

Conforme a própria secretaria de saúde os números são de 10/09 e provisórios.

Números gerais da Pandemia em Porto Alegre 

Até o dia 29/09 haviam sido registrados 5615 óbitos por covid-19 em Porto Alegre. Os números foram apresentados no relatório mas até o dia de hoje esse número já subiu para 5628, conforme o infográfico covid no site da Prefeitura.

Já são 70% da população com a  vacinação completa até o dia de hoje, 5( atualizado às 15:13 minutos). São 842.212 mil pessoas que se vacinaram com as duas doses ou dose única.

 

Câmara de Porto Alegre aprova CPI para investigar empresas de transporte por aplicativos

Aprovada na Câmara Municipal, uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os contratos das empresas de transporte por aplicativos que atuam em Porto Alegre.

Proposta pelo vereador Jonas Reis, do PT,  CPI vai investigar a relação entre as empresas e os motoristas que prestam serviço aos aplicativos de transporte.

Atualmente não há uma regulamentação para as empresas por aplicativo.

“O motorista não tem vínculo empregatício com o aplicativo e, consequentemente, a empresa não recolhe e não contribui com encargos sociais. Os motoristas trabalham numa lógica totalmente precária, com quase nenhum benefício”, diz o autor da proposta aprovada.

Protesto no legislativo motivou CPI

Na última quarta-feira,29, um grupo de motoristas de aplicativos da Capital foi recebido pelo presidente da Câmara Marcio Bins Ely (PDT).

Foram pedir a abertura de uma CPI. Os trabalhadores reclamaram que não há regulamentação da profissão.

Segundo eles, cerca de 500 motoristas foram excluídos do trabalho de transporte de passageiros pela Uber de maneira arbitrária e que a justificativa dada pela empresa, excesso de cancelamentos de viagens por parte dos prestadores do serviço, não seria verdade.

A CPI tem tem prazo de funcionamento de 120 dias, com a possibilidade de prorrogação.

 

Com Melo e vice-prefeito fora, Márcio Bins Ely assume o Paço por dois dias

A partir dessa segunda-feira, dia 4, o prefeito em exercício de Porto Alegre por dois dias será o presidente da Câmara Municipal, o vereador Márcio Bins Ely (PDT).

O prefeito Sebastião Melo está em missão internacional na Espanha até o dia 9 e o vice-prefeito, Ricardo Gomes vai ao Rio de Janeiro  nesta segunda e retorna na quarta-feira.

Durante o período, de 4 a 6 de outubro,  vereador Idenir Cecchim (MDB), assume a presidência do legislativo.

Campanha de 2022 está nas ruas: “Fora Bolsonaro” já não esconde divisão na oposição

| Foto: Ramiro Furquim/@outroangulofoto
| Foto: Ramiro Furquim/@outroangulofoto
| Foto: Ramiro Furquim/@outroangulofoto
| Foto: Ramiro Furquim/@outroangulofoto
| Foto: Ramiro Furquim/@outroangulofoto
| Foto: Ramiro Furquim/@outroangulofoto
| Foto: Ramiro Furquim/@outroangulofoto
| Foto: Ramiro Furquim/@outroangulofoto
Manifestantes voltaram às ruas de Porto Alegre neste sábado (2) para protestar contra o governo Jair Bolsonaro e defender o impeachment do presidente.
Público numeroso lotou o largo Glenio Peres e a avenida Borges de Medeiros até a Salgado Filho, no centro histórico, mas não foi a grande manifestação que se anunciou e revelou uma divisão nas forças de oposição ao governo.
O ato buscava unidade em torno do “Fora Bolsonaro”, mas registrou bate boca e vaias entre os partidários de Ciro Gomes, pré-candidato do PDT, e os do ex-presidente Lula, líder absoluto em todas as pesquisas de intenção de voto para a presidência da República.
A deputada Juliana Brizola, do PDT, foi vaiada quando começou a falar e reagiu culpando os petistas por sabotarem a unidade da oposição.
Em São Paulo, ao discursar na avenida Paulista o próprio Ciro Gomes  foi vaiado e chamado de canalha por um representante do PCO.

Segundo o g1 houve protestos em 93 cidades (incluindo todas as 27 capitais) nos 26 estados e no Distrito Federal. Os temas expressos nos cartazes e palavras de ordem eram: “Fora Bolsonaro”, “Vacina”, “Desemprego”, “Preços dos alimentos, combustível e gás”, “fome”.

Centrais sindicais, partidos ( Cidadania, DEM, MDB, PCB, PC do B, PCO, PDT, PL, Podemos, PSB, PSD, PSDB, PSL, PSOL, PSTU, PT, PV, Rede, Solidariedade e UP) e movimentos sociais organizaram os protestos.

“As ruas podem ter extraviado a capacidade de oferecer respostas”, escreveu o jornalista Moisés Mendes em seu blog.

Protesto contra Jair Bolsonaro em Natal cobra redução do preço dos alimentos — Foto: Ângela Bezerra/Cedida

Protesto contra Jair Bolsonaro em Natal cobra redução do preço dos alimentos — Foto: Ângela Bezerra/Cedida